sábado, 27 de setembro de 2008

Imagens engraçadas/curiosas - 27/09/2008


Via Knuttz/Ueba

Beethoven

Qual era a relação entre Beethoven e os nobres?

Financeiramente dependente deles, o músico sonhava com liberdade e revolução. Uma história de desilusões e ambivalências.

O Beethovenfest 2008, sob o slogan "Poder.Música", questiona o papel desempenhado pela música em tempos sem liberdade, e como os poderosos se servem dela.
E convida a mais uma pergunta: qual era a relação do próprio compositor com a nobreza? Dividido entre sustento e desapontamento, ele criou obras até hoje representativas da idéia de revolução. Mas terá ele sido criado de patrões demais?

Prometeu
Ainda em vida, a obra de Ludwig van Beethoven o elevou à categoria de mito. Ele se tornou o modelo do artista romântico, assim como do desejo de se libertar tanto de formas musicais como de concepções obsoletas do mundo.
O mestre de Bonn se tornou uma figura de identificação musical numa fase de reviravolta política, da era aristocrática para a burguesa. Ao escrever música para o balé As criaturas de Prometeu, Beethoven já se dedicava em 1801 a um tema altamente atual.
O semideus da mitologia grega Prometeu, portador da luz e patrono da humanidade, era o símbolo do Iluminismo e personificação mítica da revolução. Napoleão Bonaparte era considerado o "Prometeu moderno".

Entre dependência e desprezo
Durante toda a vida, o músico alemão esteve dividido entre servir e desprezar a nobreza, entre o anseio pela revolução e a resignação. Sua atitude perante os poderosos foi sempre ambivalente. Entre esperança na nobreza e desilusão em relação a ela, oscilou todo o trajeto da vida de Beethoven.

Nascido em 1770, filho de um tenor da corte do príncipe eleitor, o menino-prodígio já era exibido à aristocracia aos 8 anos de idade. Aos 19, protestava pela primeira vez: o piano da corte era ruim, impossível tocar nele, afirmava. Era o ano da Revolução Francesa.
Porém a vida de um instrumentista e compositor era, na época, subordinada à corte e à Igreja. A convite do veterano Joseph Haydn, o jovem vai estudar em Viena. E resolve permanecer na cidade imperial, embora o príncipe eleitor de Bonn jamais o haja liberado oficialmente dos serviços de sua corte.

E Beethoven se tornou o queridinho da nobreza vienense. Graças a ela, foi um dos primeiros músicos verdadeiramente autônomos, independentes de postos na corte ou eclesiásticos. O Barão van Swieten, os príncipes Liechnowsky, Lobkowitz e Kinsky lhe pagavam respeitáveis benefícios anuais e pensões vitalícias. Beethoven foi ainda professor de piano do arquiduque Rudolf, para quem escreveu o Concerto triplo em dó maior opus 56, para violino, violoncelo, piano e orquestra.

Em torno de Napoleão
Embora quase exclusivamente financiado pelos nobres, Beethoven era extremamente desrespeitoso com eles. Considerando-se um cidadão livre, tachava seus mecenas de "ralé aristocrática" e os tratava de forma coerente com essa opinião.
Em Viena, era notório o entusiasmo do compositor pelas idéias liberais e pelo inimigo público número um, Napoleão. E no entanto, Beethoven escapou à censura e à polícia secreta austríaca. Em liberdade quase absoluta, até mesmo compôs em 1803 uma homenagem sinfônica a Napoleão: a Sinfonia nº 3, opus 55 (Heróica).

Apesar de fanático pela liberdade, o músico estava longe de ser um observador arguto da situação política. A virada de Napoleão, de herói revolucionário para absolutista, o consternou. Ao saber que o general francês se fizera coroar imperador, Beethoven rasgou a homenagem original da Heróica e dedicou a sinfonia a seu mecenas príncipe Lobkowitz, um nome representativo do Ancien Régime.

