sábado, 9 de maio de 2009

Petrobras é a quarta empresa mais respeitada do mundo

Companhia passou do 20º para o 4º lugar no ranking obtido em pesquisa do Reputation Institute que mede nível de estima, confiança, respeito e admiração entre consumidores
A Petrobras passou do vigésimo para o quarto lugar entre as empresas mais respeitadas do mundo, segundo pesquisa divulgada pelo Reputation Institute (RI), empresa privada de assessoria e pesquisa, com sede em Nova York. O ranking relaciona 200 grandes empresas do mundo e é realizado anualmente desde 2006.

O Reputation Institute criou um modelo de avaliação (Modelo RepTrak) que mede o nível de estima, confiança, respeito e admiração, por meio de pesquisas realizadas com consumidores do país de origem das empresas. Foram realizadas 75 mil avaliações, de janeiro a março de 2009, em 32 países.

A Petrobras obteve 82,37 pontos, ficando 18,17 pontos acima da média mundial (64,20 pontos). Desde 2006, a companhia apresentou um crescimento de 8,4 pontos. Na pesquisa deste ano, a avaliação do público destacou o desempenho da Petrobras nas categorias ambiente de trabalho, governança, cidadania e desempenho financeiro. Os resultados foram os melhores de uma empresa brasileira desde 2007.

A Petrobras integra o seleto grupo de 17 empresas mundiais com reputação excelente, classificação mais alta da pesquisa. Com a quarta posição, a Petrobras superou empresas como Fedex, Google, Microsoft, 3M, Honda, Philips, General Electric e Walt Disney Co. A Petrobras conquistou também a melhor posição entre as empresas de energia.

O mesmo ranking internacional revela que, entre as brasileiras, a Petrobras aparece em primeiro lugar, à frente da Sadia (5º), Votorantim (20º) e Vale (28º). O resultado da pesquisa indica a presença de um maior número de empresas dos países emergentes - dentre os quais o Brasil, a Rússia, a China e a Índia são os representantes mais emblemáticos - no grupo acima da média mundial de reputação. Segundo o RI, isso demonstra que as empresas desses países têm sofrido menos impacto negativo junto ao público como efeito da crise econômica mundial.

À frente da Petrobras, no ranking internacional, estão duas empresas européias e uma norte-americana: Ferrero (Itália), Ikea (Suécia) e Johnson & Johnson (EUA).

O Reputation Institute avalia sete dimensões que integram o modelo da instituição, com base em pesquisas qualitativas e quantitativas, e explicam a reputação de uma empresa no âmbito internacional: liderança, cidadania, performance, produtos/serviços, inovação, ambiente de trabalho e governança.

Jornal O Estado de SP em PDF, Sábado, 09 de Maio de 2009

Com a avaliação de que melhoraram as condições do mercado, o Banco Central voltou ontem a comprar dólares no mercado à vista para, oficialmente, reforçar as reservas internacionais. Essa operação não era realizada desde 10 de setembro de 2008. Mas a ação não interrompeu o recuo do dólar. Pelo contrário, a tendência foi acentuada após a intervenção e o dólar fechou em queda de 1,99%, a R$ 2,068, no menor preço desde 3 de outubro de 2008. Em nota, BC reafirmou que não tem como objetivo estabelecer um piso para as cotações.

Em uma semana de ingresso expressivo do dólar e queda de 5,48%, o BC confirmou a previsão de analistas ao retomar a compra de dólares. “Tendo o mercado cambial demonstrado, em linhas gerais, melhora nas condições de liquidez, criaram-se circunstâncias que permitem ao BC voltar a ampliar suas reservas internacionais”, explica o BC em nota. Exportadores e investidores são os principais responsáveis pelo retorno dos dólares ao Brasil.

Na nota, o BC insiste que a atuação não tem como objetivo criar um nível mínimo para as cotações do dólar. O BC diz que a ação deve “ser vista como um esforço de recomposição de reservas”. “Não devendo ser confundida com o estabelecimento de outras metas para o BC, como a fixação de tetos ou pisos para a taxa de câmbio.”

