sábado, 12 de dezembro de 2009

Jornal O Estado de SP em PDF, Sábado, 12 de Dezembro de 2009

Arruda cria esquema igual ao 'valerioduto':
Produtora da campanha de 2006 recebe dinheiro de contratadas oficiais - O governo do Distrito Federal abasteceu nos últimos três anos, sem licitação, com pelo menos R$ 14,4 milhões, uma produtora que fez programas para o diretório do DEM em Brasília e cuidou da campanha do governador José Roberto Arruda em 2006. A forma de pagamento se assemelha ao esquema conhecido como "valerioduto", no qual empresas-mãe com grandes contratos com o governo repassavam dinheiro a integrantes do grupo político mediante subcontratações.
O dinheiro cai primeiro na conta das empresas contratadas oficialmente para cuidar da publicidade do DF. Depois, é transferido para a AB Produções, do empresário Abdon Bucar. Esse repasse não aparece nas notas de empenho. Surge apenas em ordens bancárias, que chegam a ultrapassar R$ 200 mil por serviço prestado. Arruda é acusado pelo Ministério Público de comandar o "mensalão do DEM", suposto esquema de pagamento de mesadas a políticos aliados e de captação de propina com empresas fornecedoras do governo local.

Num encontro em 2006 com Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais de Arruda, Bucar admite que fez acordo para receber por caixa 2 na campanha. Na conversa, gravada em vídeo por Barbosa, o dono da AB Produções reclama de um contrato não honrado de R$ 750 mil "com o PFL" - nome antigo do DEM - e de R$ 1 milhão que teria caído em sua conta sem explicação. Chega a falar em "esquentar" nota fiscal, expressão usada para "legalizar" dinheiro não declarado.

Meses depois desse encontro, Arruda já era governador. No dia 23 de março de 2007, a AB Produções recebeu R$ 417 mil dos cofres do governo. O dinheiro foi repassado pela RC Comunicação, uma das três empresas que detinham contrato de publicidade. Naquele ano, R$ 3,5 milhões foram transferidos à AB, com a contribuição da Stylus Comunicação e da Branez, segundo levantamento da assessoria do deputado Chico Leite (PT), a pedido do Estado, no sistema de despesas do governo.

Em depoimento à Polícia Federal, Barbosa disse que a AB Produções foi quem alugou a chamada "Casa dos Artistas", o QG da campanha de Arruda em Brasília, onde eram produzidos programas eleitorais. Segundo Barbosa, que confessou o esquema em troca de delação premiada, R$ 12 milhões foram gastos na casa.

Em 2008, no segundo ano da gestão de Arruda, a publicidade do governo passou para as mãos de outras três empresas: AV Comunicação, Agnelo Pacheco e Dupla Criação. A prática de "subcontratar" a AB Produções continuou. Juntas, repassaram R$ 4,5 milhões para a empresa de Abdon Bucar.

Formato: PDF
Tamanho: 43 Mb

TAC - Everybody Hurts

Papel de parede do dia - 40

Clique para ampliar

Mike de Mosqueiro Tcha nana nanana

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 11/12/2009


Via Knuttz/Ueba

Alborghetti - Igreja Universal

United States Air Force: Csar

Revista Viva Mais | 27 de novembro 2009

The Banana Sessions - Prodigy Medley

Papel de parde do dia - 39

Clique para ampliar

SHIT HAPPENS!!

Jornal O Estado de SP em PDF, Sexta, 11 de Dezembro de 2009

STF rejeita recurso do ‘Estado’; censura está mantida:
Por 6 votos a 3, o Supremo arquivou recurso do Estado contra a censura imposta há 133 dias - O Supremo Tribunal Federal (STF), por 6 votos a 3, arquivou ontem a reclamação em que os advogados do Estado pediam o fim da proibição ao jornal de publicar reportagens sobre a Operação Boi Barrica, que investigou o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Com isso, fica mantida a censura imposta no fim de julho pelo desembargador Dácio Vieira, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJ-DF). A mordaça ao Estado, que vai recorrer, já soma 133 dias. A maioria dos ministros - numa decisão que discutiu aspectos técnicos e não o mérito - não concordou com a tese defendida pelos advogados do jornal, de que a censura desrespeita a decisão do próprio Supremo que derrubou a Lei de Imprensa e consagrou o pleno direito à liberdade de expressão. Naquela decisão, tomada em abril deste ano, há referência explícita contra a censura imposta pelos Poderes estatais, como o Judiciário.