No ápice da fase antinapoleônica, o compositor escreveu em 1813 uma peça de guerra. Com A vitória de Wellington ou a Batalha de Vitoria, Beethoven se torna de um só golpe popular também entre a burguesia vienense. O elaborado espetáculo bélico-musical descreve em sons a derrota das tropas francesas pelo marechal inglês Arthur Wellesley, duque de Wellington, na cidade de Vitoria, no norte espanhol. Era o início da derrocada de Napoleão.
Fidelio

"Nada além de tambores, canhões, miséria humana de toda sorte", exclamou Beethoven por ocasião da investida militar contra Viena, em 1809. Ele era um pacifista decidido, como fica claro em sua representação sonora de batalhas.
O músico reagiu ao Congresso de Viena de 1815, que definiria a nova ordem política na Europa, com a monumental cantata Der glorreiche Augenblick (O glorioso momento). Para ele, tudo o que contava era a vitória sobre Napoleão, o rebaixamento da França e a esperança na segurança e na liberdade reconquistadas.

Já em 1805, Beethoven denunciara a tirania e a ditadura em sua única ópera, Fidelio (de início intitulada Leonore). Entre os alvos desta crítica, estavam sem dúvida os invasores franceses de Viena.

Ode à Alegria
Desde a ditadura napoleônica, Beethoven não mais acreditava que rebelião corajosa e revoluções pudessem reverter hierarquias e depor tiranias. Quase todas as suas obras foram dedicadas a patronos nobres, quem quer que fossem.
Durante a vida inteira, ele serviu aos poderosos, vendendo-lhes sua música. E ao mesmo tempo sonhava com a independência em relação a eles. No fim da vida, realizou este sonho na Nona sinfonia, integrando nela a Ode à Alegria de Friedrich Schiller.
Um monumento humanista feito de sons, embora o dedicando da sinfonia seja o rei Frederico 3º da Prússia. Em 1824 a Nona sinfonia é estreada. Três anos mais tarde, morre Ludwig van Beethoven.
Dieter David Scholz

Bem de perto (Close)


Só Malucos

Mário Belém - Artista Português

Clique na figura abaixo e confira o belo trabalho deste português

Exposição reúne em SP colecionadores de miniaturas de carros

Organizadores calculam que 50 mil carrinhos foram levados para o evento.
'É uma diversão. Tira o estresse', afirma colecionador.

Admiradores e colecionadores dos carrinhos Hot Wheels puderam se deliciar com as miniaturas na exposição que ocorreu no Shopping SP Market, na Zona Sul de São Paulo, neste sábado (27). Os expositores calculam ter levado, ao todo, cerca de 50 mil carrinhos. Havia Fuscas, Kombis, furgões, e automóveis de diversas cores e modelos. "É uma diversão. Tira o estresse", disse o vendedor Alexandre Sarain, de 31 anos, dono de 2.500 Hot Wheels (Foto: Carolina Iskandarian/G1)
Fonte G1

Polinésia Francesa

Ark

Maluca, mas excelente animação.

Tocando o tema do Pulp Fiction com uma batedeira

Se você sabe tocar guitarra mas não tem tanta habilidade pra tocar super-rápido, mas ta afim de tocar o tema do filme Pulp Fiction, basta fazer como o nosso amigo. Veja clicando na figura ao lado.

Motos Malucas

BEIJINHO TOTOSO

Shutterbug (10/2008)

Curando o rebanho do caipira

O rebanho do caipira estava doente e ninguém conseguia curar.

Então ele ficou sabendo que tinha um curandeiro, que era a única pessoa que poderia salvar seu rebanho e o chamou.
Chegando lá, o curandeiro disse que salvaria o gado do caipira, mas teria que ficar trancado no quarto com a filha do caipira - uma morena gatíssima para fazer o ritual.

O caipira ficou meio desapontado mas topou: afinal, era o único jeito de salvar seu rebanho.

O curandeiro foi para o quarto com a moça e começou:
- Passo o pau no seus joeio pra curá os boi vermeio!
- Passo o pau na suas coxa pra curá as vaca roxa!
- Passo o pau na sua viria pra curá as novia!
O caipira, que estava ouvindo o ritual atrás da porta, gritou depressa:
- As vaca preta e os boi zebu … pode deixá morrê…!!!