Formato: PDF
Tamanho: 25.5 Mb

Universidades engajam-se no combate ao colesterol

Problema de saúde pública, a doença inspira aulas e atividades extracurriculares

Há cerca de vinte anos, ele era um palavrão que, dificilmente, saía dos consultórios médicos. Atualmente, entretanto, é raro encontrar quem nunca tenha ouvido falar em colesterol e tenha, na ponta da língua, uma receita ou dica para combater a doença. "O colesterol alto, hoje em dia, é um problema de saúde pública. O número de pessoas que sofre com ele é alto e, infelizmente, não para de crescer", afirma o cardiologista Roque Savioli, especialista do MinhaVida. Cerca de 20 milhões de brasileiros são vítimas de colesterol alto, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Atentas não só às oportunidades de trabalho que o tratamento da doença pode gerar, mas à necessidade crescente de debater o tema, as faculdades de saúde têm incluído o colesterol e as doenças do coração em várias disciplinas. "Os cursos de Nutrição, Educação Física, Enfermagem, Biomedicina e Medicina da Uninove têm o colesterol como foco em várias matérias e também em atividades multidisciplinares", afirma professora Neusa Fukuya, coordenadora do curso de enfermagem e membro do Núcleo de Estudo de Saúde Coletiva com ênfase na Família da universidade. Segundo ela, as atividades incluem atendimento à população, orientada sobre a importância da alimentação saudável e exercícios físicos

A maioria das ações tem a comunidade carente como alvo, tomando como base a dificuldade de acesso a exames de rotina e à informação de confiança para os cuidados preventivos. "Distribuímos panfletos explicativos, tiramos dúvidas e fazemos o exame de sangue para medir as taxas de colesterol. E, um dia, chegamos a somar 300 atendimentos", diz a professora.

E não é apenas a população que sai ganhando com os serviços. Não resta dúvida de que a prática forma alunos mais aptos a enfrentar os desafios da profissão, depois de formados. Além disso, a experiência ainda permite que eles interpretem a teoria com mais profundidade e pensem em soluções para problemas que, sem a vivência, talvez nem aparecessem na sala de aula.

Na Universidade de São Paulo, uma das instituições de ensino mais prestigiadas da América Latina, o curso Atividade Física e controle alimentar para obesos existe há dez anos e tem procura crescente. Nem mesmo as mensalidades intimidam os alunos (veja mais abaixo), interessados em saber como podem viver melhor mudando os hábitos à mesa. "O colesterol é um tema recorrente no curso. As pessoas têm dúvidas quanto à prevenção, querem saber mais sobre os tipos e a quantidade de gordura permitida na dieta e fazem muitas perguntas sobre os alimentos industrializados", afirma a nutricionista Marina Yazigi Solis, uma das organizadoras do curso na USP.

Atividade Física e Controle Alimentar para obesos
Onde: Escola de Educação Física e Esporte
Av. Mello Moraes, 65 - Cidade Universitária
Curso semestral Todas as segundas, quartas e sextas.
Preço: R$ 150,00 à vista, para quatro meses de aula. Também é possível parcelar o valor (2 x R$ 78,00 ou 4 x R$ 41,00)
Público: Pessoas de IMC (Índice de Massa Corpórea) entre 25 e 39,99, de ambos os sexos e com idade entre 20 e 50 anos.
Informações: 11/3091-3182

Atendimento à Comunidade - UNINOVE
No Ambulatório Integrado de Saúde, localizado no campus Memorial (R. Adolfo Pinto, 109 Barra Funda), aberto de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, a UNINOVE oferece diversos serviços da área de saúde, inclusive orientação sobre colesterol. Para mais informações ou agendar triagem, basta entrar em contato pelo telefone 11/ 3665-9752.
Fonte Minha Vida

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 08/05/2009


Via Knuttz/Ueba

ONG ambientalista realiza campanha para pessoas fazerem xixi no banho

Ideia é economizar 12 litros de água, uma descarga diária.
Campanha é chamariz para discutir problemas de desperdício.

Salvador Nogueira
Do G1, em São Paulo


'Garoto-propaganda' da campanha pelo xixi no banho
(Foto: Divulgação)

Uma ONG ambientalista brasileira está lançando uma campanha no mínimo inusitada. Para reduzir o desperdício de água, eles encorajam as pessoas a fazerem xixi durante o banho.

Pelas contas da SOS Mata Atlântica, dá para economizar em média 12 litros de água diários (o equivalente a uma descarga) ao adotar essa prática.

Claro, se levarmos em conta que o banho demore um minuto a mais, com um tempo extra para o xixi, e o chuveiro ficar ligado nesse período, lá se vão cerca de 9 litros de água a mais pelo ralo. Resultado final: economia de 3 litros.

Isso, entretanto, nem é tão importante. "O que a gente quer é provocar, é mexer com a consciência das pessoas", afirma Malu Ribeiro, coordenadora da rede das águas da SOS Mata Atlântica.

A campanha tem um site, www.xixinobanho.org.br, em que podem ser encontrados muitos dados a respeito do desperdício de água. E, segundo Ribeiro, a resposta das pessoas tem se dado principalmente via internet, levando em conta o lado humorístico da campanha. "Essa reação inicial das pessoas, 'mas isso não é nojento?', está sendo muito bacana", diz.

O lado publicitário da campanha foi planejado pela agência F/Nazca e tem como "garoto-propaganda" um sapo. "Usamos o sapo porque ele é um bicho que só consegue viver onde tem água limpa. Se a água está contaminada, ele morre", afirma Ribeiro.

A escolha mostra também a preocupação da ONG em não causar um problema de saúde pública. "A gente fez todas as perguntas possíveis aos especialistas, para ter a certeza de que não estaríamos expondo as pessoas a nenhum risco."

Questões de saúde

Claro, em circunstâncias ideias, o melhor seria não ter de fazer xixi no banho para economizar água. O biomédico Roberto Figueiredo, mais conhecido como Dr. Bactéria, prefere separar as duas coisas.

"No meu entendimento, cada local tem a sua função. O chuveiro é um local para tomar banho, e a privada é um local que possui a sua função específica", diz Figueiredo. "Não devemos misturar as coisas, pois o ato de urinar no piso do chuveiro pode acarretar, tendo em vista a possibilidade de um não-enxague adequado, em um crescimento de microrganismos, alguns que poderiam levar a possíveis aparecimentos de doenças de pele -- principalmente porque, no momento do banho, a pele pode estar mais fragilizada."

A temperatura do banho também influencia nisso. Com água mais quente, como a maioria das pessoas costuma tomar seu banho, a pele fica mais exposta.

"Como eu disse, queremos chamar a atenção para o problema, que ocorre porque usamos água tratada para dar descarga", diz Ribeiro. "Claro que o ideal seria que houvesse um sistema nas casas em que a água usada no banho fosse redirecionada para dar a descarga. Mas como convencer as pessoas a fazerem uma reforma em sua casa e quebrarem os encanamentos para fazer algo assim? Estamos usando essa ideia bem-humorada para mostrar a situação."

De todo modo, apesar dos problemas apontados por Figueiredo, os riscos são mínimos. E, para levá-lo a zero, a SOS Mata Atlântica faz recomendações adicionais. "É importante que o xixi aconteça no começo do banho, pois aí toda a água do banho fará o enxague adequado do piso e impedirá qualquer problema", afirma Ribeiro.

"Outra coisa importante é que não estamos recomendando isso para banheiros públicos. Estamos falando das pessoas fazerem isso em sua própria casa, no seu próprio banheiro. É impossível uma pessoa ser contaminada pela sua própria urina", destaca a ambientalista.

A campanha deve culminar com um evento, entre os dias 22 e 24 de maio, na marquise do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, sobre esse e outros temas relacionados à proteção ambiental.
Fonte G1

The Volvo Ocean Race

Jornal O Estado de SP em PDF, Sexta, 08 de Maio de 2009

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, confirmou ontem os primeiros quatro casos de gripe suína no Brasil. São dois de São Paulo, um no Rio e um em Minas. Todos contraíram a doença no exterior - três em viagem ao México e um aos Estados Unidos. Há 15 dias, o México, país mais afetado pela doença, anunciou os primeiros casos e mortes provocados pelo vírus A (H1N1) (mais informações na pág. A18).

Apenas o paciente do Rio está internado. Outros 93 casos suspeitos foram descartados e amostras de mais 15 pacientes estão em análise - os resultados podem sair hoje. Temporão disse que, no momento, não há evidência de circulação do vírus A (H1N1) no País. Não houve registro de transmissão de uma pessoa para outra dentro do Brasil.

Todos os pacientes passam bem, incluindo o internado no Rio. Segundo o Ministério da Saúde, eles são adultos jovens.

Apesar da confirmação dos casos, o ministro reafirmou não haver motivo para que o sistema de vigilância seja alterado. Disse que tudo está sob controle e que a política adotada até o momento mostrou ser eficiente. "O governo brasileiro já vem tomando todas as precauções e medidas necessárias para conter a doença", disse. "Estamos preparados. Fiquem tranquilos, a situação está sob controle", reiterou o ministro.

Desde a semana passada, o ministro vinha afirmando que a confirmação de um caso no País era inevitável. "O importante é que o País está preparado para tudo", disse pela manhã, antes de receber os exames. Ele alertou para que a população não corra às farmácias em busca de antigripais: "Não funcionam no combate à doença e podem impedir a identificação dos sintomas." Também disse ser desnecessário o uso de máscaras.

O ministério adotou, desde o aparecimento de casos suspeitos, o isolamento dos pacientes. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem como localizar quem viajou com os doentes, pois vinha recolhendo guias de declaração de bagagens em voos internacionais.

Formato: PDF
Tamanho: 28 Mb

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta, 07 de Maio de 2009

Sobrou dólar no mercado brasileiro nos últimos dias. A moeda americana desvalorizou-se e o Banco Central (BC) interveio para recolher o excedente. Foi sua primeira ação desse tipo desde setembro, quando a crise financeira atingiu o País e o financiamento em moeda estrangeira secou. Passados sete meses, continuam raras as boas notícias no mercado internacional. A crise bancária continua assombrando o mundo rico e o crédito permanece escasso.

Mas desde o mês passado, no Brasil, o ingresso de moeda estrangeira é maior que a saída. Algo mudou, e a mudança tem proporções incomuns. Não há muito tempo, crise no mercado externo significava falta de dólares no País, ampla depreciação cambial e forte pressão inflacionária.
No mês passado, o Brasil teve um superávit cambial de US$ 1,43 bilhão. Desde outubro, só no mês de fevereiro tinha havido saldo cambial positivo - de US$ 841 milhões. Em abril, o resultado foi garantido pelas operações comerciais, com diferença de US$ 4,92 bilhões entre exportações e importações. Os fluxos financeiros terminaram com saldo negativo de US$ 3,49 bilhões. Mas também as operações financeiras vêm mudando e isso se reflete na participação de capitais estrangeiros na Bolsa de Valores de São Paulo.

A oferta de moeda americana aumentou mais velozmente nos últimos dias, criando instabilidade no mercado cambial. O BC interveio, na segunda-feira, comprando US$ 3,41 bilhões num único leilão. A intervenção foi feita por meio de uma operação conhecida como swap cambial reverso. O banco vendedor da moeda recebe a taxa básica de juros, a Selic. O BC ganha a variação cambial, se o dólar subir. Quem vende a moeda americana tem interesse em vê-la desvalorizada e por isso é difícil prever como estará o jogo dentro de alguns dias ou semanas. A operação interrompeu a depreciação do dólar na segunda-feira, mas as pressões de baixa reapareceram no dia seguinte. Para conter a queda, comprar à vista a moeda americana teria sido mais eficiente, segundo especialistas. Mas o BC negou ser essa a intenção.

Formato: PDF
Tamanho: 32 Mb

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta, 06 de Maio de 2009

Um dia depois de o dólar cair ao menor valor desde novembro de 2008, o Banco Central (BC) surpreendeu analistas de mercado ao voltar a comprar a moeda americana ontem. Em um único leilão, comprou US$ 3,4 bilhões. Essa atuação expressiva revirou o mercado, que operava em queda, mudou de rumo e fechou em alta de 1,03%, a R$ 2,148. O BC não fazia esse tipo de operação desde setembro de 2008, mês do agravamento da crise.

A ação de ontem foi feita com o chamado swap cambial reverso, instrumento financeiro que equivale à compra de dólares no mercado futuro. Esse retorno às compras foi explicado pelo BC como uma decisão provocada por "alterações nas condições de fluxo prevalentes no mercado nas últimas semanas". De fato, indicadores sinalizam a volta dos dólares ao Brasil. Em abril, o comércio exterior, por exemplo, foi responsável pelo ingresso de US$ 3,71 bilhões.

Ao mesmo tempo, mais investidores têm trazido seus recursos para comprar ações e títulos de dívida no País. No mês passado, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registrou entrada de mais de US$ 1,6 bilhão em aplicações de estrangeiros. O ingresso desses dólares eleva a oferta da moeda no Brasil e derruba as cotações. Esse cenário não lembra em nada a fuga de recursos causada pela crise no fim de 2008.