"Não há liberdade de imprensa pela metade ou sob as tenazes da censura prévia, inclusive a procedente do Poder Judiciário", diz o texto publicado no Diário da Justiça. A Lei de Imprensa que vigorou até o julgamento de abril era um documento legal do tempo do regime militar (1964-1985).

INTERCEPTAÇÕES

Apesar de ter decidido dessa forma neste ano, ontem a maioria dos ministros do STF afirmou que o resultado do julgamento sobre a Lei de Imprensa não poderia ser aplicado ao caso do Estado. De acordo com a ala do Supremo vencedora no julgamento de ontem, a decisão judicial do TJ-DF de censurar o jornal baseou-se na Constituição e na legislação que trata de interceptações telefônicas. Portanto, não haveria referência à Lei de Imprensa e ao julgamento de abril do STF. Por esse entendimento, não caberia reclamação ao Supremo por suposto desrespeito à decisão da corte.

Formato: PDF
Tamanho: 27 Mb

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Corrida da Lama

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta, 10 de Dezembro de 2009

Após mensalão do DEM, Lula pede rigor contra corrupção:
Presidente quer que crime seja inafiançável, 4 anos depois do mensalão do PT - Quatro anos depois de estourar o escândalo do mensalão petista, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou o "mensalão do DEM", que envolve o governador José Roberto Arruda (DF), para anunciar que vai enviar ao Congresso uma proposta de lei para transformar em hediondos os crimes de corrupção passiva e ativa, peculato e concussão, tornando-os inafiançáveis, se forem praticados por autoridades. O anúncio foi feito em solenidade pelo Dia Internacional Contra a Corrupção, mas o ambiente foi de exploração política do escândalo do Democratas, como já havia acontecido na noite anterior, durante a festa dos 30 anos do PT. O próprio presidente admitiu que, "obviamente", não será uma nova lei que acabará com a corrupção no País. "Tem país que tem pena de morte e assim mesmo as pessoas continuam praticando corrupção", afirmou. Como se estivesse discursando num palanque, sempre usando palavras duras e comparações populares, Lula disse que a proposta é "mais um degrau no combate à safadeza com o dinheiro público".

O presidente admitiu que vai promover o governo levando a proposta, lançada ontem, para a reunião de cúpula do G-20, em março de 2010, como exemplo do que o País vem fazendo para combater a corrupção entre os dirigentes públicos.

Lula fez referência às duas semanas de noticiário sobre o "mensalão do DEM", na capital federal - com vídeos mostrando deputados da base de Arruda carregando dinheiro nos bolsos e em bolsas, em meias e até na cueca. Ele disse que "como Presidente da República (prefere) que saiam manchetes para a gente poder investigar, do que não sair nada e a gente continuar sendo roubado, e não saber o que está acontecendo neste País." No caso do mensalão petista, o presidente sempre se queixou de uma suposta precipitação da mídia em noticiar os casos de corrupção, dizendo que os jornais estavam ajudando a condenar pessoas que podiam ser inocentes.

Formato: PDF
Tamanho: 41 Mb

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 09/12/2009


Via Knuttz/Ueba

Belas fotos do ônibus espacial Atlantis

Revista Viva Mais | 13 de novembro 2009

O melhor de Donald Higgs

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta, 09 de Dezembro de 2009

Chuva paralisa SP e mata seis:
Quatro irmãos de Santana de Parnaíba estão entre os mortos; com a capital intransitável, rotina é alterada e ruas ficam vazias; Prefeitura nega problemas; previsão é de mais chuva hoje - Estado recebeu ontem o prêmio Esso de Reportagem com a série Dos Atos Secretos aos Secretos Atos de José Sarney, dos repórteres Rosa Costa, Leandro Colon e Rodrigo Rangel. Rosa, ao receber o prêmio, criticou a censura sofrida pelo Estado em razão de liminar concedida pelo Tribunal de Justiça do DF, em ação movida por Fernando Sarney, proibindo o jornal de publicar dados sobre a investigação da Polícia Federal acerca dos negócios do empresário, que é filho do senador José Sarney . "Dedico (o prêmio) ao nosso jornal, que está censurado. Espero que isso acabe de uma vez. O mínimo que se pode falar é que é uma indecência". O material do Estado sobre o caso Sarney venceu 1.091 trabalhos inscritos. O Esso de Jornalismo, a mais importante premiação, foi para o Jornal do Commercio, de Recife, com Os Sertões.

A série sobre os atos secretos teve início dia 10 de junho com a manchete Senado acumula mais de 300 atos secretos para criar cargos. O jornal mostrou que esses boletins sigilosos envolvia familiares e aliados de José Sarney (PMDB-AP), entre eles sobrinhos e até o namorado da neta. Na mesma série, o Estado revelou que a Fundação Sarney desviou R$ 500 mil de patrocínio de R$ 1,3 milhão da Petrobrás para empresas fantasmas, de fachada ou da família do senador. A Comissão de Seleção, ao terminar o julgamento que definiu os finalistas, fez uma declaração em que repudia a censura. "A Comissão de Seleção dos trabalhos concorrentes ao Prêmio Esso de Jornalismo de 2009, vem manifestar o seu repúdio, protesto e preocupação com a censura judicial imposta ao jornal O Estado de S. Paulo, por ter este noticiado a trajetória e os negócios do filho do ex-presidente da República e presidente do Senado, José Sarney. Não se trata de reivindicar imunidade nem de considerar a imprensa acima de lei, mas de apontar uma aplicação distorcida dos princípios legais para evitar que a divulgação de fatos em apuração pela Polícia Federal sejam tornados públicos", diz a nota. "Sob os mais diversos argumentos tal prática têm sido usada com frequência para manter privilégios e ocultar métodos pouco claros de gestão do bem público, muitas vezes confundido e tratado como se privado fosse. Tal pressão é ainda muito forte, principalmente, em pequenos jornais, muitas vezes submetidos a processos e sentenças indenizatórias que chegam a inviabilizar a sua existência."

Formato: PDF
Tamanho: 27 MB

O Passageiro

Policiando as favelas no Rio de Janeiro

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Jornal O Estado de SP em PDF, Terça, 08 de Dezembro de 2009

Países ricos vetam recursos a emergentes para o clima:
Crise mudou condições de negociação sobre fundo de ajuda, dizem europeus - Com a União Europeia à frente, governos de países industrializados se recusam a repassar recursos dos fundos de Adaptação e Mitigação aos grandes países emergentes, como o Brasil. A discussão ocorreu ontem, nos bastidores do primeiro dia da 15ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-15), em Copenhague. O mecanismo, estimado pela União Europeia em 100 bilhões por ano no período 2013 a 2020, é o principal meio de financiamento de ações para prevenir e minimizar os efeitos do aquecimento global. Negociadores europeus e sul-americanos ouvidos pelo Estado alertam que, sem o entendimento sobre o repasse de recursos dos fundos, as chances de acordo são reduzidas. Os debates sobre financiamento devem ser os mais complexos da COP-15. Não há consenso nem sobre a administração do fundo nem sobre seu montante total - e muito menos sobre a divisão dos valores, assunto que provoca divergência ainda maior entre os diplomatas europeus.


Para eles, a crise econômica - marcada pelo mau desempenho de países industrializados e pela boa performance dos grandes emergentes como China, Índia e Brasil - alterou as condições de negociação entre Bali, em 2007, e Copenhague, em 2009. "A arquitetura do Protocolo de Kyoto previa fluxos significativos de recursos migrando para China, Índia e Brasil. Hoje, acreditamos que, quanto maiores as necessidades de recursos de um país, mais ele precisa receber", disse ao Estado o negociador da União Europeia, Artur Runge-Metzger, em referência às nações menos desenvolvidas, como as africanas.