Surfer (10/2008)

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Imagens engraçadas/curiosas - 25/09/2008

Via Knuttz/Ueba

Chá de camomila previne complicações da diabetes, diz estudo

Beber chá de camomila diariamente pode ajudar a prevenir algumas das conseqüências da diabetes tipo-2, tais como cegueira, lesões nos nervos e nos rins, de acordo com pesquisadores no Japão e na Grã-Bretanha.

A descoberta pode levar ao desenvolvimento de um novo medicamento derivado de camomila para a doença, cuja incidência vem aumentando em todo o mundo.

No novo estudo, o pesquisador Atsushi Kato, da Universidade de Toyama, ressalta que camomila vem sendo usada há anos como uma cura informal para problemas diversos como estresse, resfriado e cólica menstrual.

Recentemente os cientistas propuseram que o chá da erva pode ser benéfico também no combate à diabetes, mas a teoria não tinha sido testada cientificamente até agora.

Os pesquisadores deram extrato de camomila a um grupo de ratos diabéticos durante 21 dias, e compararam o resultado a um grupo de animais de controle em uma dieta normal.
O nível de glicose no sangue de animais que ingeriram camomila foi significativamente menor do que o dos ratos no grupo de controle, disseram os cientistas.

Também foi registrada uma redução da concentração das enzimas ALR2 e sorbitol. A concentração elevada dessas substâncias está associada a um aumento das complicações relacionadas à diabetes.
A pesquisa foi divulgada na revista Journal of Agricultural and Food Chemistry.
BBC

Mudanças na dieta e muita água são a única receita contra cólica renal

As pedras nos rins são consideradas crônicas e exigem acompanhamento médico regular.
As cólicas fazem você perder o juízo. A dor aguda começa nas costas, mas toma as pernas, embrulha o estômago, causa tontura e enjôos. Há até quem desmaie quando entra em crise por causa de pedras nos rins. Como a sensação de dor é subjetiva, fica difícil medi-la. Mas a comparação entre a cólica renal e as dores de parto é recorrente entre as mulheres que já passaram por ambas situações , afirma o urologista Mario Henrique Elias de Mattos, da ClÍnica MedCenter de São Bernardo.

Erros na alimentação, pouca ingestão de líquidos e tendência genética são os fatores mais associados ao problema. Na entrevista a seguir, o especialista diz o que há de verdade nas informações do senso comum e dá dicas para quem deseja passar longe do problema que, hoje em dia, atinge 20% da população mundial (os homens entre 20 e 40 anos são as principais vítimas).

Pedras nos rins são hereditárias? Como e por que elas se formam?
Estudos recentes já conseguem identificar alguns genes diretamente relacionados com a doença, tanto que é comum encontrar o problema em várias pessoas da mesma família. As pedras se formam a partir da agregação de pequenos cristais de diferente composição. Esta agregação vai acontecer quando a urina estiver supersaturada. Em nível baixo, algumas substâncias facilitam a formação destes cristais, como é o caso do magnésio e do citrato.

Chá de quebra pedra, folha de abacate e alcachofra ajudam na eliminação?
Os estudos científicos realizados não foram capazes de comprovar a eficiência destes chás. Em geral, os especialistas creditam a melhor relatada pelos pacientes ao aumento no volume de líquido ingerido.

Quem tem os cálculos deve evitar isotônicos e refrigerantes?
Sim, eles devem ser evitados por causa do alto teor de sódio (sal) que contêm. O sódio é um mineral que contribui para a formação de novas pedras.

Comidas gordurosas agravam as cólicas?
Não. Os alimentos com alto teor de gordura podem desencadear ou agravar cólicas biliares, aquelas decorrentes da presença de pedras na vesícula biliar, uma doença totalmente diferente. Os sintomas na cólica biliar podem simular sintomas de cólica renal, daí a frequente confusão entre os dois tipos de problema.

As pedras são um problema crônico?
Sim, pois a chance do indivíduo voltar a ter problemas com pedras após uma primeira manifestação é de aproximadamente 50% ao longo de 10 anos, daí a necessidade de acompanhamento médico regular.

