sábado, 16 de abril de 2011

Folha de São Paulo em PDF, Sabado, 16 de Abril de 2011

Homicídios caem 41%, e SP deixa de ser zona epidêmica:
seu computador - O Estado de São Paulo deixou de ser classificado como zona epidêmica de homicídios dolosos pela primeira vez desde 1996, ano de início da série histórica. A taxa nos últimos 12 meses recuou a 9,9 por 100 mil habitantes _em 1999, chegou a 35,3. A Organização Mundial da Saúde considera tolerável um índice anual de 10 mortes por 100 mil. No Brasil, é de cerca de 25.

Banco Central indica que juros subirão mais

Inflação de emergente preocupa

Polícia do Rio diz que atirador agiu sozinho e encerra caso

Após véu, oração na rua pode ser vetada na França

Ossos permitem recriar fisionomia de inconfidente

CLÓVIS ROSSI:
Nos cem dias de Dilma, diplomacia prioriza economia

JOSÉ SIMÃO: Tucano gosta de pobre só em livro ou em quadro de Portinari

Formato: PDF
Tamanho: 83.5 MB

Jornal O Globo em PDF, Sabado, 16 de Abril de 2011

* Primeiro Caderno. BC avisa que alta dos juros vai durar mais que previsto. Taxa básica deverá subir pela 3ª vez seguida para segurar a inflação.

* Segundo Caderno. Voando no jazz e no hip-hop.
O americano Flying Lotus, de apenas 27 anos, traz um sopro de renovação.

* Esportes. Amor entre rivais. A partir de hoje, Real Madrid e Barcelona iniciam uma série de quatro confrontos nos próximos 18 dias.

* Ela. Moda outono-inverno. Um especial com as tendências da temporada: das roupas com cores fortes às botinhas com salto e cadarço.

* Prosa & Verso. Filósofa americana defende importância das artes e ciências humanas para a sobrevivência da democracia.

* Globinho. Filme conta a história do coelhinho que não quer saber de ovos da Páscoa e sonha ser astro de rock.

Formato: PDF
Tamanho: 26 MB

Jornal O Dia em PDF, Sabado, 16 de Abril de 2011

Filme ‘Rio’ mostra biquinão nas praias da cidade, bem diferente do estilo das cariocas. Rio - Quem for assistir ao filme ‘Rio’ — que já levou 1,1 milhão de pessoas ao cinema desde a sua estreia — passeará por points típicos da cidade, como a praia, templo maior da democracia carioca. Mas qual não é a surpresa — noticiada em primeira mão na coluna ‘Informe do Dia’ — ao nos depararmos com o biquíni das garotas de Ipanema: no lugar da modelagem pequena, que virou marca registrada das nativas, aparece na tela um biquíni enorme, que cobre todo o bumbum. A exigência, que partiu dos produtores estrangeiros da animação, não retrata a realidade das praias, apesar de existirem também as adeptas do modelo retrô. Para a designer Marta Reis, que ficou por 16 anos à frente do estilo da Blue Man, cada praia elege sua preferência. “Na Barra, as mulheres preferem o modelo bem pequenininho, para valorizar o corpão. Na Zona Sul, de um tempo para cá, a modelagem está mais comportada, mas não é nada que se compare com a escolhida pelas americanas. Aqui, mesmo as mulheres mais velhas, não gostam de andar muito tapadas. A carioca quer estar sempre sexy”, opina. Francesa e moradora da Cidade Maravilhosa, a estilista de moda praia Marine Levesque, da marca Quasinu, acredita que mais ou menos pano é uma questão cultural. “Na França, por exemplo, o topless é muito comum e aqui não pegou. E os franceses não gostam de mulheres com bumbum grande, ao contrário dos brasileiros”, analisa ela.

A estilista Eli Alves, da grife Ki-Korpo, surpreendeu-se ao conferir o biquinão do filme. “Com a globalização, o biquíni brasileiro virou identidade em todo o mundo e as europeias chegam a diminuir o tamanho para se igualarem às brasileiras. Já os Estados Unidos não abrem mão da modelagem maior, mas não se incomodam com a transparência, por exemplo, coisa que a brasileira não admite. Notei que no verão que passou o sutiã aumentou, devido ao maior número de mulheres com silicone, mas a calcinha, não. As brasileiras e principalmente as cariocas querem usar calcinhas cavadas”.

