sábado, 7 de junho de 2008

Promessas do Casamento


Mario Quintana foi um dos maiores poetas brasileiros. Nasceu em Alegrete, no Rio Grande do Sul, em 1906 e morreu em Porto Alegre.

Sua poesia foi caracterizada especialmente pela simplicidade, utilização de uma linguagem coloquial e cotidiana, além de exprimir um sutil humor.

Neste texto o poeta expressou o que achava do sermão dos padres durante o casamento.

"Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento na igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre: 'Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?'

Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:
“Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade”?

Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?

Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?

Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?

Promete se deixar conhecer?

Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?

Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?

Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?
Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?

Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?

Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher.
Declaro-os maduros!
Mario Quintana
Via Amigos do Freud

Revista Mente e Cérebro - Especial - Nº14


Rapidshare
Via Blog da Lu

Jornal O Estado de SP em PDF, Sábado, 07 de Junho de 2008



Rapidshare
Via DownlodasCopyleft

Motociclistas se arriscam em manobras na Zona Norte de SP

Grupo faz demonstração sem se preocupar com a segurança.
Flagrante foi feito em rua próxima à Marginal Tietê.

Flagrante da ousadia de motociclistas na Zona Norte de São Paulo: em uma rua tranqüila, no bairro do Limão, perto da Marginal Tietê, a atração nas noites de sexta-feira é a habilidade em cima de duas rodas.

Veja o site do SPTV

Os motociclistas se exibem em manobras radicais, sem preocupação com a segurança. Empinam as motos e ficam muito perto do chão. Os carros estacionam para ver a demonstração. Desta vez, ninguém se machucou.

10 razões para não se usar drogas

Walt Disney 3D

Clique na imagem e faça essa viagem virtual...

Boa Forma Especial - Corrida



quinta-feira, 5 de junho de 2008

Futebol é Guerra


Gostou??? Comente!!! Não gostou??? Comente também...

Saiba como se proteger das lesões mais comuns no futebol

Joelhos e tornozelos são as articulações que sofrem os maiores impactos das faltas

O assunto vem a campo sempre que algum atleta vai parar na capa dos jornais, machucado. Mas se engana quem pensar que só jogadores profissionais estão sujeitos a sofrer por causa do futebol. O esporte favorito dos homens é uma usina de lesões. O contato físico e as quedas exigem muito dos músculos, por isso a necessidade de fortalecê-los. Os músculos e os ligamentos são as principaisestruturas de sustentação das articulações que, por serem móveis, são as mais susceptíveis a problemas , afirma o médico Fernando Torres, do Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício da Universidade Federal de São Paulo.

Os joelhos e os tornozelos são mesmo as áreas mais sensíveis. Eles amortecem a maioria dos choques durante a movimentação , diz o ortopedista Lafayette Lage, especialista em medicina esportiva e cirurgia do quadril e diretor da Clínica Lage Ortopedia de Ponta, em São Paulo.
A pedido do Minha Vida, os dois especialistas responderam uma sabatina sobre as principais dúvidas de quem gosta de encarar uma pelada no final de semana e morre de medo de ter de encarar a segunda-feira com a perna enfaixada.

1. As lesões acontecem mais por falta de preparo físico adequado ou por azar do atleta?
As lesões mais comuns surgem das faltas praticadas pelos adversários. A gravidade desses esbarrões é relativamente pequena, entretanto: as estatísticas mostram que de 10% a 23%, no máximo, resultam em afastamentos de treinos ou jogos. Mas o preparo fisco também interfere. O atleta que treina em excesso, dorme pouco, tem sono não repousante, não se alimenta bem ou mesmo que faz ou fez uso de anabolizantes são os mais propensos a terem problemas. O aquecimento e alongamento, antes do exercício, são vitais para evitar lesões.

2. Qual a área do corpo mais vulnerável entre os jogadores de futebol?
As entorses do tornozelo são as lesões mais comuns do futebol, representando 17% a 20% do total. As lesões de joelho constituem em torno de 16% de todas as lesões em homens. O problema destas últimas é que, quando ocorrem, exigem maiores períodos de ausência do que as demais e até cirurgias de reparação. O cenário só muda com os goleiros, que penam mais com problemas nas mãos, normalmente fraturas nas falanges dos dedos.