O acúmulo de cálcio é o único causador do problema?
Não, nem só o aumento da concentração de cálcio na urina responde pela formação dos cálculos. A presença excessiva na urina de outras substâncias, como ácido úrico e oxalato, também podem responder pela causa do problema. Eventualmente, mesmo quando estas substâncias encontram-se na concentração normal, os cálculos podem se formar (e ainda não se compreende por completo este fenômeno).

Quem tem cálculo é mais suscetível à osteoporose?
Os pacientes que sofrem de cálculos urinários em decorrência de excreção exagerada de cálcio, proveniente do reservatório ósseo têm mais tendência à osteoporose. Isso acontece com quem sofre de hiperparatireoidismo (doença das glândulas paratireoidianas caracterizada pela retirada excessiva de cálcio dos ossos) ou naqueles indivíduos que têm dificuldade em reter o cálcio na circulação sanguínea por problemas renais específicos.

A infecção urinária ocorre com mais freqüência entre as pessoas que têm cálculo? Por quê?
Sim, porque nossos anticorpos têm dificuldade de penetrarem no cálculo, local onde geralmente se alojam as bactérias. As infecções também são comuns devido ao eventual represamento de urina provocado pelos cálculos em determinados segmentos do trato urinário.

Existe algum medicamento capaz de dissolver as pedras? Quando a litotripsia é indicada?
Ainda não existem medicamentos capazes de dissolver as pedras. Mas em uma situação especial isto é possível: nos cálculos de ácido úrico. Neles, a alcalinização da urina (elevação do pH urinário) e o aumento da eliminação de ácido úrico (induzido pelo uso da droga alopurinol) são capazes de desintegrar cálculos, mesmo aqueles de grandes dimensões. A litotripsia (implosão dos cálculos) está indicada em pedras sintomáticas de até 2 cm de diâmetro (pedras maiores são tratadas com diferentes formas de cirurgia).

É verdade que a cólica causada pelos cálculos é mais intensa que a provocada pelo parto?
A avaliação da dor tem caráter subjetivo, porém mulheres que experimentaram ambas as situações freqüentemente fazem este tipo de observação.
O uso de algum medicamento pode agravar o problema?
Suplementos orais ricos em cálcio, suplementos protêicos e um determinado tipo de droga utilizada por pacientes portadores do vírus HIV (Indinavir) podem ter influencia direta na formação de pedras no trato urinário.

Que prejuízos as pedras causam nos rins? É possível preveni-las?
Elas podem provocar perda de função renal por obstrução ou pelas infecções de repetição. A prevenção é simples: aumento da ingestão diária de líquidos, evitar abusos na ingestão de carne vermelha e sal na dieta, prática de atividades físicas e maior ingestão de laranja e limão.

Que perfil de paciente tem mais predisposição ao problema?
As pedras são ligeiramente mais comuns em homens do que em mulheres e a incidência global gira em torno de 20%, sendo a ocorrência mais comum em indivíduos entre 20 e 40 anos de idade. São mais propensos indivíduos nesta faixa etária que não ingerem grande quantidade diária de líquidos, são sedentários e estão habituados a ingerir grandes quantidades de sal e carne vermelha no dia-dia, além de apresentar antecedente familiar da doença.

Quais os tratamentos e quando são indicados?
O tratamento pode ser medicamentoso, sendo este dirigido à correção de distúrbios metabólicos específicos ou intervencionista. Neste último dispomos da implosão dos cálculos por litotripsia extracorpórea ou cirurgias, que podem ser realizadas por técnicas endoscópicas ou por técnicas convencionais (via aberta).
Fonte: Minha Vida

Conselhos para bem viver

Devemos estudar os meios de alcançar a felicidade, pois, quando a temos, possuímos tudo e, quando não a temos, fazemos tudo por alcançá-la.

Respeita, portanto, e aplica os princípios que continuadamente te ensinei, convencendo-te de que eles são os elementos necessários para bem viver.

