sábado, 23 de agosto de 2008

Imagens engraçadas/curiosas - 23/08/2008

SET - Ed. 253 - Julho 2008

Fernando de Noronha -Pernambuco - Brasil

Clique aqui e veja esta apresentação feita com o Microsoft Power Point. Aguarde alguns instantes enquanto as imagens são carregadas, ou, se preferir, salve-a em seu computador.

Para ver essa apresentação é necessário ter instalado o programa Microsoft PowerPoint, que está no pacote Microsoft Office, ou o programa Visualizador do PowerPoint (para download gratuito clique aqui).

SCI-FI - Julho 2008

Ondas e marés altas na costa de Sergipe

Publicada: 23/08/2008

Texto: Andréa Moura/Fotos: Jorge Henrique


A força das águas do Rio Sergipe, influenciada pela alta das marés, chega rapidamente à costa aracajuana, podendo ser visto o “estouro” das águas ao longo da mureta de proteção da Avenida Beira Mar.

Até amanhã as ondas e a maré na costa sergipana vão estar altas, de acordo com as previsões feitas pelo Centro de Meteorologia do Estado, órgão ligado à Superintendência de Recursos Hídricos da Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Segundo Overland Amaral, coordenador do centro, as ondas vão atingir a altura de três metros na praia e de até quatro em mar aberto. A prova de que o mar está com um volume muito grande, pelo menos maior que o observado normalmente pelos sergipanos, é a influência exercida sobre o rio Sergipe, cujas águas estão “arrebentando” na mureta de proteção da Praia 13 de Julho, fato que foi visto esta semana, nas primeiras horas da noite.

“As ondas vão estar realmente altas até o dia 24, quando começa a ser percebida uma redução na altura, que vai cair de três para, no máximo, dois metros. Esse comportamento mais normal permanece até o dia 26, quando novas altas serão registradas. É importante lembrar que os ventos, por serem de sul e sudeste, também vão estar mais velozes, com rajadas que chegam aos 30 quilômetros por hora, quando o habitual é uma velocidade de 20 km/h”, explicou Overland Amaral, frisando que essa tranqüilidade no mar volta a ser quebrada no dia 27 de agosto.

Já o volume de água (maré) também vai continuar elevado até o dia 23, atingindo marcas que oscilam entre os dois metros e dez centímetros de altura, e os dois metros e trinta centímetros de altura. Para Overland, esses números representam motivo de alerta, principalmente para os marinheiros de embarcações pequenas. Tábuas de marés com alturas entre um metro e oitenta, e um metro e noventa centímetros só serão percebidas até, no máximo, o dia 28, já que a partir desse momento voltam a subir e, de acordo com Overland Amaral, com muito mais intensidade, chegando à marca dos dois metros e quarenta centímetros.

De 6 a 7 de setembro haverá novo declínio desses valores. “Essas marcas fora do normal vêm sendo percebidas ao longo dos últimos quatro anos, oscilações fruto de alterações climáticas, que acabam interferindo no modo de vida das pessoas, pois causam grandes impactos à beira mar, e junto com as ações nocivas do homem, degradam a costa”, pontuou o meteorologista.
Apesar dos registros feitos pelo Centro de Meteorologia do Estado de Sergipe, a Marinha do Brasil no Estado não divulgou nenhum alerta para as embarcações durante os meses de julho e agosto por conta de mar agitado, maré cheia e ondas altas, como informou o comandante da Capitania dos Portos, o capitão-de-fragata Vanley Monteiro Soares.

“Sempre que há suspeita de perigo no mar recebemos boletins do Centro de Hidrografia da Marinha, localizado no Estado do Rio de Janeiro. Os dois últimos meses foram tranqüilos, diferente de maio e junho”, disse o comandante. Segundo ele, os boletins de alerta só são emitidos pelo centro de hidrografia quando há previsão de ventos com velocidade superior a 29 km/h, ondas de 2,5 metros em mar aberto e maior que dois metros na praia.
Fonte: Jornal da Cidade

Revista Exame - 925 - 27/08/2008

By Guardian

O que é pensar?