O ex-ministro do Meio Ambiente da França e embaixador encarregado das negociações do clima, Brice Lalonde, confirma a posição. "Na Europa, nos perguntamos se os emergentes devem receber recursos do Fundo de Adaptação ou se o mais plausível seria que apenas os países menos desenvolvidos, como os da África, tenham acesso", afirmou. "O mundo mudou após a crise, e o papel dos emergentes não é mais o mesmo."

Formato: PDF
Tamanho: 37 Mb

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Imagens engraçadas/curiosas - 07/12/2009


Via Knuttz/Ueba

Chump and Clump

Guerrilheiros, gorilas e reserva

Jornal O Estado de SP em PDF, Segunda, 07 de Dezembro de 2009

Flamengo é campeão:
O Flamengo sagrou-se campeão brasileiro, após 17 anos de jejum - Mais de 80 mil pessoas nas arquibancadas e cadeiras e outras 20 mil, do lado de fora, já esperavam pelo desfecho da partida mais badalada da última rodada do Brasileiro. Mesmo com a contestação de outros cariocas, não há como negar que a comemoração pelo novo feito do Flamengo no mínimo se assemelha à euforia na cidade quando da decisão do COI de apontar o Rio como sede dos Jogos de 2016.
Buzinaço, foguetório, milhares de produtos com o símbolo do Flamengo por todos os cantos do Rio. Isso tudo e mais alguns excessos traduzem em parte a catarse carioca na noite de 6 de dezembro de 2009. O zagueiro Ronaldo Angelim teve responsabilidade direta na nova conquista (a quinta pelas contas da CBF, a sexta, segundo os flamenguistas, que consideram o título de 1987). Foi dele o gol de cabeça, o da vitória, aos 24 minutos do segundo tempo. Vai entrar na história do Fla com a força de outro ídolo do clube, o ex-zagueiro Rondinelli.

Apesar de muita polêmica, sobre uma possível facilitação do Grêmio, os jogadores escalados pelo técnico Marcelo Rospide deram demonstração de profissionalismo e por pouco não provocaram novo Maracanazo. O Grêmio abriu o placar, com Róberson. Ainda no primeiro tempo, David empatou. O jogo foi equilibrado.

Os dois principais jogadores do campeão, Adriano e Petkovic, aqueles que injetaram ânimo nos torcedores quando o Flamengo chegou a até a ser cotado como provável rebaixado, tiveram atuação apagada, embora não lhes faltasse esforço.

Havia no Maracanã um clima de confraternização entre as torcidas, levado ao extremo no momento em que o Grêmio entrou em campo saudado pelos rubro-negros. Para os gremistas mais fanáticos, uma vitória no Rio significaria o título do Brasileiro para o rival Inter.

Bandeiras com os rostos estilizados de craques do passado tomavam conta da arquibancada. Lá estavam Zico, Nunes, Adílio e um que reconquistou o carinho e a admiração dos flamenguitas. Andrade podia ser visto nas danças coreografadas daqueles panos avermelhados, exaltado por jovens que disputavam o privilégio e a honra de conduzir a bandeira mais aplaudida no estádio.

Formato: PDF
Tamanho: 29 Mb

domingo, 6 de dezembro de 2009

Melício Machado: 70 anos de vida e amor pela Medicina e pela família

Publicada: 06/12/2009
Texto: Osmário Santos / Fotos: Álbum de Família


Melício Machado com seus pais: Melicio e D. Rezendinha e os irmãos: Betinho, Heloisa, Wavá, Diana, Wilsinho, Carmen, Roberto, Lucia, Zelito, Guiomar, Renato, Melício e Nena.