3. Por que os joelhos são tão sensíveis?
Ao contrário do quadril, que é uma articulação profunda e muito estável por ser muito bem encaixada, o joelho é uma articulação plana e mais instável, além de superficial. Ele também fica bem no meio entre a cintura e o solo sofrendo na maioria das vezes o trauma direto do chute ou de uma dividida. Ele ainda está sujeito a grandes forças de rotação, principal mecanismo para a lesão dos meniscos e ligamentos cruzados. Sem que esquecer que os joelhos, como os tornozelos, não têm um envoltório muscular para protegê-los.

4. Qual a melhor maneira de proteger cada uma dessas áreas?
Fortalecer a musculatura, alongar, aquecer e, principalmente, nunca jogar quando estiver cansado. E, durante os jogos, nunca dispensar equipamentos como uma tornozeleira e uma caneleira.

5. Qual o papel dos equipamentos de proteção?
Existem joelheiras e tornozeleiras muitos eficazes na prevenção de lesão minimizando um pouco as chances deacidente. Os equipamentos também ajudam quem já sofreu algum acidente e, mesmo assim, insiste em jogar.

6. Exercícios de fortalecimento muscular servem para proteger contra que tipo de lesão?
Fraturas causadas por estresse da musculatura, lesões dos ligamentos e dos meniscos.

7. Que lesões ocorrem com freqüência? Como prevenir cada uma delas?
A mais freqüente é a lesão do menisco do joelho e entorse do tornozelo. Em segundo lugar, vêm as lesões do ligamento cruzado anterior. Existe uma lesão ainda pouco diagnosticada porém muito freqüente: a do labrum acetabular (menisco do quadril) e que causa dor na virilha. O tratamento desta última geralmente requer uma artroscopia do quadril, tema de minha dissertação de mestrado no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

8. O aumento de peso pode levar a que tipo de problemas?
O aumento de peso favorece os riscos de lesão, porque sobrecarrega as articulações, além de aumentar as chances de um problema cardiovascular.

9. Que exames um jogador deve fazer (e com que intervalo) para garantir que não sofrerá com surpresas desagradáveis?
Um bom exame clínico com um médico especialista em esportes. Os exames incluem uma análise das articulações pela palpação, no mínimo. Felizmente, nenhuma máquina será capaz de substituir esta nossa sensibilidade.

10. Na fase de recuperação, que exercícios são permitidos? O que pode ser feito para acelerar o tratamento?
A recuperação é específica para cada tipo de lesão. Felizmente hoje em dia temos uma tecnologia para acelerar a regeneração esportiva muito utilizada na Europa e já presente em nosso meio, chamada de PST (terapia por sinais pulsáteis ou Pulsed Signal Therapy). Estes sinais eletromagnéticos determinam o estímulo para as reações de regeneração e estimulação, ou seja, da manutenção e reparo dos tecidos danificados. É uma forma não invasiva para tratar disfunções músculo esqueléticas, tais como lesões ligamentares e musculares, assim como lesões degenerativas como osteoartrose, hérnias de disco, fraturas de stress e tudo que envolva problemas nos músculos e articulações. O PST é uma terapia que veio para ficar e cada vez mais será utilizada nos esportes. Isso já acontece em países como a Alemanha, onde a maioria dos grandes clubes de futebol já dispõe do aparelho em suas instalações de reabilitação. Esta tecnologia já existe há mais de 20 anos e, felizmente, já existe no Brasil.
Fonte: Minha Vida

Bela coleção de Arte pintada com lápis (ou usando PS plug-in)