Tenho ouvido muitas vezes: “aqui ninguém pensa”, porque não somos do “tipo pensamento”; frase esta que tem estado continuamente presente, principalmente quando se trata de apresentações de seminários de psicologia.

Será que pensar é algo tão difícil? Como agimos quando não pensamos?

Embasei este pequeno artigo no texto de Heidegger: Che cosa significa pensare?

Podemos começar a compreender o que significa pensar quando nós mesmos pensamos. Todavia, pode acontecer que alguém queira ou não pensar. Ser capaz (de pensar) significa deixar que algo chegue a nós no seu ser, e permitir constantemente este acesso.

Ocorre que deixamos vir a nós, de modo geral, apenas o que nos apraz, aquilo a que somos apegados. O que amamos, que nos apraz verdadeiramente, é apenas aquilo de já nos amou primeiro, na nossa essência, o que significa que temos uma inclinação para tal.

Dizer inclinação significa “voltar-se para a palavra” o que quer dizer literalmente, conforto, encorajamento. Quando esta palavra se encontra em nós, em relação à nossa essência, nos atrai para a essência e nos mantém nela. “Ter” significa aqui, propriamente “conservar”.

O que se tem em essência, tem-se apenas a fim de que nós possamos pensar, isto que temos. Conseguimos pensar se conseguimos reter na memória. Diz-se que a memória é o re-colher-se do pensamento. Recolher-se em que? Recolher-se no que temos essencialmente, isto é, na medida em que tomamos algo em consideração.

Apenas quando amamos aquilo que está sendo considerado, só então somos capazes de pensar. Ou seja, na medida em que damos atenção ao que está sendo considerado. Considerar quer dizer, ter interesse.

Inter-essere significa: estar entre e por entre as coisas, estar em meio a algo e perseverar. O que ocorre é que para o tempo moderno, o que interessa é apenas o interessante. Interessante é aquilo que, passados alguns instantes, torna-se indiferente, sendo que o “interessado” passa para uma outra coisa, que importa tanto quanto a primeira, não há perseverança, na coisa que parece interessar.

Acredita-se que, para que algo seja interessante, seja preciso conferir-lhe um campo particular. Na realidade, com um tal juízo o que se faz é rebaixar o interessante ao nível do indiferente, para repeli-lo até o nojo. Tudo é interessante, mas nada interessa!

O campo onde o pensamento se desenvolve é a filosofia, o que não significa, que qualquer interesse pela filosofia, seja já uma ativa disposição ao pensar. Quer dizer que, por mais que, durante anos nos dediquemos a entender determinados escritos ou tratados de grandes pensadores, estejamos preparados para compreender o pensar.

O que pode ser considerado, é o que “dá o que pensar”. O fato de que nós ainda não pensamos, deriva pois de que, aquilo que dá o que pensar, se desvia, ele mesmo, do homem. Então nos perguntamos: como e quando tal desvio acontece. Parece que, o que dá a pensar, permanece sempre como que distraído. Tal distração ocorre apenas quando algo esteve antes, próximo, num voltar-se para... Uma coisa é fato: isto que estamos falando, não tem nada a ver com a ciência, pois a ciência não pensa, o que não significa um defeito da ciência mas sim, uma vantagem.

Esta afirmação, para a mentalidade comum, é um escândalo! De que se trata? Não há uma ponte que conduza da ciência ao pensamento, a única passagem possível é o salto! O lugar para onde esse salto conduz não é apenas o outro lado do abismo mas, a uma região totalmente diversa. O que nesta, se torna visível não é qualquer coisa que se possa de alguma forma demonstrar, se por demonstração se entende o fato de derivar enunciados concernentes a um certo estado de coisas de premissas apropriadas, através de uma concatenação de raciocínios. Quem pretende demonstrar, não julga segundo um rigoroso e superior critério do saber. Ele simplesmente calcula com base em uma certa medida, e a uma medida inadequada.

Em nossa época, não pensamos. Não pensamos porque aquilo que dá o que pensar, se desvia do homem e não tanto porque o homem não se volta o bastante, ou seja, não dá atenção o bastante ao que pensa. Deste modo, aquilo que se desvia, que se subtrai, se distancia de nós. Mas, justamente por isso, leva-nos consigo, para o seu mundo, em sua direção.

Então, isto que se retrai, que se desvia, aparentemente, parece ausente. Esta aparência engana. Nós já estamos indo em direção àquilo que, nos atrai enquanto se subtrai. Então, enquanto estamos indo, atraídos em direção àquilo que se subtrai, somos nós mesmos quem apontamos aquilo que subtrai, e, apontando, nós somos, nossa própria essência.

Assim, por exemplo em sua poesia Hölderlin escreve:
“Um sinal, nós somos, que nada indica”. Como pensar, este poema? Como poeta ou como pensador? E este outro?
“Wer das Tiefste gedacht, liebt das Lebendigste...” [ quem pensou o pensamento mais profundo, ama o mais vivo...] em outras palavras, quer nos levar a ver que: o amor fundamenta-se sobre o fato de que tenhamos pensado o pensamento mais profundo.

Este “ter pensado” nasce provavelmente daquela memória em cujo pensar se funda também a poesia e com ela todas as artes. Repensemos: o que significa pensar? Por exemplo: o que significa nadar, não podemos aprender em um tratado, mas apenas nadando. É apenas na água que podemos conhecer o elemento no qual o nadador deve mover-se. Mas qual é o elemento no qual se move o pensamento?

Admitindo-se que a afirmação de que nós ainda não pensamos seja verdadeira, isto significa que o nosso pensamento ainda não se move no seu elemento próprio, e isto porque, o que dá a pensar, se subtrai. O que de tal modo, se nega e se retrai, permanece portanto, não pensado ainda que se admita a feliz hipótese de que se possa ter um pressentimento claro do que se trata.
Assim, resta-nos apenas uma coisa: esperar que o que dá a pensar, volte-se para nós.

Mas esperar significa aqui, esperar de olhos bem abertos, procurando, naquilo que já foi pensado, o caminho até o não pensado, que se esconde no já pensado. A questão é: onde e como devemos distinguir, em geral, aquilo que antes de mais nada, e sempre, se dá a pensar ao homem? Como pode isto que é o mais considerado, mostrar-se a nós? Já sabemos em qual elemento o pensar se move? O traço fundamental do pensamento tem sido até hoje o perceber. A faculdade relativa se chama razão.

O que a razão percebe? Em que elemento se mantém a percepção de modo que, mediante o perceber, ocorra um pensamento? Perceber significa: notar alguma coisa presente, e notando pró-pô-la e assumi-la como presente. Este perceber pro-ponente é um re-presentar, no sentido simples, amplo e ao mesmo tempo essencial, onde nós deixamos pousar e erguer-se a coisa presente diante de nós, na sua posição própria. Daí o grande salto no escuro. O que o pensamento enquanto percepção percebe é o presente na sua presença! Daí é que o pensamento toma a medida que constitui a sua essência como percepção.

O pensamento é assim, a apresentação do presente, que nos confia o presente na sua presença e deste modo, coloca-o diante de nós. O pensamento enquanto apresentação, conduz a coisa presente à sua relação conosco, estabelece-a em referência a nós. A apresentação é assim re-presentação. A palavra representação é o termo que veio mais tarde de modo corrente, para indicar aquilo que foi, o re – presentar.

O caráter fundamental do pensar é o representar. No representar se desenvolve o perceber. O representar mesmo é re-apresentação. Mas porque o pensar reside no perceber? Porque o perceber se desenvolve no representar? E porque o representar é re-apresentação? Parece simples. O representar oculta-se em um fenômeno pouco aparente, o ser, que então aparece como presença. Ser significa presença. Presente é isto que dura, que se desenvolve chegando ao desvelamento e permanece. Em termo modernos, quando nós representamos os objetos na sua objetividade, nós já pensamos. Mas nós todavia, ainda não pensamos verdadeiramente. Aquilo que dá a pensar, permanece, retirado, oculto. Por isso o nosso pensamento não está ainda no seu próprio elemento. Nós ainda não pensamos autenticamente.
Sonia R. Lyra
Via Amigos do Freud

Repórter atropelada por bola gigante na Nova Zelândia

Fui neste local, junto com minha mulher e filhos, mas não fizemos a aventura de andar nessas bolas gigantes por causa do frio que estava fazendo no dia que visitamos. Fiquei na maior vontade.
Quanto a repórter...só rindo...