Pensa primeiro que o deus é um ser imortal e feliz, como o indica a noção comum de divindade, e não lhe atribuas jamais caráter algum oposto à sua imortalidade e à sua beatitude. Habitua-te, em segundo lugar, a pensar que a morte nada é, pois o bem e o mal só existem na sensação. De onde se segue que um conhecimento exato do fato de a morte nada ser nos permite fruir esta vida mortal, poupando-nos o acréscimo de uma ideia de duração eterna e a pena da imortalidade.

Porque não teme a vida quem compreende que não há nada de temível no fato de se não viver mais. É, portanto, tolo quem declara ter medo da morte, não porque seja temível quando chega, mas porque é temível esperar por ela. É tolice afligirmo-nos com a espera da morte, visto ser ela uma coisa que não faz mal, uma vez chegada.

Por conseguinte, o mais pavoroso de todos os males, a morte, nada significa para nós, pois enquanto vivemos a morte não existe. E quando a morte veio, já não existimos nós. A morte não existe, portanto, nem para os vivos nem para os mortos, pois para uns ela não é, e pois os outros não são mais.

Deve, em terceiro lugar, compreender-se que, de entre os desejos, uns são naturais e os outros vãos e que, de entre os naturais, uns são necessários e os outros somente naturais. Finalmente, de entre os desejos necessários, uns são necessários à felicidade, outros à tranquilidade do corpo e outros à própria vida. Uma teoria verídica dos desejos ajustará os desejos e a aversão à saúde do corpo e à ataraxia da alma, pois é esse o escopo de uma vida feliz, e todas as nossas acções têm por fim evitar ao mesmo tempo o sofrimento e a inquietação.

Quando o conseguimos, todas as tempestades da alma se desfazem, não tendo já o ser vivo de dirigir-se para alguma coisa que não possui, nem buscar outra coisa que possa completar a felicidade da alma e do corpo. Porque nós buscamos o prazer somente quando a sua ausência causa sofrimento. Quando não sofremos, não sabemos que fazer do prazer. E por isso dizemos que o prazer é o começo e o fim de uma vida venturosa. O prazer é, na verdade, considerado por nós como o primeiro dos bens naturais, é ele que nos leva a aceitar ou a rejeitar as coisas, a ele vamos parar, tomando a sensibilidade como critério do bem.

Ora, pois que o prazer é o primeiro dos bens naturais, segue-se que não aceitamos o primeiro prazer que vem, mas em certos casos desdenhamos numerosos prazeres quando têm por efeito um tormento maior. Por outro lado, há numerosos sofrimentos que reputamos preferíveis aos prazeres, quando nos trazem um maior prazer. Todo o prazer, na medida em que se conforma com a nossa natureza, é portanto um bem, mas nem todo o prazer é entretanto necessariamente apetecível. Do mesmo modo, se toda a dor é um mal, nem toda é necessariamente de evitar.

Daqui procede que é por uma sábia consideração das vantagens e dissabores que traz que cada prazer deve ser apreciado. Na verdade, em certos casos, tratamos o bem como um mal e, noutros, o mal como um bem. Depender apenas de si mesmo é, em nossa opinião, grande bem, mas não se segue, por isso, que devamos sempre contentar-nos com pouco. Simplesmente, quando a abundância nos falece, devemos ser capazes de contentar-nos com pouco, pois estamos persuadidos de que fruem melhor a riqueza aqueles que menos carecem dela e que tudo que é natural se alcança facilmente, enquanto é difícil obter o que o não é.

As iguarias mais simples dão tanto prazer como a mesa mais ricamente servida, quando está ausente o tormento que a carência determina, e o pão e a água causam o mais vivo prazer quando os tomamos após longa privação. O hábito da vida simples e modesta é portanto boa maneira de cuidar da saúde e torna, além disso, o homem corajoso para suportar as tarefas que deve necessariamente realizar na vida.

Permite-lhe ainda, eventualmente, apreciar melhor a vida opulenta e endurece-o contra os reveses da fortuna. Por conseguinte, quando dizemos que o prazer é o soberano bem, não falamos dos prazeres dos debochados, nem dos gozos sensuais, como pretendem alguns ignorantes que nos combatem e desfiguram o nosso pensamento. Falamos da ausência de sofrimento físico e da ausência da perturbação moral. Porque não são nem as bebidas e os banquetes contínuos, nem o prazer do trato com as mulheres, nem o júbilo que dão o peixe e a carne com que se enchem as mesas suntuosas que ocasionam uma vida feliz, mas hábitos racionais e sóbrios, uma razão buscando incessantemente causas legítimas de escolha ou de aversão e rejeitando as opiniões susceptíveis de trazerem à alma a maior perturbação.