A modelo Cássia Picchi, que vestiu um biquíni tal e qual ao que aparece no filme ‘Rio’, feito exclusivamente para esta reportagem pela Ki-Korpo, diz que o modelão não faz exatamente o seu estilo. “Não usaria, deixa uma marca enorme. Eu gosto mesmo é do fio-dental”, resume.

GAROTA DOURADA

Típica garota carioca, que ama as delícias da praia, a assistente de palco do ‘Caldeirão do Huck’ Dany Bananinha posou com dois biquínis de lacinho com estilos bem distintos: o primeiro, da grife Victoria’s Secret, tem calcinha que cobre todo o bumbum; o segundo, da Ki-Korpo, exibe modelagem pequena, tipicamente carioca.

Plural como as areias do Rio, Dany conta que gosta de vestir modelos diferentes: “Uso tops estilo nadador, sutiã tomara que caia, cortininha. Adoro variar os modelos. Sou fã de peças modernas e sofisticadas, que valorizam o corpo”, diz ela, que vê vantagens em ambas as modelagens. “A maior dá conforto e segurança. Já o biquíni pequeno deixa a marquinha menor”, avalia a musa. Dany acredita que o verão 2011 foi marcado por uma onda retrô. “Os modelos mais comportados, que resgatam tendências de décadas passadas, deram graciosidade à moda praia”, opina.

Formato: PDF
Tamanho: 27.7 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Sabado, 16 de Abril de 2011

A menos de uma semana da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, sinalizou que o ciclo de aumento da taxa básica de juros não terminará tão cedo quanto o imaginado pelo mercado. A maioria dos analistas prevê alta de 0,5 ponto porcentual, dos atuais 11,75% para 12,25%. Tombini indicou ainda que o BC e o Ministério da Fazenda já estão se preparando para um período de saída de capitais, motivado pelo aumento dos juros nos EUA e na Europa. “Estamos no meio de um ciclo de aperto monetário. Já subimos os juros em 300 pontos básicos e temos mais trabalho a fazer”, afirmou Tombini em palestra em Washington. O FMI advertiu ontem que o superaquecimento e a inflação ameaçam o Brasil e outros países latino-americanos. (Págs. 1, B1, B2 e Economia)

Governo terá regra especial para licitar obras da Copa
O governo prepara medida provisória para facilitar as licitações e acelerar a conclusão das obras de infraestrutura para a copa de 2014 e os Jogos de 2016. Haverá incentivo para empresas que trabalharem rápido, e os que se sentirem prejudicados com o resultado das licitações só poderão recorrer uma única vez. O regime se aplica só para o Mundial e a Olimpíada. A proposta será votada dentro de um mês. (Págs. 1, C7 e Cidades)

‘Vamos fazer bonito’ – Miriam Belchior (Planejamento) negou que as obras dos aeroportos para a Copa vão atrasar. (Págs. 1, C7 e Nacional)

Homicídios em SP deixam de ser ‘epidemia’
Com 992 assassinatos no ano (média de 9,52), pela primeira vez a taxa de homicídios no Estado de São Paulo registra menos de 10 casos por 100 mil habitantes, nível acima do qual a Organização Mundial de Saúde considera epidemia. A queda foi generalizada no Estado (-18,9%) em comparação com 2010. Houve uma exceção: a região de Piracicaba, com aumento de 89%. (Págs. 1, C1 e Cidades)

Código Florestal pode livrar 95% de ilegais. (Págs. 1, A22 e Vida)

SP vai vender dívidas para adiantar verbas (Págs. 1, C6 e Cidades)

Celso Ming – Estratégia de saída
Alexandre Tombini advertiu que é preciso estar preparado para quando acabar a abundância de recursos que zanza por aí. O Brasil parece estar. (Págs. 1, B2 e Economia)

Formato: PDF
Tamanho: 68 MB

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 15/04/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos

Via Knuttz/Ueba

Fast Bikes - Junho 20111

Link

Jornal O Estado de SP em PDF, Sexta, 15 de Abril de 2011

‘Vitrine’ na eleição, PAC emperra e Dilma só libera 0,25% dos recursos
Construção de unidades de pronto atendimento, implantação de postos de polícia comunitária, entre outras promessas de campanha previstas na 2ª etapa do programa, não saem do papel - BRASÍLIA - Lançado em março de 2010 com discurso da então pré-candidata à presidência Dilma Rousseff, a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC2, desapareceu na burocracia do governo da petista.