Nasceu na cidade de Aracaju, em 25 de novembro de 1939, onde vive e sempre foi acolhido com
muito carinho. Seus pais: Melício de Souza Machado Filho e Maria Resende Machado. É o nono filho de uma prole de 13 filhos – o primeiro filho faleceu duas horas após o parto. Seu pai era fazendeiro e industrial, a mãe dona de casa e exímia pianista.

Melício Machado e sua mãe Maria Rezende.

A influência que seus pais tiveram sobre a sua formação moral e personalidade foi a melhor que um ser poderia almejar. “Neles vi uma convivência de amor, de luta, de seriedade e acima de tudo de humildade e bondade. Foi nesse clima que cresci e vi amadurecerem em minha alma as sementes que eles plantaram para o futuro”. Desde muito cedo desejou ser médico e este era um dos maiores sonhos do seu pai: ter um filho médico. “Depois de passar por muitos obstáculos, foi chegando o dia da formatura, mas infelizmente, 11 dias antes, ele repentinamente faleceu. Antes deste acontecimento triste, tive a felicidade de comunicar-lhe que a minha esposa estava grávida do nosso primeiro filho e que se fosse homem seria chamado de Melício. Ficou muito contente, pois gostava muito do seu nome”.

Machado e Maria Helena, seu grande amor.

Melício nunca ocupou cargo público. Logo no início da carreira, teve um emprego como médico clínico no Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Sergipe; em seguida, foi obstetra plantonista da Maternidade Francisco Melo, do Hospital de Cirurgia, da Maternidade Hildete Falcão Baptista, da Maternidade Carlos Firpo do Hospital Santa Izabel, da Maternidade de Santa Lúcia e da Maternidade Santa Helena e do Hospital e Maternidade Renascença e nestas duas últimas ainda exerce a função.

Dr. Virgilio e Dr. Melicio operando.

Relembra e homenageia colegas que muito o ajudaram como mestres-professores: Dr. Dalmo M. Mello, Dr. Hugo Gurgel, Dr. Paulo Emílio, Dr. Aristóteles Augusto, Dr. Carlos Melo e Dr. Otávio M. Penalva, com quem teve a grata satisfação de conviver e trabalhar. A eles manifesta respeito e gratidão.

Revela um fato curioso. “E uma das vezes em que Dr. Carlos Melo necessitou viajar, deixou-me o cuidado de atender suas pacientes gestantes na Maternidade Francisco Melo. Nessa ocasião atendi uma senhora, de quem me lembro muito bem, e como agradecimento declinarei seu nome, dona Roselina Pessoa de Melo, que após seu parto, na visita diária, no dia seguinte, ao vê-la, a mesma me disse: ‘Do seu lado tem um senhor vestido de branco e muito bonito e ele está dizendo que é seu pai’. Realmente, de acordo com o que acredito, fiquei muito gratificado e mais ainda quando muitos anos após, entrando na casa da minha mãe, na rua Pacatuba, ela me seguiu para abraçar-me e ao ver na parede um retrato grande do meu pai, disse: ‘Este é o senhor que vi vestido de branco, acompanhando-o naquele dia’”.

Desde cedo ouvia sempre seu pai dizer: “Filhos são cordas do coração”. E um dia casa com sua eterna namorada, Leninha (Maria Helena Vasconcelos Machado). “Daí mais bênçãos maravilhosas, meus filhos Melício, Jorge Augusto, Paulo Henrique e Suzane Helena, que depois foram cuidando do nosso jardim, trazendo aos nossos corações o convívio das filhas e do filho amados, Patrícia, Corina, Aline e Rodolfo Daniel; logo foram chegando outras bênçãos, na ternura dos netos Melício, João Felipe, Camille, Larissa e Vitor. Daí acrescentei as palavras do meu pai: filhos são cordas do coração. Ter filhos e reviver o passado na certeza de que estamos eternizando o futuro. Estas mesmas palavras foram ditas por meu filho Jorge Augusto no dia do batizado de uma de suas filhas e muito me emocionei. Sou muito feliz junto com Leninha e muito grata a Deus, pela existência de todos eles, filhos, noras, genro e netos, todas as pessoas dignas e sérias, exemplos de respeito e bondade para com o próximo. Orgulho-me muito”.