Propagandas Legais

Imagens engraçadas/curiosas - 05/06/2008


Via Knuttz / Ueba

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta, 05 de junho de 2008



Easy-Share
Via DownloadsCopyleft

Chocolate

Gazeta Mercantil em PDF, Quinta, 05 de Junho de 2008



Easy-Share
Via DownloadsCopyleft

Men's Health - Edição Brasileira - Maio de 2008 - n. 25



quarta-feira, 4 de junho de 2008

O Palhaço

Diz uma história que numa cidade apareceu um circo, e que entre seus artistas havia um palhaço com o poder de divertir, sem medida, todas as pessoas da platéia e o riso era tão bom, tão profundo e natural que se tornou terapêutico.
Todos os que padeciam de tristezas agudas ou crônicas eram indicados pelo médico do lugar para que assistissem ao tal artista que possuía o dom de eliminar angústias.
Um dia, porém, um morador desconhecido, tomado de profunda depressão, procurou o doutor.
O médico então, sem relutar, indicou o circo como o lugar de cura de todos os males daquela natureza, de abrandamento de todas as dores da alma, de iluminação de todos os cantos escuros do nosso jeito perdido de ser.
O homem nada disse, levantou-se, caminhou em direção à porta, e quando já estava saindo, virou-se, olhou o médico nos olhos, e sentenciou:
"não posso procurar o circo... aí está o meu problema : eu sou o palhaço".
Como professor, vejo que, às vezes, sou esse palhaço, alguém que trabalha para construir os outros e não vê resultado muito claro daquilo que faz.
Tenho a impressão de que ensino no vazio (e sei que não estou só nesse sentimento) porque, depois de formados, meus ex-alunos parecem que se acostumam rapidamente com aquele mundo de iniqüidades que combatíamos juntos.
De professores, espera-se mais que discurso de bons modos, espera-se que mereçam o salário que ganham (pouco ou muito) ministrando a honestidade.
A honestidade não precisa de propaganda, nem de homenagens, precisa de exemplos.
Parece que quando meus meninos(as) caem no mercado de trabalho, a única coisa que importa é quanto cada um vai lucrar, não importando quem vai pagar essa conta e nem se alguém vai ser lesado nesse processo.
Aprenderam rindo mas não querem passar o riso à frente e nem se comovem com o choro alheio.
Digo isso, até em tom de desabafo, porque vejo que cada dia mais meus alunos se gabam de desonestidades.
Os que passam os outros para trás são heróis e os que protestam são otários, idiotas ou excluídos, é uma total inversão dos valores.
Vejo que alguns professores partilham das mesmas idéias, e as defendem em sala de aula e na sala de professores e se vangloriam disso.
Essa idéia vem me assustando cada vez mais, desde que repreendi, numa conversa com alunos, o comportamento do cantor Zeca Pagodinho, no episódio da guerra das cervejas e quase todos disseram que o cantor estava certo, tontos foram os que confiaram nele.
"O importante professor é que o cara embolsou milhões", disse-me um; outro: "daqui a pouco ninguém lembra mais, no Brasil é assim, e ele vai continuar sendo o Zeca, só que um pouco mais rico", todos se entreolharam e riram, só eu, bobo que sou, fiquei sem graça.
O pior é quando a gente se dá conta de que no Brasil é assim mesmo, o que vale é a lei de Gérson: "o importante é levar vantagem em tudo".
(Lei de Gérson...dá para rir...)
A pergunta é : Sem trabalho produtivo é possível, usando a lógica, que todo mundo ganhe ? Sem o trabalho honesto, para alguém ganhar é óbvio que alguém deverá perder.
A lógica é guardar o troco a mais recebido no caixa do supermercado;
é enrolar a aula fingindo que a matéria está sendo dada;
é fingir que a apostila está aberta na matéria dada, mas usá-la como apoio enquanto se joga forca, batalha naval ou jogo da velha;
é cortar a fila do cinema ou da entrada do show;
é dizer que leu o livro, quando ficou só no resumo ou na conversa com quem leu;
é marcar só o gabarito na prova em branco, copiado do vizinho, alegando que fez as contas de cabeça;
é comprar na feira uma dúzia de quinze laranjas;
é bater num carro parado e sair rápido antes que alguém perceba;
é brigar para baixar o preço mínimo das refeições nos restaurantes universitários, para sobrar mais dinheiro para a cerveja da tarde;
é arrancar as páginas ou escrever nos livros das bibliotecas públicas;
é arrancar placas de trânsito e colocá-las de enfeite no quarto;
é trocar o voto por empregos, pares de sapato ou cestas básicas;
é fraudar propaganda política mostrando realizações que nunca foram feitas.
Essa é a lógica da perpetuação da burrice.
Quando um país perde, todo mundo perde.
E não adianta pensar que logo bateremos no fundo do poço, porque o poço não tem fundo.
Parafraseando Schopenhauer: "Não há nada tão desgraçado na vida da gente que ainda não possa ficar pior".
Se os desonestos brasileiros voassem, nós nunca veríamos o sol.
Felizmente há os descontentes, os lutadores, os sonhadores, os que querem manter o sol aceso, brilhando e no alto.
A luz é, e sempre foi, a metáfora da inteligência.
No entanto, de nada adianta o conhecimento sem o caráter.
Que nas escolas seja tão importante ensinar Literatura, Matemática ou História quanto decência, senso de coletividade, coleguismo e respeito por si e pelos outros.
Acho que o mundo (e, sobretudo, o Brasil) precisa mais de gente honesta do que dos pseudo literatos, historiadores ou matemáticos.
Ou o Brasil encontra e defende esses valores e abomina Zecas, Gérsons, e todos os marketeiros que chamam desonestidades flagrantes de espertezas técnicas, ou o Brasil passa de país do futuro para país do só furo.
De um Presidente da República espera-se mais do que choro e condecoração a garis honestos, espera-se honestidade em forma de trabalho e transparência.
De professores, espera-se mais que discurso de bons modos, espera-se que mereçam o salário que ganham (pouco ou muito) ministrando a honestidade.
A honestidade não precisa de propaganda, nem de homenagens, precisa de exemplos.
Quem plantar joio, jamais colherá trigo.
Quando reflexões assim são feitas, cada um de nós se sente o palhaço perdido no palco das ilusões.
A gente se sente vendendo o que não pode viver, não porque não mereça, mas porque não há ambiente para isso.
Quando seria de se esperar uma vaia coletiva pelo tombo, pelo golpe dado na decência, na coerência, na credibilidade, no senso de respeito, vemos a população em coro delirante gritando "bis" e, como todos sabemos, um bis não se despreza.
Então, uma pirueta, duas piruetas, bravo ! bravo ! E vamos todos rindo e afinando o coro do "se eu livrar a minha cara o resto que se dane".
Enquanto isso, o Brasil de irmã Dulce, de Manuel Bandeira, do Betinho, de Clarice Lispector, de Chiquinha Gonzaga e de muitos outros heróis anônimos que diminuíram a dor desse país com a sua obra, levanta-se, caminha em silêncio até a porta, vira-se e diz:
"Esse é o problema... eu sou o palhaço".