O princípio de tudo isto e, ao mesmo tempo, o maior bem é, portanto, a prudência. Devemos reputá-la superior à própria filosofia, pois que ela é a fonte de todas as virtudes que nos ensinam que não se alcança a vida feliz sem a prudência, a honestidade e a justiça e que a prudência, a honestidade e a justiça não podem obter-se sem o prazer. As virtudes, efetivamente, provêm de uma vida feliz, a qual, por sua vez, é inseparável das virtudes.
Epicuro
Picture Alfred Sisley

ataraxia = serenidade de alma, calma de espírito
Via Amigos do Freud

Álbum erótico do vovô...

Clique na imagem para conhecer o álbum do Vovô...
Aguarde carregar, depois clique no canto externo da folha para virar as páginas do álbum.
O que é sensacional é justamente o manuseio do álbum para a frente ou para trás, tocando na ponta superior, no meio ou na ponta inferior da página, que pode ser até arrancada, como se fosse um livro real.
Tente rasgar a folha... muito bem feito mesmo!

Daslu Lounge Volume 4


Faixas
01 - LOUIE AUSTEN - Glamour Girl
02 - BLACK MIGHTY WAX - Psycho Killer
03 - SARAJ JANE MORRIS - Me And Mrs Jones
04 - LTJ X-PERIENCE - And I Love Him
05 - NU BRAZ - Donna
06 - UNITED PEACE VOICES - Seven Prayers
07 - RIOVOLT - It Ain´ T Over´ Til It´s Over
08 - MARUÇA & aNASTÁCIA - Dancing Queem
09 - ANA FLORA feat. MARIO VENUTI - Fortuna
10 - BOSSA NOSTRA - Roxanne Não Ligar
11 - ARCOIRIS - Walk On the Wild Side
12 - BOB SINCLAIR feat. STEVE EDWARDS - Together
13 - CLAN GRECO - Rotation
14 - LEXTER - Freedom To Love
15 - HOUSE BOULEVARD feat. SAMARA - Set Me Free

Segovia - Apresentação

Clique aqui ou na imagem acima e veja esta apresentação feita com o Microsoft Power Point. Aguarde alguns instantes enquanto as imagens são carregadas, ou, se preferir, salve-a em seu computador.

Para ver essa apresentação é necessário ter instalado o programa Microsoft PowerPoint, que está no pacote Microsoft Office, ou o programa Visualizador do PowerPoint (para download gratuito clique aqui).

Duelo de Cavalheiros

Wallpapers de todos os tamanhos, cores e formas. Uma cacetada deles!!!

Clique na figura abaixo e confira.

Gazeta Mercantil em PDF, Quinta, 25 de Setembro de 2008

Aviões

Se você é uma pessoa que gosta de aviões, não deixe de conhecer o site abaixo. Basta clicar na figura para dar uma conferida.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Revista: Info Exame - Ed271 - Setembro 2008

Paz no trânsito

A Honda criou um site com dicas educativas a fim de contribuir para a conscientização de motociclistas, motoristas, ciclistas e pedestres sobre a importância de um trânsito seguro a todos e promoverem um convívio mais amigável no tráfego.

No site estão disponíveis, além das dicas, dawnloads de botons, selos de apoio a iniciativa, e wallpapers.

Acesse: http://www.hondaharmonianotransito.com.br

Campanha de ação social por um trânsito mais seguro.

