quarta-feira, 30 de julho de 2008

Você está com TPM?


Ela tem dois tipos distintos de humor", escreveu sobre a sua mulher o poeta grego Semônides de Amorgos, 600 anos antes de Cristo. "Um dia ela é toda sorrisos e felicidade... no outro, é impossível viver ao seu lado."

Há mais de 2 600 anos homens e mulheres engalfinham-se em torno da mudança brusca de humor delas, um suplício para ambos os sexos que afeta um período curto mas explosivo do mês: os quatro a sete dias que dura, em média, a tensão pré-menstrual. Tão antigo quanto a TPM é o desconforto dos homens nesses dias.

A grande maioria deles simplesmente não sabe como agir, como revela o primeiro estudo brasileiro a avaliar o que pensam os homens a respeito da TPM de suas mulheres, namoradas, chefes, amigas, mães, irmãs... A pesquisa coordenada pelo ginecologista Carlos Petta, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), ouviu 1 500 homens e mulheres de todas as regiões do país, a maior parte deles entre 20 e 35 anos.

Para oito em cada dez homens, todas ou quase todas as mulheres de seu convívio têm TPM – a presença da síndrome é evidenciada principalmente no nervosismo, na ansiedade, no choro fácil e nas brigas sem motivo aparente que acontecem nessa época do mês. "Embora os homens sejam capazes de reconhecer a TPM e até de localizá-la no tempo, em geral, eles não sabem como se comportar nessas horas", diz o médico Carlos Petta.

Há os que se afastam, caso de três em cada dez, os que procuram tocar no assunto com cuidado – pouco mais da metade – e há aqueles que se irritam e acabam sucumbindo ao mau humor e à irritação delas, o que acontece com quase 10%. Nada disso funciona por completo. Na dúvida sobre como agir, dizem os especialistas, o melhor é ter paciência, muita paciência, até a crise passar.

Quando o assunto é TPM, homens e mulheres não se entendem. Pouco mais da metade delas acredita que a tensão pré-menstrual afeta o relacionamento do casal. Esse, no entanto, é um problema relatado por 85% deles.

As mulheres dizem que, nessas horas, precisam ser mimadas, querem carinho e, sobretudo, atenção. Eles contestam. Sentem-se confusos e acreditam que nada ajuda numa situação dessas. "Qualquer coisa que eu diga ou faça a irrita ainda mais. É melhor nem chegar perto", afirma o publicitário paulista Marcos Pontes, de 36 anos.

Sua experiência com a TPM inclui, além da mulher, com quem vive há três anos, três irmãs, duas chefes e quatro colegas de escritório. "Pela fisionomia delas, já sei quando é dia de TPM. Por via das dúvidas, não toco no assunto", diz. Certíssimo, Marcos. Nada mais irritante para uma mulher com TPM do que o marido, namorado ou colega lembrá-la de algo que ela reluta em aceitar: sim, ela está naqueles dias. Do contrário, prepare-se para uma resposta enviesada. Muitas mulheres ouvidas na pesquisa reconheceram que, quando estão na TPM, dizem coisas desagradáveis e agressivas, das quais invariavelmente se arrependem depois.

Segundo o estudo da Unicamp, 80% das mulheres brasileiras têm ou já tiveram sintomas da TPM. De tão comum, o distúrbio já virou motivo de piadinhas masculinas de todos os tipos: em inglês, a sigla PMS, premenstrual syndrome, equivalente à TPM, ganhou o significado "Punish Men Severely" (punir os homens severamente).

Nada pode irritar mais uma mulher... Para botar ainda mais lenha na fogueira da discórdia, uma pesquisa australiana feita recentemente mostrou que a TPM é pior para as mulheres casadas, e a culpa – adivinhem – é dos próprios maridos. "Questões de relacionamento podem causar ou piorar a síndrome pré-menstrual", disse a pesquisadora Jane Ussher, professora da Universidade de Sydney, que estuda o assunto há mais de vinte anos. "Existem fortes indícios de que a reação do parceiro influencia a forma como a mulher responde à tensão pré-menstrual." Se eles são indiferentes ou se reagem de forma agressiva, o quadro só piora.

Por isso, há até quem defenda a inclusão da terapia de casal no arsenal terapêutico anti-TPM, que vai de antidepressivos e fitoterápicos a contraceptivos e suplementos nutricionais.
A TPM foi descrita pela primeira vez pelo grego Hipócrates, o pai da medicina, no ano 400 antes de Cristo. Mas ela só foi reconhecida como diagnóstico médico em 1983, pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos. Os sintomas da síndrome – até agora já foram relatados mais de 150 deles – decorrem de oscilações bruscas dos hormônios estrógeno e progesterona registradas, sobretudo, a partir da segunda metade do ciclo menstrual.

Os mais comuns são dor de cabeça, inchaço, alteração de humor, choro fácil, irritação e insônia. Para além da questão hormonal feminina, o estilo de vida tem um peso enorme sobre a manifestação dos sintomas da TPM, especialmente os psíquicos. "Mulheres mais velhas, com filhos e que trabalham fora são as principais vítimas do problema", diz o ginecologista Carlos Petta.

Ao contrário do que ocorre com as mulheres, não há nenhuma evidência científica de que os humores masculinos sejam influenciados por hormônios. Mas a TPM delas influi – e muito – na vida deles. E não é só dentro de casa. Um estudo americano recente, com 1 000 homens e mulheres, mostrou que metade deles já foi vítima de hostilidade e enfrentou dificuldades ao trabalhar com mulheres na TPM. O relações-públicas paulista Rodrigo Santos, de 34 anos, viveu o drama com uma antiga chefe: "Seu mau humor mudava completamente a dinâmica da equipe e interferia no comportamento de todos no escritório. Era um tormento".

E pode continuar a sê-lo por muito tempo, já que ainda se está longe de uma solução definitiva para o mal. Mas, atenção, senhores: nem toda irritação feminina é sinônimo de tensão pré-menstrual. Portanto, tenha sempre um calendário em mãos antes de lançar a irritante pergunta: "você está com TPM?".
Anna Paula Buchalla
Via Amigos do Freud

Nenhum comentário: