quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 18/11/2009


Via Knuttz/Ueba

Papel de parede do dia - 34

Clique para ampliar

No Litoral

VI edição do "Viver, Ver e Rever" a Evolução Convite

Clique na imagem para ampliar

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta 19 de Novembro de 2009

STF deixa para Lula decisão sobre Battisti:
Extradição de italiano é autorizada, mas palavra final caberá ao Planalto - Está nas mãos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva o destino do ativista italiano Cesare Battisti. Com o aval do Supremo Tribunal Federal (STF), Lula poderá negar-se a entregar Battisti ao governo italiano para que cumpra a pena por quatro assassinatos cometidos na década de 70, quando integrava o movimento Proletários Armados pelo Comunismo (PAC). Pela decisão do STF, Lula pode, se assim quiser, manter o ativista no Brasil. Ao fim de três dias alternados de julgamento, iniciado em setembro, os ministros do Supremo decidiram, por 5 votos a 4, que Battisti pode ser extraditado, pois o status de refugiado político, reconhecido pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, é ilegal. Votaram nesse sentido os ministros Cezar Peluso, relator do caso, Ricardo Lewandowski, Ellen Gracie, Ayres Britto e Gilmar Mendes (presidente da corte). Cármen Lúcia, Eros Grau, Joaquim Barbosa e Marco Aurélio Mello julgaram que o tribunal não poderia anular o refúgio.

Mas pelo mesmo placar, 5 a 4, os ministros afirmaram que nada obriga o presidente da República a seguir essa sentença do STF. Nessa segunda votação, Britto não acompanhou o relator do processo e permitiu uma virada no julgamento. Contrariado com o resultado, Gilmar Mendes disse que o caso, mesmo com os votos da maioria dos ministros e com placar anunciado, não está encerrado. "Há questões jurídicas que ainda não estão resolvidas e voltarão ao tribunal", disse ao fim do julgamento.

Todo o esforço do tribunal para julgar esse caso, revendo sua jurisprudência e deixando de lado centenas de outros processos a serem analisados, pode ser inútil a depender do entendimento de Lula. Basta o presidente dizer que Battisti deve permanecer no Brasil para que os efeitos do julgamento do STF, autorizando a extradição, sejam anulados na prática.

Essa possibilidade gerou protestos entre os ministros vencidos, a começar por Peluso. "Não há nenhuma norma jurídica que atribua um poder discricionário ao presidente da República de deixar de efetivar a extradição por conveniência ou utilidade", afirmou. E continuou para dizer que, se o tribunal concluísse que o presidente da República poderia se recusar a entregar Battisti, a atividade do STF seria inútil. "Pura perda de tempo comparável à gratuidade de uma atividade de brincadeira infantil ."

Formato: PDF
Tamanho: 46 Mb

Vôo 1549

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 18/11/2009


Via Knuttz/Ueba

Responda pesquisas online e ganhe prêmios sem sorteio!






Se você é como eu, que gosta de ganhar prêmios pela internet precisa conhecer o QualiBest.

No QualiBest você participa de pesquisas sobre produtos e serviços brasileiros, vai juntando pontos e troca por prêmios.

Ao se cadastrar você ganha de cara 40 pontos. Em cada pesquisa que você participa, você ganha de 10 a 100 pontos. Quando juntar 250 pontos, você já pode trocar por prêmios bem legais ou por vale compras do Submarino.

CLIQUE AQUI E CADASTRE-SE AGORA MESMO!



Bux.To

Show aéreo Dubai 2009

A planta que fuma

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta 18 de Novembro de 2009

Avança na câmara projeto que muda regras da aposentadoria:
Pressionada por cerca de 200 aposentados, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou ontem, por unanimidade, o relatório do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) favorável ao fim do fator previdenciário como está previsto no projeto de lei do senador Paulo Paim (PT-RS). O embate agora segue para o plenário da Câmara. Os líderes do governo dizem que o assunto só deve entrar na pauta depois da votação dos projetos do pré-sal. E avisam que o fator só pode acabar se houver um mecanismo alternativo que produza efeito parecido: evitar aposentadorias precoces. Mas a briga não deve ser fácil para o governo. Os aposentados já avisaram que não querem nenhuma proposta alternativa e ainda pretendem garantir que todas as aposentadorias sejam reajustadas pelo mesmo índice de correção do salário mínimo. Querem também a vinculação do valor do benefício ao número específico de salários mínimos a que correspondiam na data em que foram concedidos.

O governo, no entanto, vai insistir em projeto substitutivo do deputado Pepe Vargas (PT-RS) para não provocar um rombo ainda maior nas contas da Previdência. Esse projeto institui um novo critério de cálculo das aposentadorias: as pessoas só poderiam se aposentar com benefício integral quando a idade, somada ao tempo de contribuição, resultasse em 95 anos (homens), ou 85 (mulheres).

ACORDO

O polêmico relatório de Faria de Sá só foi levado à votação graças a um acordo entre o parlamentar e governo. O relator retirou do texto artigos relacionados à inconstitucionalidade do projeto substitutivo de Pepe Vargas. Com a manobra, mesmo sabendo que os aposentados não querem negociação, o governo pode insistir na aprovação da proposta de Vargas, que é fruto de um acordo feito com algumas centrais sindicais no mês de agosto.

Além disso, o governo quer que os aposentados abram mão de projetos como o que vincula a concessão da aposentadoria a uma quantidade específica de salários mínimos e o concede a todos os aposentados o mesmo reajuste do salário mínimo. Em troca, o governo está disposto a conceder um aumento de 6% para as aposentadorias com valor acima do mínimo em 2010 e 2011 (o que, de acordo com projeção de inflação, resultaria num aumento real de 2,5% por ano).

Formato: PDF
Tamanho: 29 Mb

Petrobras tem segundo maior lucro trimestral das Américas, aponta pesquisa

Levantamento inclui empresas de capital aberto dos EUA e da Am. Latina.
No terceiro trimestre, estatal só lucrou menos do que a Exxon Mobil.

O lucro da Petrobras, de US$ 4,109 bilhões no terceiro trimestre deste ano, foi o segundo maior registrado entre as empresas de capital aberto (negociadas em bolsa) nas Américas, segundo levantamento da consultoria Economatica. O resultado da estatal brasileira ficou atrás apenas da norte-americana Exxon Mobil, também do setor de petróleo, que lucrou US$ 4,73 bilhões.

No terceiro lugar da lista aparece outra empresa do mesmo setor: a também norte-americana Chevron Texaco, com lucro de US$ 3,831 bilhões de julho a setembro deste ano. Completando a lista das cinco maiores, estão o banco JP Morgan Chase (US$ 3,588 bilhões) e a Microsoft (US$ 3,574 bilhões).

Segunda brasileira do ranking, a Vale teve lucro de US$ 1,689 bilhão, ficando na 22ª colocação entre as empresas das Américas.
Fonte G1

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 17/11/2009


Via Knuttz/Ueba

Poker Faces(Lady Gaga vs. Christopher Walken vs. Cartman)

Red Arrows apresenta primeira mulher piloto

Pista de Motocros - Orla de Aracaju

Neste final de semana passado, aconteceu a quarta etapa do Campeonato Brasil Nordeste de Motocross 2009.
Estive presente somente no sábado e registrei algumas fotos.
Clique na imagem abaixo e confira.

Assistindo a H1N1epiemia de gripe

Jornal O Estado de SP em PDF, Terça 17 de Novembro de 2009

Diretor do Banco Central é substituído por nome do BB:
Mário Torós dá lugar a Aldo Luiz Mendes na área de Política Monetária do BC - O Banco Central (BC) informou ontem à noite que o diretor de Política Monetária, Mário Torós, deixou o cargo. Para seu lugar, o presidente do BC, Henrique Meirelles, indicou Aldo Luiz Mendes, que ocupou, entre 2005 e 2009, a vice-presidência de Finanças, Mercado de Capitais e Relações com Investidores do Banco do Brasil. Atualmente, preside a Companhia de Seguros Aliança do Brasil, subsidiária do BB. Em nota, o BC informou que a mudança ocorreu "a pedido" de Torós e "por motivos pessoais". A intenção dele de deixar a instituição já havia sido declarada internamente há alguns meses. Mas, como informou o Estado no fim de semana, o processo foi acelerado nos últimos dias após Torós ter concedido polêmica entrevista ao jornal Valor Econômico, na qual revelou os bastidores do combate à crise no País.

Normalmente avesso à imprensa, Torós detalhou à publicação a reação do governo brasileiro à crise e divulgou dados sigilosos. Também afirmou que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, contribuiu para a disparada da moeda americana no auge da crise. Segundo Torós, o ministro disse, em uma entrevista, que o Brasil não venderia dólares das reservas. Fontes da Fazenda negam.

Recentemente, outro episódio colocou Mantega e Torós em lados opostos. Preocupado com a forte valorização do real, o ministro queria que o BC intensificasse a política de compra de dólares para as reservas.

Torós argumentava que, em vez de desvalorizar o real, a compra de mais dólares o valorizaria. Isso porque os investidores se sentiriam mais seguros para investir no Brasil por causa de um "colchão" ainda maior.

Embora Torós fosse hierarquicamente inferior a Mantega, tinha voz ativa na administração de reservas porque, dentro do BC, era o responsável por elas.

As declarações de Torós desagradaram ao próprio BC. Houve desconforto porque ele teria divulgado fatos que não poderiam ser levados ao público, como a troca de e-mails com Meirelles.

Formato: PDF
Tamanho: 35 Mb

Caminhão de combustível tombado, vamos liberar a pista…

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 16/11/2009


Via Knuttz/Ueba

Jornal O Estado de SP em PDF, Segunda 16 de Novembro de 2009

Líderes mundiais descartam acordo sobre aquecimento:
Definição de metas obrigatórias de corte de emissões deve ganhar noovo prazo - Líderes políticos da região asiática, dos Estados Unidos e da Europa descartaram ontem a possibilidade de assinar um novo tratado climático internacional em Copenhague, no mês que vem. No linguajar diplomático, fala-se agora em um acordo "politicamente vinculante", em vez de "legalmente vinculante", o que ficaria para uma próxima conferência, em 2010. Na prática, isso significa que as metas obrigatórias de redução de emissões de gases do efeito estufa para a segunda fase do Protocolo de Kyoto seriam definidas só no ano que vem.
"Dado o fator de tempo e a situação de alguns países específicos, deveríamos, nas próximas semanas, focar esforços no que é possível fazer, sem nos deixar distrair por aquilo que não é possível", disse o primeiro-ministro da Dinamarca, Lars Lokke Rasmussen.
Anfitrião do encontro do próximo mês, Rasmussen fez ontem uma viagem não programada a Cingapura, para conversar com os governantes das 21 nações que compõem a Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) - grupo que inclui os Estados Unidos e a China, os dois maiores emissores de gases do efeito estufa.
O possível, segundo Rasmussen, seria um acordo político em Copenhague que estabelecesse diretrizes básicas e um novo prazo para negociação de metas específicas de redução de emissões. O impossível seria fechar essas metas já no mês que vem, antes que o projeto de lei sobre mudança climática dos Estados Unidos possa ser votado no Congresso americano.

"Mesmo que não consigamos definir todos os detalhes de um instrumento legalmente vinculante, eu acredito que um acordo político de caráter obrigatório, com compromissos específicos de mitigação e financiamento, fornecerá bases sólidas para ação imediata nos próximos anos", disse Rasmussen.

Esse documento político, que poderia ter de cinco a oito páginas, criaria mecanismos para o enfrentamento imediato do problema, "antes mesmo que uma nova estrutura legal seja acordada, assinada, ratificada e efetivada", completou o primeiro-ministro dinamarquês.

A opinião dos governantes que se reuniram sábado e domingo em Cingapura foi transmitida pelo vice-conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Mike Froman. "Os líderes avaliaram que seria irrealista esperar um amplo acordo internacional legalmente vinculante entre agora e o início de Copenhagen (no dia 7)", disse o norte-americano, segundo as agências internacionais.

Formato: PDF
Tamanho: 25 Mb

SuperBike Magazine - Dezembro 2009

Papel de parede do dia - 33

Clique para ampliar

No topo do Burj Dubai's

MotoGP Valencia 2009

domingo, 15 de novembro de 2009

Papel de parede do dia - 32

Manifesto Porta na Cara - Flagrante na agência bancária

O Fundo da Linha!



Como se tratava o estrupo em 1833

Veja como era a Lei “nos antigamente” aqui no Brasil.

Sentença judicial datada de 1833 - Provincia de Sergipe.

O adjunto de promotor público, representado contra a cabra Manoel Duda, porque no dia 11 do mês de nossa Senhora Sant’Ana quando a mulher do Xico Bento ia para a fonte, já perto dela, o supracitado cabra estava de uma moita do mato, sahiu della de supetão e fez proposta a dita mulher, por quem queria para coisa que não se pode trazer a lume, e como ella se recuzasse, o dito cabra abrafolou-se dela, deitou-a no chão, deixando as encomendas della de fora e a Deus dará. Elle não consegui matrimonio porque ella gritou e veio em amparo della Nocreto Correia e Noberto Barbosa, que prenderam o cujo flagrante. Dizem as leises que duas testemunhas que assistam a qualquer naufrágio do sucesso faz prova.

CONSIDERO:

Que o cabra Manoel Duda agrediu a mulher de Xico Bento para conxambrar com ela e fazer chumbregâncias, coisas que só marido della competia conxambrar, porque casados pelo regime da Santa Igreja Cathólica Romana;

Que o cabra Manoel Duda é um suplicante deboxado que nunca soube respeitar as famílias de suas vizinhas, tanto que quis também fazer conxambranas com a Quitéria e Clarinha, moças donzellas; QUE Manoel Duda é um sujeito perigoso e que não tiver uma cousa que atenue a perigança dela, amanhan está metendo medo até nos homens.

CONDENO:

O cabra Manoel Duda, pelo malifício que fez à mulher do Xico Bento, a ser CAPADO, capadura que deverá ser feita a MACETA. A execução desta peça deverá ser feita na cadeia desta Villa.

Nomeio carrasco o carcereiro.

Cumpra-se e apregue-se editais nos lugares públicos.

Manoel Fernandes dos Santos
Juiz de Direito da Vila de Porto da Folha Sergipe, 15 de outubro de 1833.

Fonte: Instituto Histórico de Alagoas

Jornal O Estado de SP em PDF, Domingo 15 de Novembro de 2009

Transgênico na safra de milho vai de 19% para 53%:
Alta em apenas um ano surpreende especialistas; produto deve chegar à mesa do brasileiro - Metade do milho brasileiro pode ser transgênico em 2010. Consultoria Céleres estima que uso de sementes geneticamente modificadas ultrapassará 50% já no próximo plantio de inverno; agricultores relatam bons resultados na safra 2008-09
O milho que vai brotar no Brasil em 2010 terá algo de diferente. Especialmente para as lagartas. A expectativa é que mais da metade das plantas já serão geneticamente modificadas, com um gene embutido em seu DNA que as tornará resistentes ao ataque desses insetos. A safra de verão, que está sendo plantada agora, deverá ser 30% transgênica e a próxima, de inverno, 53%, segundo estimativas da consultoria Céleres.Na safra anterior - primeira em que o milho transgênico pôde ser plantado legalmente no Brasil

- a taxa de adoção foi de 19%. "A velocidade com que essa tecnologia está sendo adotada é surpreendente", avalia o economista José Maria da Silveira, professor da Universidade Estadual de Campinas e membro do Conselho de Informações sobre Biotecnologia, ONG ligada ao agronegócio.
"Quem plantou uma vez vai plantar de novo", diz o agricultor João Carlos Werlang, presidente institucional da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho). Ele mesmo conta que plantou 40 hectares com transgênicos na safra passada, "só para experimentar". Este ano, vai plantar 250 hectares - a fazenda inteira. "O rendimento foi muito melhor do que com o milho convencional", afirma Werlang. "E o manejo é muito mais simples. Dá uma tranquilidade danada."