Isto É Gente - Edição 473 (29/09/2008)

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Imagens engraçadas/curiosas - 23/09/2008


Via Knuttz/Ueba

Revista Veja - Edição n 2079 - 24 de Setembro de 2008


A HISTORIA DO JOHN: A CRISE AMERICANA DE FORMA DIDÁTICA

John comprou uma casa, no começo dos anos 90, por 300.000 dólares, financiada em 30 anos.
Em 2006 a casa do John tinha valorizado e estava valendo 1,1 milhão de dólares, uma fantástica valorização.
Mesmo ainda faltando 20 anos para quitar a casa, um banco perguntou pro John se ele não queria uma grana emprestada, algo como 800.000 dólares, ou seja, uma segunda hipoteca.
Ele aceitou o empréstimo, fez a nova hipoteca e pegou os 800.000 dólares.
John não precisava do dinheiro, tinha um emprego estável , morava numa simpática casa no subúrbio de uma grande cidade, mas como todo americano, não podia escutar a palavra crédito.

Com os 800.000 dólares e ainda sem saber o que fazer com esse dinheiro, John soube por um amigo que o mercado imobiliário continuava valorizando.

Era construir, anunciar, vender e lucrar. Um ótimo negócio e, como disseram pro John, não havia riscos.
John comprou 3 casas em construção, na parte mais nobre da cidade, dando como entrada 300.000 dólares e imediatamente fez mais 3 hipotecas, uma pra cada casa.

Porém no acordo feito, o valor recebido pelas 3 hipotecas era pequeno, o suficiente para terminar a construção das casas.

A diferença, 500.000 dólares, que John recebeu do banco, ele gastou: comprou carro novo (alemão) pra ele. Deu um carro (japonês) para cada filho. E com o resto do dinheiro comprou 8 TVs de plasma de 600 polegadas cada uma (coreanas), 8 notebooks(chineses), uma jacuzzi de 30.000 dólares (vietnamita, fabricada com trabalho escravo infantil).

E um lindo ponney (mexicano) para sua filha caçula, financiado em 25 anos (o companheiro ponney irá para o céu dos ponneys e o John ainda estará pagando as prestações).

Alem de realizar seu grande sonho de viagem, ir a Paris, ficando hospedado no Ritz pagando 600 euros a diária. (Mesmo estando na cidade com alguns dos melhores restaurantes do mundo e com grana, emprestada, no bolso, John não abria mão do seu hambúrguer no jantar)

Tudo comprado em longas prestações, com entradas bem pequenas, tudo a crédito.
Uma farra.
A esposa do John, sentindo-se rica, sentou o dedo nos seus 28 cartões de crédito.
Aproveitou para fazer algumas cirurgias plásticas, pra ser exato 18.
Seus seios ficaram lindos, os 3.
John era o sonho americano em forma de pessoa.
O tempo passou, o tempo, esse malvado, sempre passa!!
No começo de 2007 começaram a correr boatos que os preços dos imóveis estavam caindo.
As casas que o John tinha comprado e estavam em fase final de construção caíram vertiginosamente de preço e não tinham liquidez.
O negócio que o John tinha se metido era... refinanciar a própria casa, usar o dinheiro para comprar outras casas em começo de construção e revendê-las com lucro repassando as hipotecas.
Fácil. Parecia fácil. Sempre parece fácil.

Só havia um probleminha com o negócio do John.
Todo mundo teve a mesma idéia ao mesmo tempo.

As taxas de juro das hipotecas que o John pagava começaram a subir (as taxas eram pós- fixadas) e o John percebeu que seu investimento em imóveis se transformara num desastre.
Milhões tiveram a mesma idéia do John.

Tinha casa pra vender como nunca.

John foi agüentando as prestações da sua casa refinanciada, mais as das 3 casas que ele comprou para revender, mais as prestações dos carros, dos notebooks, das tv de plasma, da jacuzzi milionária, do ponney e dos cartão de créditos.

Aí as casas que o John comprou para revender ficaram prontas e ele tinha que pagar uma grande parcela.
Só que o John tinha gasto o dinheiro.

No momento da parcela maior, John achava que já teria revendido as 3 casas.

Mas os compradores tinham desaparecido.

John se danou.

Começou a não pagar aos bancos as hipotecas da casa que ele morava e das 3 casas que ele havia comprado como investimento.

John começou a não pagar suas milhares de contas.

Os bancos ficaram sem receber de milhões de especuladores iguais ao John.