Porsche 911 GT2

Jornal O Estado de SP em PDF, Sábado, 23 de Agosto de 2008

Via Downloadscopyleft

Gazeta Mercantil em PDF, Sexta e Fim de Semana, 22, 23 e 24 de Agosto de 2008

Via Downloadscopyleft

Lançamento!!!! - O Rappa - 7 Vezes 2008

Os cariocas do Rappa estão de volta com 7 Vezes, seu sétimo álbum de carreira, o primeiro de inéditas desde O Silêncio Q Precede o Esporro, lançado há cinco anos, em 2003. Produzido por Ricardo Vidal, Tom Sabóia e pela própria banda, o repertório traz 14 faixas que fazem crônicas da vida cotidiana em forma de música, incluindo a destacada "Monstro Invisível", o primeiro single do CD, que trata da ausência de rostos e responsabilidades no mundo corporativista. Não deixe de conferir!

7 vezes
1. Meu Santo Tá Cansado
2. Verdade de Feirante
3. Hóstia
4. Meu Mundo é o Barro
5. Farpa Cortante
6. Em Busca do Porrão
7. 7 Vezes
8. Monstro Invísivel
9. Maria
10. Súplica Cearense
11. Fininho da Vida
12. Documento
13. Respeito Pela Mais Bela
14. Vários Holofotes

Removendo barco encalhado na praia ao modo das Bahamas

Super Interessante - Especial: Os Maiores Mistérios dos Livros Sagrados - Julho/2008

By Guardian

Na Balada 14 - Jovem Pan 2008


Faixas:
01 - KEEP ON RISING - IAN CAREY FEAT MICHELLE SHELLERS
02 - WATCH OUT - ALEX GAUDINO FEAT SHENA
03 - ALL I NEED - FET FAR FEAT SAGI REI
04 - BE LOVED - CJ STONE
05 - BY YOUR SIDE - YVES LAROCK FEAT JABA
06 - TOCA S MIRACLE - FRAGMA
07 - GIVE LOVE - TRISTAN GARNER
08 - WAKE UP - DJ JOE K
09 - LET IT GO - DIRTH SOUTH FEAT RUDY
10 - SOME KINDA RUSH - BOOTY LUV
11 - RIDE ON TIME - CANDY
12 - BEHIND - FLANDERS
13 - WALKING DOWN THE STREET - RON CARROLL
14 - YOU DON T OWN ME - CITY SNEAKERZ
15 - BEUTIFULL - CICADA
16 - DE JANEIRO - R I O
17 - BUCOVINA - IAN OLIVER FEAT SHANTEL
18 - NOT EXACTLY - DEADMAUS 5
19 - QUE PASA CONTIGO - ALEX GAUDINO FEAT SAM OBERNIK
20 - IT S A FINE DAY - AERONAUTICS

Catálogo Ikea 2009

Castanha-do- Pará

Castanha-do- Brasil (Castanha-do- Pará)(Bertholletia excelsa)

só uma castanha por dia
.....não mais do que isso, garante as doses de selênio de que seu corpo precisa para preservar cada célula, por para fora possíveis substâncias tóxicas e viver mais.

DIOGO SPONCHIATO

Cabe na palma da sua mão, e ainda sobra um espaço e tanto, a arma que vai superproteger as unidades microscópicas do seu organismo. Em segundos, ao mastigar uma única castanha-do- pará, você recarregará os níveis de um mineral extremamente importante para uma vida longa e saudável: o selênio. A pequena oleaginosa repõe a quantidade do nutriente necessária para dar combate ao envelhecimento celular, causado pela formação natural daquelas incansáveis moléculas que danificam as células, os radicais livres.