Agradece muito a sua companheira e amiga Leninha, a quem, acima de tudo, deve a educação e orientação dos filhos. “Sempre disse a todos eles que o maior presente que poderia dar a eles era o fato de sua mãe estar junto de vocês por todos os momentos. São meus filhos empresários, donos da Construtora Laredo e da Imobiliária Lares. Minha filha é advogada e trabalha no Tribunal de Justiça. Desejo a vocês o sucesso que vêm tendo e que assim continuem. Deus os proteja!”

Quando do nascimento do quarto filho, a menina com quem sonhou, passa por uma provação muito grande, pois a esposa esteve entre a vida e a morte por 53 dias, na Clínica Santa Helena. “Foi salva pelo carinho e cuidados médicos, que foram muitos, e acima de tudo pelas bênçãos de Deus, da Virgem Santíssima Nossa Senhora da Conceição e de um anjo tutelar, o espírito de Dr. Bezerra de Menezes. Lembro este fato aqui porque quero agradecer a tantos e são realmente muitíssimos, motivo pelo qual não poderei citar todos. Perdoem-me, mas os nomes que citar tenha certeza de que todos estão lavrados no meu coração: Dr. Ronald José, Dr. Joaquim Machado, Dr. Dalmo Mello, Dr. Virgilio, Dr. Nelson Maia, Dr. Hugo Gurgel, Drª Sílvia, Drª Stela Tranquedo, Dr. Sinval, Dr. Rodrigo, Drª. Soninha, enfermeira Zoed, auxiliar de enfermagem Marta, auxiliar de enfermagem Selma, dona Cleide, toda a equipe de enfermagem, dona Lucinha Gurgel, meus irmãos Carmem, Guiomar, Wilson, Renato, Carlos Waldemar, Daniel, João Arcanjo e Manoel Cabral Machado. A todos os anônimos, as igrejas de todos os credos, aos centros espirituais, aos Colégios do Salvador, Faculdade Tiradentes e outros, que faziam vigília e oravam, ao povo todo de Aracaju que fazia fila no pátio e porta da Clínica Santa Helena, para doar sangue.

Também lembro com saudade do senhor Oscar e da dona Helena, pais de Leninha, com quem tive a grata satisfação de conviver. Inclusive foi dona Helena quem muito nos ajudou, ficando com nossos filhos quando da doença dela. Muito obrigado, efetivamente agradecidos, eu e minha família. Este agradecimento público era um desejo meu fazer. Grato pela oportunidade”.

Dedicou sua vida a ajudar muitas crianças a chegarem a este mundo e se sente muito feliz, agradecido a Deus e aos quantos confiaram em suas mãos. “Creio do fundo do meu coração, com todas as forças da minha alma, que valeu a pena. Feliz por ter feito aquilo com que sonhei e pelo carinho, respeito e amor com que sou tratado finalmente com minha família”.

Das lembranças: o filme “Sublime Obsessão”, de Rock Hudson, a história de um médico que dedicou toda a sua vida a servir e que exigia como pagamento do paciente o segredo de não revelar a ninguém o que ele fazia. “Marcou-me muito e gostaria de ter sido assim”.

Da sua querida mãe, Resendinha, pessoa humilde e discreta, que também procurava fazer o bem sem que ninguém soubesse o que ela fez: “Após a morte do meu pai, foram 22 anos que convivi com ela de uma maneira mais amiúde e muitas vezes ficávamos juntos, sem nada dizer, só ouvindo músicas; às vezes ela tocava seu piano e suas notas maravilhosas me elevavam a planos etéreos. Deus a abençoe, minha mãe querida, e muito obrigado. Aos meus filhos também quero dizer publicamente que muito agradeço o carinho e o respeito com que sempre me trataram”.
Fonte: Jornal da Cidade

Revista Model Airplane News [USA] 2009-10

Big Thunder - Rapids Waterpark

Árvore será acesa em 12 dezembro

Publicada: 06/12/2009

A tradicional árvore de Natal da Energisa será acesa no próximo dia 12, na região conhecida como Bico do Pato, na coroa de areia entre os rios Poxim e Sergipe.