Propalada durante a campanha eleitoral, a implantação de centenas de unidades de pronto atendimento (UPAs) não saiu do papel. Na mesma situação, encontram-se também a construção de unidades básicas de saúde e a implantação de postos de polícia comunitária e de espaços integrados de esporte, cultura, lazer e serviços públicos, as chamadas "praças" do PAC.

Entre os gastos autorizados pela lei orçamentária para 2011, há quase R$ 1,3 bilhão destinados a esses projetos, voltados às populações das regiões metropolitanas. Mas, passados os primeiros cem dias de governo Dilma Rousseff, nenhum deles passou pela primeira etapa do processo de gasto público, o chamado empenho.

Levantamento feito pela ONG Contas Abertas a pedido do Estado mostra que, dos R$ 40,1 bilhões de gastos autorizados do PAC para 2011 - o Tesouro não faz distinção entre PAC1 e PAC2 -, valor que inclui as obras da primeira e da segunda versão do programa, apenas 0,25% (R$ 102 milhões) foram pagos até a última terça-feira, de acordo com registros do Siafi (sistema de acompanhamento de gastos da União).

Formato: PDF
Tamanho: 32 MB

Resumo Semanal 14/04/11

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 14/04/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos

Via Knuttz/Ueba

Photografare in Digitale - Abril 2011 | Itália


Hustler - Junho 2011

Hustler - Maio 2011

Jornal O Dia em PDF, Quinta, 14 de Abril de 2011

Vereador dominava 13 comunidades e mantinha 'lista negra'
Deco (PR) foi detido em casa, em Jacarepaguá. Outros dois integrantes do grupo, que teria ameaçado até a atual chefe de Polícia Civil, foram para a cadeia

Rio - Acusado de comandar milícia que domina 13 comunidades nas Zonas Norte e Oeste (em Campinho, Quintino e Jacarepaguá), o vereador Luiz André Ferreira da Silva, o Deco (PR), foi preso ontem em casa, em Jacarepaguá, na Operação Blecaute, da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-IE). Mais dois da cúpula criminosa foram presos. O grupo temido na região por matar inimigos de uma ‘lista negra’, segundo as investigações, não poupou a atual chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, o deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, ex-presidente da CPI das Milícias nem uma vereadora não identificada.

AMEAÇAS A AUTORIDADES

Martha Rocha foi ameaçada em 2008 quando era titular da 28ª DP (Campinho) e investigava a ação dos paramilitares em quatro mortes. Na época, ela recebeu ‘recado’ dos criminosos e chamou Deco e Hélio Albino Filho, Lico ou PM Souza, que está foragido, à delegacia para tomar satisfações. As investigações da Draco-IE com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, do Ministério Público, resultaram no pedido de prisão de 14 integrantes de dois grupos milicianos e 25 mandados de busca e apreensão. Um na Câmara.
Na casa de Lico foram apreendidos R$ 60.819. Na de Deco, dois computadores, CD’s, dois pen-drives, documento e dois facões. Um Mitsubishi Pajero foi apreendido.

>>LEIA MAIS: Vereadores presos já receberam aumento de 61,8%

O procurador-geral de Justiça, Claudio Lopes, e o subprocurador-geral, Antônio José Campos Moreira, denunciaram Deco e 7 integrantes da quadrilha por formação de quadrilha e bando armado. Entre eles, estão a presidente da Associação de Moradores do Mato Alto e Bateau Moche, Maria Ivonete Santana Madureira, a Nenete, e Arilson Barreto das Neves, o Cabeção, presidente da Associação do Conjunto Ipase, que seria armeiro do bando. “O trabalho não terminou”, disse o secretário de Segurança José Mariano Beltrame. Guardas municipais também são suspeitos.

Taxa exigida: 25% da venda de imóveis acima de R$ 50 mil

Nas investigações, os milicianos que controlavam gatonet, venda de gás, taxa de segurança de R$ 30 a R$ 100, mototáxi e fornecimento de água exigiam ainda 25% da venda de terrenos e imóveis negociados por até R$ 50 mil.