Um estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, atesta que a ingestão diária de duas castanhas-do- pará recentemente rebatizadas castanhas do brasil, eleva em 65% o teor de selênio no sangue. Mas provavelmente os neozelandeses não usaram o legítimo produto brasileiro. Ora, nós somos sortudos. É que as castanhas produzidas no Norte e no Nordeste do país são tão ricas em selênio que bastaria uma unidade para tirar o mesmo proveito. A recomendação é de que um adulto consuma, no mínimo, 55 microgramas por dia, diz a nutricionista Bárbara Rita Cardoso, pesquisadora do Laboratório de Minerais da Universidade de São Paulo. E com uma unidade da nossa castanha já é possível encontrar bem mais do que isso de 200 a 400 microgramas do bendito selênio. Aliás, o limite de consumo diário do mineral é de 400 microgramas, portanto, não vá com muita fome ao pote. No caso de uma criança, meia castanha seria suficiente, afirma Silvia Cozzolino, presidenta da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição.

E por que toda essa fama do selênio? Ele é essencial para acionar enzimas que combatem os radicais livres, responde Christine Thomson, a pesquisadora neozelandesa que investigou as propriedades da castanha. O selênio se liga a algumas proteínas já existentes em nosso corpo para formar essas enzimas antioxidantes, descreve, completando, Bárbara Cardoso. Na ausência dele, as tais enzimas ficam sem atividade e, então, deixam de combater os radicais e ainda desguarnecem as defesas do organismo.

O mineral da castanha também teria um papel especial na proteção do cérebro. É que, com essa capacidade de acabar com a farra dos radicais livres, as células nervosas seriam preservadas, evitando o surgimento de doenças neurodegenerativas com a idade. Justamente por isso, a pesquisadora Bárbara Rita Cardoso começa a estudar os possíveis benefícios do selênio em portadores do mal de Alzheimer. A gente desconfia que nesses pacientes os radicais façam maiores estragos, diz ela.

A tireóide também funciona melhor na presença do selênio, acrescenta Christine Thomson. Isso porque, se não houver esse elemento, ela não consegue produzir direito seus célebres hormônios. O mineral também está intimamente associado à capacidade de o organismo se livrar de substâncias tóxicas, ajudando-o inclusive a expulsar possíveis metais pesados que se alojam nas células.

Apesar de tudo isso, o badalado selênio deve ser apreciado com moderação. Quando os especialistas recomendam uma castanha diária, é para segui-lo à risca. Acredite: o conselho não é nem um pouco mesquinho. Esse consumo ideal e comedido é que faz todas essas enzimas que dependem do
nutriente trabalharem de forma adequada, diz Bárbara. Em excesso, o selênio não vai potencializar sua ação. E o pior: mais cedo ou mais tarde, o exagero rotineiro vai revelar o lado negro da substância. Sim, ele existe: a toxicidade. Ela acontece se a pessoa ingerir mais de 800 microgramas por dia, adverte Silvia Cozzolino. É que o selênio tem efeito cumulativo, emenda Christine Thomson.

Isso não significa que abusar das deliciosas castanhas em uma happy hour com amigos traga grandes ameaças. De vez em quando, dá até para superar a quantidade recomendada. O perigo é comer essas oleaginosas além da conta todo santo dia. Quem experimentar ataques sucessivos de gula poderá sentir dor de cabeça, ficar com as unhas fracas e ver seus cabelos caírem. Mas, quem come dez castanhas hoje não vai se empanturrar delas amanhã, usa a lógica a expert em nutrição Silvia Cozzolino. No máximo, o preço desse pecado será um mau hálito parecido com o bafo de alho acredite!

Não corre o mesmo risco quem comer, vez ou outra, algum prato que leve a castanha na receita até porque, seja doce ou salgado, dificilmente uma porção reunirá tantas unidades. E saiba: nem o fogão nem a geladeira conseguem detonar as reservas de selênio. No dia-a-dia, nada melhor do que a praticidade de botar na mochila, no bolso ou na bolsa a sua estrela solitária. É saúde na medida certa!