E também das milhões de pessoas que compraram essas casas dos que tiveram a idéia antes do John.

John optou pela sobrevivência da família.

John entregou aos bancos as 3 casas que comprou como investimento perdendo tudo que tinha investido.

John quebrou.

Ele e sua família pararam de consumir. Um sem número de Johns deixaram de pagar aos bancos os empréstimos que haviam feito baseado nos preços dos imóveis.

Os bancos haviam transformado os empréstimos de milhões de Johns em títulos negociáveis.

Com a inadimplência dos Johns, esses títulos passaram a valer pó. Bilhões e bilhões em títulos passaram a nada valer e esses títulos estavam disseminados por todo o mercado, principalmente nos bancos americanos, mas também em bancos europeus e asiáticos.

Os imóveis eram as garantias dos empréstimos, mas esses empréstimos foram feitos baseados num preço que esses imóveis não valiam mais.

Os preços dos imóveis eram uma bolha, um ciclo que não se sustentava. A inadimplência dos milhões de Johns atingiu fortemente os bancos americanos e europeus que perderam centenas de bilhões de dólares.

A farra do crédito fácil acabou.

Com a inadimplência dos milhões de Johns, os bancos pararam de emprestar por medo de não receber. Os Johns pararam de consumir porque não tinham crédito.

Mesmo quem não devia dinheiro, não conseguia crédito nos bancos e quem tinha crédito não queria dinheiro emprestado. O medo dos Johns de perder o emprego fez a economia travar.

Recessão é sentimento, é medo do futuro.

Mesmo quem pode, pára de consumir.

O FED começou a trabalhar de forma árdua, reduzindo fortemente as taxas de juros e as taxas de empréstimos interbancários. O FED também começou a injetar bilhões de dólares no mercado, provendo liquidez.

O governo Bush lançou um plano de ajuda à economia sob forma de devolução de parte do imposto de renda pago, visando incrementar o consumo. Porém, ainda não se sabe o resultado prático dessas medidas na economia real.

Essas ações foram corretas e, até agora, não é possível afirmar que os EUA estão tecnicamente em recessão. O FED trabalhava. O mercado ficava atento e as famílias esperançosas.

ATÉ QUE O IMPENSÁVEL ACONTECEU!!!

O pior pesadelo para uma economia: crise bancária, correntistas correndo para sacar suas economias, boataria geral, pânico.
Um dos grandes bancos da América, o Bear Stearns, amanheceu quebrado, insolvente.
O FED, de forma inédita, fez um empréstimo ao Bear, apoiado pelo JP Morgan Chase, para que o banco não quebrasse.
Depois disso o Bear foi vendido para o JP Morgan .
Mais recentemente as financiadoras de hipoteca FREDDIE MAC e FANNIE MAE também se viram em situação de quase insolvência.
Rapidamente o congresso aprovou um plano de ajuda às duas empresas.
Se elas quebrassem, teríamos um efeito cascata e o sistema desmoronaria.
O mercado e as pessoas seguem sem saber o que esperar.
O que começou com o John, hoje afeta o mundo inteiro.
A coisa pode estar apenas começando.
Só o tempo poderá dizer o que vai acontecer.
E o John e sua família? Você deve estar se perguntando.
John devolveu todos os bens para as financeiras.
E ainda ficou devendo um dinheirão.
Mas o que ele mais queria devolver, ele não conseguiu.
As plásticas da esposa, essas não tiveram jeito.

Fonte: http://entouragetrading.blogspot.com/ - 21/09/2008
(Ray - entouragespin@gmail.com)

Patologias da Próstata - Apresentação

Clique aqui ou na imagem abaixo e veja esta importante apresentação feita com o Microsoft Power Point. Aguarde alguns instantes enquanto as imagens são carregadas, ou, se preferir, salve-a em seu computador.

Para ver essa apresentação é necessário ter instalado o programa Microsoft PowerPoint, que está no pacote Microsoft Office, ou o programa Visualizador do PowerPoint (para download gratuito clique aqui).

Isto É Dinheiro - Edição 573 (24/09/2008)