As associações de moradores ajudariam a cobrar os valores. Era nas sedes das entidades que as transações imobiliárias também eram fechadas. “É perseguição da polícia. Pode puxar a minha ficha que não tem nada”, disse Deco, que foi paraquedista por oito anos no Exército. O PR, partido do vereador, decidiu que ele vai ser desligado da legenda. De acordo com as investigações, os milicianos exploravam máquinas de caça-níqueis
a casa do vereador, um tríplex no bairro Pechincha, chama a atenção pelo conforto e o aparato de segurança.

Cercas elétricas rodeavam o muro da residência, protegida por modernas câmeras de segurança. Para o Ministério Público, homicídios ocorridos na região eram praticados com facões e cordas. As vítimas seriam amarradas, feridas a faca e baleadas. “O Estado não quebrou o braço econômico desta máfia. Não cumpriu as propostas da CPI. A Câmara tem o dever de cassá-lo”, protestou o deputado Marcelo Freixo, do PSOL.

Formato: PDF
Tamanho: 23.6 MB

Jornal O Globo em PDF, Quinta, 14 de Abril de 2011

* Primeiro Caderno. Atéministros do STF rejeitam horário fixo para os tribunais. Para Marco Aurélio e Lewandowski, medida do CNJ fere a autonomia.

* Segundo Caderno. A filosofia de vida de Domingos Oliveira está na trilogia “Sentimento do mundo”, que chega aos palcos amanhã.

* Esportes. Vasco vence e Botafogo só empata.

* Revista Boa Viagem. Londres mistura música pop com bucolismo em Camden Town, bairro onde mora Amy Winehouse.

Formato: PDF
Tamanho: 27 MB

Sua Casa - Edição 13 (2011-04 & 2011-05)

O mar não está prá peixe...

Crise do Japão: um mês depois

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta, 14 de Abril de 2011

Baixo clero da Câmara atua para evitar cassação de Jaqueline Roriz
Interesse de parlamentares é evitar que caso abra precedentes para futuros julgamentos; questão central de processo contra deputada flagrada recebendo dinheiro do mensalão do DF é se fatos ocorridos antes da posse podem ser considerados.
BRASÍLIA - Deputados do chamado "baixo clero" – centenas de parlamentares que têm pouca expressão política na Casa – e integrantes da bancada feminina desencadearam uma operação nos bastidores para salvar o mandato da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), flagrada num vídeo, revelado pelo estadão.com.br, recebendo dinheiro vivo do esquema de corrupção no Distrito Federal. Numa ação embalada pelo discurso corporativista, o grupo pró-Jaqueline tem dois argumentos debaixo do braço. Se ela for cassada por um ato ocorrido antes de ser eleita deputada federal (o vídeo da propina foi gravado em 2006, quando Jaqueline era deputada distrital no DF), um precedente será aberto para que outros parlamentares sejam punidos por irregularidades do passado. Ou seja, livrar Jaqueline seria salvar a própria pele no futuro. O segundo argumento é o de que a prática de caixa dois de campanha, usada na defesa da deputada para explicar o dinheiro, é algo comum entre os políticos.

A reportagem acompanhou os passos de Jaqueline nos últimos dias e a flagrou em conversas com deputados pedindo apoio e lamentando problemas de saúde. Ainda sem decidir se vai depor no Conselho de Ética, onde sofre um processo de cassação, ela já entrou em ação para salvar o mandato. E, até agora, ouviu o que queria. "Qualquer um de nós está sujeito a um deslize qualquer", disse a deputada Elcione Barbalho

Formato: PDF
Tamanho: 50 MB

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 13/04/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos

Via Knuttz/Ueba

Jornal O Dia em PDF, Quarta, 13 de Abril de 2011

Crianças trocam 'armas' por gibis

Rio - A Campanha do Desarmamento Infantil — promovida pela PM de São Paulo, Instituto Sou da Paz, Guarda Civil Metropolitana e 130 escolas públicas e particulares da zona sul de São Paulo — recebeu 509 armas de brinquedo e 156 DVDs de filmes e jogos violentos, ontem.

Desde segunda-feira, quando começou a campanha, já foram arrecadadas 1.643 armas de brinquedo, entre pistolas, facas e espadas de plástico, além de 2.310 DVDs de conteúdo classificado como violento. Em troca, as crianças ganham panfletos e gibis. O evento termina sexta-feira.