Para chegar à quantidade de selênio de uma castanha-do- pará (de 5 gramas ), você teria que consumir, em média, o equivalente a...
3 filés de frango ( 100 gramas cada um)
16 pães franceses ( 50 gramas cada um)
100 copos de leite (200 mililitros por copo)
10 ostras ( 33 gramas cada uma)
3 latas de sardinha em conserva ( 130 gramas cada uma)

COMIDA ANTITÓXICA

Uma das principais benesses do selênio é a sua capacidade de desintoxicar o organismo. O mineral atua em mecanismos que favorecem a eliminação de metais pesados pelas fezes e pela urina, explica a nutricionista Bárbara Rita Cardoso. Esses metais nocivos, como o mercúrio e o arsênico, ficam impregnados no organismo quando, por exemplo, consumimos peixes de má procedência, que vieram de águas poluídas. E, daí, disparam inúmeros problemas em nossos tecidos, do envelhecimento ao câncer algo que é freado com o sistema de limpeza acionado pelo consumo da castanha.

SUPLEMENTAÇÃO, A POLÊMICA

A natureza oferece fontes de selênio, mas há quem prefira recorrer às cápsulas. Estudos recentes revelam que isso pode ser bobagem: o melhor seria buscar o mineral na comida mesmo. O selênio dos alimentos é mais bem absorvido pelo organismo, justifica o pesquisador Alexei Lobanov, do Departamento de Bioquímica da Universidade Nebraska-Lincoln, nos Estados Unidos. E, já que a
quantidade de que precisamos nem é lá tão alta, a suplementação deveria ficar restrita a casos especiais.

TERRA BOA, FRUTO RICO

A concentração de selênio em um alimento depende do solo em que é cultivado. De acordo com o engenheiro agrônomo José Urano de Carvalho, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a castanheira, nativa da floresta Amazônica brasileira, além de ter uma incrível habilidade para extrair o mineral, comparada a outras espécies, encontra na terra de lá uma enorme quantidade de selênio. Por isso seus frutos são campeões no elemento. As castanhas-do- pará são cultivadas pra valer na região Norte, especialmente no cinturão amazônico, mas o Brasil já não lidera o ranking de produção da oleaginosa. Hoje é a Bolívia que ocupa o primeiro lugar, revela Urano.
Recebi por E-Mail

American Photo (09 & 10/2008)

Foto Panorâmica do Estádio Ninho de Passáro em Pequim, final dos 100metros.

Clique na imagem abaixo e se sinta dentro do estádio...

A famosa Lei Seca de 1919

Este anúncio foi publicado em torno de 1919, logo depois do início da proibição da venda e fabricação de bebidas alcoólicas nos EUA.
A famosa Lei Seca...
Clique na imagem para ampliar

Agora olhe bem para elas e responda:
Você deixaria de beber?
É por isso que a Lei Seca não deu certo!

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Imagens engraçadas/curiosas - 22/08/2008


Via Knuttz/Ueba

Caminhoneiro idiota (ou seria Burro?)

Site Russo com fotos em ótima definição

Mesmo escrito em Russo, este site é fácil de entenfer pois o que importa são as lindas fotos que ele contém.
Clique na imagemabaixo e confira.

Por quê as camisinhas vem em pacotes de 3, 6 e 12?

Um homem caminha por uma drogaria com seu filho de dez anos.
Aconteceu eles passarem pela secção de preservativos e o menino perguntou:
- O que é isso, pai?
O pai respondeu:
- São os chamados preservativos, filho... Os homens usam pra fazer sexo seguro.
- Ah, ta... respondeu o menino, pensativo. Sim, eu já ouvi falar disso nas aulas de saúde física na escola.
Ele olha para a prateleira, apanha um pacote de três preservativos e pergunta:
- Por que tem três neste pacote?
O pai responde:
- Esses são para garotos do Segundo Grau. Uma para a sexta, uma para o sábado e uma para o domingo.
- Legal, diz o menino.
Agora ele pega um pacote com 6 e pergunta:
- E esses? Para que servem?
- Esses são para garotos da Faculdade, responde o pai. Duas para a sexta, duas para o sábado e duas para o domingo.
- Uau!!! - exclamou o menino. Então quem usa estes? Perguntou o menino, apanhando um pacote com 12.
Com um suspiro, o pai responde:
- Estes são para os homens casados. Uma para Janeiro, outra para Fevereiro, outra para Março... e assim por diante, até Dezembro...