Recebi por e-mail e desconheço o Autor.

Radio Camanducaia

Esperem carregar o arquivo de cada loja e ouçam.
Rádio Camanducaia - O MÁXIMO!
Façam uma visita a cidade (prestem atenção aos detalhes, as pessoas passeiam, o carro circula, etc.), e escutem a "rádio" clicando nos pontos comerciais mostrados no mapa central da cidade. Muito engraçado, o locutor de voz empostada típica de rádio do interior.
Vejam que show de bola é este link:
http://www.radiocamanducaia.com.br/br/home/home.html
Dêem um zoom pelas "lojas" e cliquem nelas para ouvir os "reclame".

Carrinho Porreta

Este carrinho metálico da Schuco foi um dos brinquedos de maior sucesso da marca enquanto foi fabricado, entre 1938 e 1952. Esta edição de colecionador, com apenas 1.000 unidades, tem direito a uma espetacular garagem e toda a nostalgia que o modelo carrega. Custa cerca de 170 dólares e é um verdadeiro show para os amantes, tanto de brinquedos antigos, quanto de miniaturas de carros.

Veja Mais

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta, 04 de junho de 2008

Via DownloadsCopyleft

Gazeta Mercantil em PDF, Quarta, 04 de Junho de 2008

Via DownloadsCopyleft

Pela Paz no Mundo - Magnífica mensagem!

Clique aqui ou na imagem acima e veja esta apresentação feita com o Microsoft Power Point. Aguarde alguns instantes enquanto as imagens são carregadas, ou, se preferir, salve-a em seu computador.