Formato: PDF
Tamanho: 40 Mb

30 anos de proteção às tartarugas

Projeto ambiental conta com 23 bases em nove
estados brasileiros e monitora mais de 18 mil desovas.

Publicada: 15/11/2009
Fotos: Jorge Henrique


O Projeto Tamar completará 30 anos com grandes resultados para comemorar. A cada nova temporada cerca de um milhão de filhotes são protegidos e, até março, o Tamar alcançará a meta de 10 milhões de filhotes de tartarugas soltos no mar. “Atualmente podemos constatar que a população de tartarugas marinhas está se recuperando no Brasil. Esse é o principal resultado do nosso trabalho”, afirma o fundador e coordenador nacional do Tamar, Guy Marcovaldi. O Tamar, patrocinado pela Petrobras há 28 anos, é coordenado pelo ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade em cooperação com a Fundação Pró-Tamar.
Os números mostram o sucesso do projeto e explicam porque o Tamar se tornou reconhecido internacionalmente como uma das mais bem sucedidas experiências de conservação marinha.

No seu primeiro ano de atividade, em 1980, o Tamar acompanhou 55 desovas em 50 quilômetros de praias e ajudou a salvar 2 mil tartarugas. Hoje, 30 anos depois, o Tamar conta com 23 bases em nove Estados brasileiros e monitora anualmente cerca de 18 mil desovas em mais de mil quilômetros do litoral brasileiro.

Além dos resultados já conquistados, o aniversário do projeto é marcante porque 30 anos é a idade em que a tartaruga chega à fase adulta e os filhotes soltos pelo Tamar estão voltando para desovar. “Nós já estamos recebendo as tartarugas que sob os nossos cuidados ficaram adultas e estão voltando”, conta Guy Marcovaldi.

Com a missão de proteger as tartarugas marinhas no Brasil, o Tamar desenvolve atividades de pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas encontradas em águas brasileiras - todas ameaçadas de extinção: cabeçuda (Caretta caretta), de pente (Eretmochelys imbricata), verde (Chelonia mydas), oliva (Lepidochelys olivacea) e de couro (Dermochelys coriacea). O projeto também passou a desenvolver alternativas econômicas sustentáveis e de educação ambiental para as comunidades costeiras. O objetivo é conscientizar as populações locais e reduzir as atividades predatórias de tartarugas marinhas.

A Petrobras acreditou no projeto desde o início e, em 1982, a Companhia tornou-se parceira da iniciativa. Atualmente, o Tamar, junto com os demais projetos de biodiversidade marinha patrocinados, é um símbolo da atuação da Companhia na preservação marinha no Brasil.

”O compromisso com o desenvolvimento sustentável faz parte da missão da Petrobras. Por isso, incorporamos a sustentabilidade no nosso dia a dia, buscando associar a excelência de nossas operações a uma atuação ética e sustentável junto ao meio ambiente e à sociedade”, explica o gerente executivo de Comunicação Institucional da Petrobras, Wilson Santarosa.

Programa Petrobras Ambiental

O Tamar e os demais projetos de biodiversidade marinha, que têm como objetivo principal evitar a extinção de espécies ameaçadas, integram o Programa Petrobras Ambiental.

Com o tema "Água e Clima: contribuições para o desenvolvimento sustentável", o programa
investe em iniciativas que visam à proteção ambiental e à difusão da consciência ecológica. Serão investidos, até 2012, R$ 500 milhões em três ações estratégicas: investimentos em patrocínios a projetos ambientais; fortalecimento de organizações ambientais e de suas redes; e disseminação de informações para o desenvolvimento sustentável.

Desde que foi criado, o Programa Petrobras Ambiental já alcançou dezenas de bacias e ecossistemas em cinco biomas brasileiros. As ações já envolveram diretamente 3,6 milhões de pessoas, além de mais de 820 parcerias estabelecidas, 240 publicações, 2.200 cursos e palestras e mais de 5 mil espécies nativas estudadas. Em 2008, foram investidos R$ 53,8 milhões em patrocínios a projetos ambientais.