Além da entrada de dólares, também chama a atenção a forte alteração na posição dos investidores no câmbio futuro. Há alguns dias, prevalecia a estratégia de permanecer "comprado" na moeda, na crença de que a cotação do dólar deve subir.

Nos últimos dias, porém, o quadro tem mudado rapidamente, com prevalência da posição "vendida", o que indica a aposta na queda do preço da moeda estrangeira.

Em meio à reviravolta do mercado, a autoridade monetária reafirmou que a ação não cria um piso para as cotações. "O BC reafirma mais uma vez que não trabalha com piso, teto ou qualquer meta para a taxa de câmbio", informou a assessoria de imprensa. "O regime de câmbio no Brasil é flutuante."

O economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, avalia que a atuação mostra que o BC não está distante do mercado e a instituição está atenta à preocupação dos exportadores. "O BC parece ter se sensibilizado de que o câmbio precisa estar acima de R$ 2, numa faixa de R$ 2,15 a R$ 2,20, para garantir resultado adequado aos exportadores", diz o economista, que não descarta o retorno das compras de dólares no mercado à vista.

"Parece que o BC se surpreendeu com a velocidade de queda do dólar. Com essa ação, ele tenta suavizar o movimento", diz o economista-chefe do Banco Schahin, Silvio Campos Neto. Porém, ele discorda da criação de um nível para o dólar. "A experiência mostra que é muito difícil impor alguma cotação."

Formato: PDF
Tamanho: 17.5 Mb

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 07/05/2009


Via Knuttz/Ueba

Cânion de Xingó é a 14ª maravilha do país

Foto: Arquivo Emsetur
Publicada: 07/05/2009 às 15:09:31

JornaldaCidade.Net

Aracaju (7 mai) - A revista Viagem Aqui, de circulação nacional, elegeu os Cânions de Xingó, em Canindé do São Francisco, como a 14ª maravilha natural brasileira num universo de 31 lugares de diversas regiões do país. Na referência ao atrativo, há uma bela imagem do Cânion e um texto destacando suas belezas naturais.

“Essa escolha pode ser entendida como um reconhecimento pelas ações que vêm sendo desenvolvidas tanto pelo governo estadual quanto municipal e pela iniciativa privada”, afirmou a diretora de Turismo da prefeitura de Canindé do São Francisco, Silvia Oliveira, ressaltando que isso reflete no fluxo de turistas que visitam o local e, consequentemente na economia da região.

Dentre as ações implementadas está a completa reestruturação da Rota do Sertão, que será inaugurada no dia 14, ligando a capital ao município de Canindé do São Francisco. A obra suprirá uma demanda antiga de melhoria na malha viária, encurtando o percurso da viagem.

Escolha

Para escolha das 31 maravilhas naturais do Brasil, a Revista Viagem Aqui contou com a participação do Guia Quatro Rodas e de um corpo de jurados composto por especialistas em turismo. “Xingó surpreende pelo tom esverdeado das águas, que contrasta com os paredões de arenito. A visão é inesquecível”, diz um trecho da matéria da revista.

Com informações da ASN
Fonte: Jornal da Cidade

Revista Plástica & Forma | Maio 2009 | Edição Nº 05

Tour virtual aérea em Nova York

Quer saber qual a quantidade de açúcar vários alimentos têm? [em inglês]

Teste de Guard-Rail não sai como planejado

50 ferramentas importantes que todos deveriam ter [em inglês]

SuperInteressante - Ed. 265 - Maio 2009

Cores da natureza, belos Cavalos Marinhos

Revista Veja - Edição n. 2111 - 06 de Maio de 2009

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 06/05/2009

Essa boneca abaixo é a mais nova integrante da minha família. Algiumas vezes vocês vão se deparar com fotos dela. 03 meses de idade e se chama Sunny (minha filha Vanessa foi quem batizou). Estamos amando.

Via Knuttz/Ueba

Aparecimento da Gripe Suína 2009

Vale do Paraíba (O Globo - 26/04/2009)

Revista Prosa & Verso (O Globo - 02/05/2009)

Carro Etc (O Globo - 29/04/2009)

Wannabe Drifter

Revista Isto É Dinheiro - Ed603 - 29 de abril 2009

Boa Chance (O Globo - 03/05/2009)

Revista O Globo - Edição 249 (03/05/2009)