Para ver essa apresentação é necessário ter instalado o programa Microsoft PowerPoint, que está no pacote Microsoft Office, ou o programa Visualizador do PowerPoint (para download gratuito clique aqui).
Gostou??? Comente!!! Não gostou??? Comente também...

Isto É Gente - Edição 457 (09/06/2008)




AUDI - Papéis de parede


O efeito do bumerangue


Todos sabemos que fazer o que é "certo" é melhor do que fazer o que é"errado".

A parte mais difícil é realmente fazê-lo! Nossos genes têm apenas um objetivo, que é o de se reproduzirem, para continuar a existir.
Freqüentemente, nosso desejo de nos colocar à frente dos outros é necessário à sobrevivência.

Se um leão na selva deixar os outros leões comerem primeiro, ele não sobreviverá por muito tempo, e logo seus genes serão história. Em todo caso, nós não somos leões, e a maioria de nós não vive na selva! Como seres humanos, temos uma mente maravilhosa que nos permite analizar e procurar novas alternativas.

A pessoa que pensa apenas em si mesma pode realizar muito às custas de outras. Mesmo assim, é provável que ela venha a ter uma vida vazia, onde faltam as coisas mais maravilhosas que a vida tem a oferecer. Por sorte, há uma outra maneira de conseguirmos o que desejamos, incluindo fama, fortuna, relacionamentos e todo o resto, seja material ou emocional. A chave é sermos úteis aos outros. Essa é uma lei que nunca falha, e mais cedo ou mais tarde, o que nós dermos, também receberemos.

É bom a analogia do bumerangue. Quando nós o lançamos, ele volta para nós. Enquanto em teoria isso funciona, para aqueles que nunca atiraram um bumerangue, nem sempre isso funciona na prática! Se não soubermos como usar o bumerangue, os resultados podem ser inesperados. Se o lançarmos mal, podemos quebrar uma janela, ou acertar a cabeça de alguém. Quando aprendemos como trabalhar o bumerangue, podemos melhorar nossos resultados. Em muitos casos nós damos o bem ou o mal sem perceber o que estamos fazendo. É simplesmente parte de nossa vidas diárias e não temos a intenção de sermos bons ou maus. Nesse caso, o bumerangue que lançamos certamente chegará a um lugar desconhecido, porque não estamos conscientes do que estamos fazendo.

Pelo contrário, à medida em que o tempo passa e nós ganhamos experiência, é comum darmos tanto o bem como o mal com perfeita cosnciência de nosso atos. Sabemos que, por exemplo, se recolhermos nosso próprio lixo após nosso passeio no parque, os outros que virão depois de nós o encontrarão limpo e agradável. Da mesma maneira, sabemos que se não recolhermos nosso lixo, aqueles que virão mais tarde encontrarão o local sujo e desagradável. Enquanto esse não é sempre o caso e algumas pessoas não pensam duas vezes antes de deixar o lixo em algum lugar, elas não estão necessariamente fazendo isso para serem más, mas simplesmente não estão conscientes do que estão fazendo.

Somos todos humanos, e todos cometemos erros. Se apenas pudessemos evitar toda a confusão que criamos! Não são os erros que cometemos sem saber que causam o maior dano, mas sim aqueles que cometemos sabendo conscientemente que alguém será afetado negativamente pelo que fizemos. Quando sabemos que estamos fazendo algo errado, a pancada devastadora do bumerangue voltará mais cedo ou mais tarde para nos assombrar. Similarmente, é possível fazer coisas certas sem saber que elas estão certas. Nesse caso, lançamos o bumerangue e o efeito positivo cairá sobre alguém sem que nossa intenção seja essa. A melhor coisa que podemos fazer é fazer o que é certo intencionalmente, sabendo que o bumerangue afetará positivamente aqueles que estão em seu caminho, antes de retornar a nós com resultados sensacionais.

Fazer o que é certo geralmente não custa muito dinheiro ou recursos, se é que custa algo. O efeito em nossas vidas, e nas dos outros, se multiplica exponencialmente. Fazer a coisa certa, não importa a quem isso vai afetar, éo melhor caminho para conseguirmos tudo o que desejamos.
Rob McBride
Via Amigos do Freud

SuperBikeMagazine - Julho 2008

Clique na capa para baixar

Computer Shopper (07/2008)