De acordo com a Assessoria de Comunicação da empresa, o horário será confirmado somente na próxima segunda-feira, por que necessitam confirmar a tábua de maré e os últimos ajustes.
A mudança de sexta-feira para sábado teve como um dos motivos atender uma solicitação da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), pois o trânsito das pessoas retornando do trabalho e daqueles que estariam indo assistir ao evento tem provocado um grande engarrafamento.

Este ano, a árvore, que possui uma torre de 127 metros (o equivalente a um prédio de 40 andares), terá uma carga instalada de 675 KVA, o que seria suficiente para atender a 2.210 domicílios com consumo médio de 110 kWh durante 30 dias. É um consumo comparado ao de uma cidade do porte de Muribeca.

A Árvore de Natal 2009 apresentará uma estrutura tão grande quanto as anteriores. Ela será
enfeitada com 25.200 lâmpadas incandescentes de 25W e 3.144 estroboscópicas, que piscam aleatoriamente.

(Por Raquel Almeida, do Portal Infonet)
Fonte: jornal da Cidade

Super Interessante - Dezembro 2009 - Ed. n. 272

Jornal O Estado de SP em PDF, Domingo, 06 de Dezembro de 2009

Patrimônio de Arruda cresce 1.060%:
Em sete anos, soma de bens do governador do DF passa de R$ 600 mil para R$ 7 milhões - Acossado por denúncias de corrupção e filmado recebendo dinheiro vivo no escândalo do "mensalão do DEM", o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, tem hoje um patrimônio que, em apenas sete anos, cresceu 1.060%. Nas declarações apresentadas à Justiça Eleitoral, em 2002 e 2006, a soma dos bens do governador não passava de R$ 600 mil. Agora, o patrimônio real da família Arruda, só em imóveis, em Brasília, acumulou um valor de mais de R$ 7 milhões. Antes, o governador declarava R$ 598 mil em bens, que incluíam apenas um imóvel em Brasília. As demais propriedades, um apartamento, uma casa e um lote, ficavam na cidade mineira de Itajubá, sua terra natal. Uma caminhonete, uma linha telefônica e uma conta com R$ 20 mil, no Banco do Brasil, completavam o patrimônio.

Da posse como governador do DF, em 2007, para cá, a maneira como as aquisições foram feitas levanta suspeita - em pelo menos dois casos, os imóveis foram comprados por terceiros e depois transferidos para filhos de Arruda. O hábito de registrar imóveis em nome dos filhos fez com que as declarações de bens apresentadas à Justiça Eleitoral ficassem modestas diante de seu patrimônio real.

A lista inclui aquisições recentes. Uma delas foi feita neste ano, após a gravação dos vídeos que mostram a farta distribuição de dinheiro do "mensalão do DEM". Em 17 de setembro, ele comprou cinco salas em novíssimo prédio comercial com localização nobre em Brasília, em frente ao Banco Central, ao preço de R$ 1,6 milhão. O negócio, registrado em nome do próprio governador, chama a atenção por várias razões.

Quem vendeu as salas foi a Brasal Incorporações e Construções, cujo dono é um correligionário do governador, o deputado federal Osório Adriano (DEM-DF), empresário de sucesso na cidade. De acordo com a escritura, pelas cinco salas, mais seis vagas de garagem, Arruda deu um sinal de R$ 350.000,08 e financiou a diferença direto com a construtora, em 91 prestações, sem juros.

A julgar pelas cifras previstas na escritura, o governador teria de comprometer uma parte considerável de seu salário só para pagar as prestações das salas. São R$ 9.999,98 por mês em prestações, quase dois terços dos R$ 16 mil que Arruda recebe como governador, mais as prestações intermediárias anuais de R$ 49.999,98.

Formato: PDF
Tamanho: 64 Mb

5 anos de Graffity @ Rue de Verneuil

Papel de parede do dia - 38