Tamar: exemplo de conservação ambiental

O período de desova das tartarugas marinhas ocorre de setembro a março, no continente, e de dezembro a junho, nas ilhas oceânicas. Nas praias de desova, o Tamar realiza patrulhamento noturno para observar o comportamento dos animais durante a desova, registrar dados e medidas dos animais, além de coletar material para posterior análise genética. Os pesquisadores monitoram os ninhos nos próprios locais de postura ou transferem alguns, encontrados em áreas de risco, para locais mais seguros na mesma praia ou para cercados de incubação.

Nas áreas de alimentação, onde a captura acidental por pescarias costeiras é grande, o Tamar registra as tartarugas capturadas incidentalmente e ensina os pescadores a reabilitá-las. Nas ilhas oceânicas, como em Fernando de Noronha e Atol das Rocas, são realizadas ações de captura, marcação e recaptura, através de mergulho livre ou autônomo.

Convênios e parcerias pelo mundo

Além das atividades de conservação dos ecossistemas marinhos, o Tamar se destaca pelo trabalho de pesquisa, aumentando o nível de conhecimento sobre as populações de tartarugas marinhas. O Sitamar – Sistema de Informação sobre Tartarugas Marinhas – é uma importante ferramenta para estudo dos dados contidos no banco nacional sobre as tartarugas marinhas no Brasil.

Por meio de convênios e protocolos de cooperação técnico-científico com universidades brasileiras e estrangeiras, o Tamar realiza programas de estudos prioritários para conhecer melhor o ciclo de vida das tartarugas marinhas. Entre eles destacam-se o monitoramento por satélite das tartarugas e padrões genéticos em áreas de desova (praias) e áreas não reprodutivas (áreas marinhas), além de pesquisa de medidas para diminuir a captura incidental na pesca.

Interação com a pesca

O Programa Interação Tartarugas Marinhas e Pesca foi criado pelo Tamar em 2001 para diminuir a incidência de tartarugas capturadas e mortas pela atividade pesqueira. Entre as ações do programa estão a coleta de informações e a pesquisa sobre as técnicas de pesca com o objetivo de propor alternativas, como a substituição de determinados métodos e equipamentos por outros que diminuam a incidência e mortalidade nas capturas.

Além de realizar cruzeiros de pesquisa, profissionais da área são treinados para monitorar viagens de pesca, registrando os dados sobre a interação entre as tartarugas e a pesca em alto mar. A equipe técnica do projeto instala, em algumas tartarugas capturadas incidentalmente, transmissores de satélite com o objetivo de acompanhar o deslocamento e avaliar a taxa de sobrevivência desses animais após a soltura.

Comunidades aliadas

O trabalho desenvolvido pelo Tamar, em grande parte, tornou-se possível graças ao envolvimento das comunidades costeiras situadas nas áreas onde mantém suas bases. O Projeto conta com cerca de 1.300 colaboradores – a maioria é de moradores dessas comunidades que são atendidas em várias ações de inserção social. Aliado às campanhas educativas de conscientização ambiental, o Tamar promove a busca de alternativas de subsistência não predatórias para os pescadores e suas famílias.

O projeto apoia creches e escolas; oferece possibilidade de trabalho e profissionalização para mulheres e jovens nas confecções dos produtos comercializados pelo Tamar, oficinas produtivas e outras iniciativas. As tradições regionais, o artesanato e a cultura local são valorizados e incentivados.

Centros de visitantes

Nas regiões litorâneas com potencial turístico, o Tamar mantém Centros de Visitantes que funcionam como núcleos de pesquisa e divulgação da vida marinha e de educação ambiental, além de oferecer lazer e serviços. Há também programas de visitas orientadas para escolas do ensino fundamental, médio e universidades. Os Centros de Visitantes têm tanques e aquários; painéis informativos e réplicas de tartaruga marinha em tamanho natural; espaços para exposições, palestras e exibição de vídeos; restaurantes, bares e lojas para venda de produtos Tamar e do artesanato local.

No site da Agência Petrobras de Notícias - www.agenciapetrobrasdenoticias.com.br - também
estão disponíveis fotos do projeto, a entrevista completa com o fundador e coordenador do Tamar, Guy Marcovaldi, e mais informações sobre o Programa Petrobras Ambiental.
Fonte: Jornal da Cidade