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Imagens engraçadas/curiosas - 21/08/2008


Via Knuttz/Ueba

Hitler brasileiro

O que será que Hitler acharia do desempenho do Brasil se fosse brasileiro?

Isto É Gente - Edição 468 (25/08/2008)


Público se aglomera para ver topless 'motorizado' de atrizes pornô

Passeata aconteceu depois da autorização da Justiça da Nova Zelândia.
Moradores de Auckland saíram às ruas para prestigiar o evento polêmico.


Participantes da 'Boobs on Bike' desfilam pelas ruas de Auckland, na Nova Zelândia
(Foto: Brendon Ohagan/AFP )


Centenas de curiosos saíram às ruas de Auckland, na Nova Zelândia, nesta quarta (20) para acompanhar a passeata "Boobs on Bikes", que reúne estrelas do pornô passeando de topless na garupa de motoqueiros.

O evento faz parte da feira Erotica Expo e chegou a ser ameaçado. A prefeitura de Auckland tentou impedir a parada, dizendo que ela ia contra uma lei que proíbe eventos públicos “ultrajantes”. Para a juíza Nicola Mathers, no entanto, o fato de esse mesmo evento ter reunido 80 mil no ano passado significa que muitos não concordam com a crítica.

O evento é organizado pelo “barão da pornografia” Steve Crow, que havia ameaçado realizar o passeio de motos com ou sem a autorização da prefeitura.

As ruas da cidade foram tomadas pelas atrizes, e a população, curiosa, aproveitou para tirar fotos.
Atriz pornô faz topless durante o 'Boobs on Bikes', evento que mobilizou a população de Auckland nesta quarta (20)(Foto: Brendon Ohagan/AFP )
* Reuters e France Presse
Fonte G1

Kitesurfer

Car Magazine Brasil - Edição 03 (05/2008)

By Antfer

Homens são mais felizes que mulheres pós-48

Os homens tendem a se sentir mais felizes com suas vidas do que as mulheres, a partir dos 48 anos de idade, segundo um estudo publicado no Journal of Happiness Studies que examinou dados colhidos nacionalmente, nos Estados Unidos, durante décadas.

O nível de felicidade é medido através das aspirações e realizações em relação à vida familiar e financeira, ao longo do tempo.

Apesar de estarem mais satisfeitas com sua situação familiar e suas finanças no nício da vida, o nível de satisfação das mulheres tende a diminuir com o tempo, enquanto o dos homens tende a aumentar, afirmam os pesquisadores Anke Plagnol – da Universidade de Cambridge – e Richard Easterlin – da University of Southern California.

Segundo os pesquisadores, um dos fatores que podem estar por trás desta "inversão" é o fato de as mulheres se casarem mais cedo, e com isso estarem mais satisfeitas com a vida familiar e financeira no início da fase adulta do que os homens.
  • Aspirações e realizações
O estudo analisou dados que mediram as aspirações e as realizações de mulheres e homens no casamento, vida familiar com filhos e no campo material, analisando finanças e bens de consumo considerados desejáveis para uma "vida ideal", como carro, casa própria, casa de veraneio e férias no exterior, entre outros.

Os pesquisadores afirmam que tanto homens como mulheres têm forte desejo de um casamento feliz durante toda a vida.

No início, as aspirações femininas são um pouco mais altas que as masculinas, mas com a idade, essas aspirações diminuem mais rapidamente entre as mulheres.
Aos 42 anos de idade, a proporção de mulheres que desejam um casamento feliz é inferior a dos homens e essa diferença tende a aumentar nos anos seguintes.

A vida familiar também é apontada como um fator mais importante para a felicidade feminina, mas elas demonstram estar menos satisfeitas com sua vida familiar do que os homens a partir dos 64 anos.

No campo financeiro, os homens estariam menos satisfeitos no início de suas vidas, mas a situação se inverte a partir dos 43 anos.
BBC