Psicopata mata 12 estudantes em escola municipal

Manhã de 7 de abril de 2011. São 8h20 de mais um dia que parecia tranquilo na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste. Mas o psicopata que bate à porta da sala 4 do segundo andar está prestes a mudar a rotina de estudantes e professores, que festejam os 40 anos do colégio. Wellington Menezes de Oliveira, um ex-aluno de 24 anos, entra dizendo que vai dar palestra. Coloca a bolsa em cima da mesa da professora, saca dois revólveres e dá início a um massacre em escola sem precedentes na História do Brasil. Nos minutos seguintes, a atrocidade deixa 12 adolescentes mortos e 12 feridos.

Transtornado, o assassino atacou alunos de duas turmas do 8º ano (1.801 e 1.802), antiga 7ª série. As cenas de terror só terminam com a chegada de três policiais militares. No momento em que remuniciava dois revólveres pela terceira vez, o assassino é surpreendido por um sargento antes de chegar ao terceiro andar da escola. O tiro de fuzil na barriga obriga Wellington a parar. No fim da subida, ele pega uma de suas armas e atira contra a própria cabeça.

Na escola, a situação é de caos. Enquanto crianças correm — algumas se arrastam, feridas —, moradores chegam para prestar socorro. PMs vasculham o prédio, pois havia a informação da presença de outro atirador. São mais cinco minutos de pânico e apreensão. Em seguida, começa o desespero e o horror das famílias.

A notícia se alastra pelo bairro. Parentes correm para a escola em busca de notícias. O motorista de uma Kombi para em solidariedade. Ele parte rumo ao Hospital Albert Schweitzer, no mesmo bairro, com seis crianças na caçamba, quase todas com tiros na cabeça ou tórax.

Wellington, que arrasou com a vida de tantas famílias, era solitário. Segundo parentes, jamais teve amigos e passava os dias na Internet ou lendo livros sobre religião. Naquela mesma escola, entre 1999 e 2002, período em que lá estudou, foi alvo de ‘brincadeiras’ humilhantes de colegas, que chegaram a jogá-lo na lata de lixo do pátio.

A carta encontrada dentro da bolsa do assassino tenta explicar o inexplicável. Fala em pureza, mostra uma incrível raiva das mulheres — dez dos 12 mortos — e pede para ser enrolado num lençol branco que levou para o prédio do massacre. O menino que não falava com ninguém deixou seu recado marcado com sangue de inocentes estudantes de Realengo.

Formato: PDF
Tamanho: 26 MB

Jornal O Globo em PDF, Quarta, 13 de Abril de 2011

* Primeiro Caderno. China investe no Brasil e acena com vaga na ONU.
Fornecedora da Apple promete aplicar US$ 12 bi e produzir tablets.

* Segundo Caderno. Exposição em Nova York une uma lenda da música, Johnny Cash, e uma da fotografia, Jim Marshall.

* Esportes. Dinheiro que não compra um sonho. Bilhões de Abramovich não evitam nova queda do Chelsea na Europa. Manchester e Barcelona avançam

* Carro Etc. Aventura em baixa velocidade: jovem canadense dá a volta ao mundo em uma Vespa.
Formato: PDF
Tamanho: 16.9 MB

Download | Exame Informática | Abril 2011

Download | Galileu | Abril 2011

Jornal da Tarde em PDF, Quarta, 13 de Abril de 2011

Atirador fala em vídeo sobre massacre no Rio:
Trechos de dois vídeos gravados por Wellington Menezes de Oliveira, supostamente dois dias antes do massacre de quinta-feira em uma escola municipal do Realengo, no Rio, foram divulgados ontem pelo Jornal Nacional, da Globo. Ele fala de maneira vagarosa sobre os motivos que o teriam levado a matar os estudantes.

A mensagem, aparentemente gravada pelo próprio Wellington, foi deixada em dois arquivos de vídeo. Ele aparece sem barba, na frente do que aparenta ser um muro. Local e fisionomia se parecem com o que se vê em um perfil no site Orkut atribuído ao assassino-suicida.

Nos trechos divulgados, ele diz que a ação na escola não se resume a uma vingança pelo que teria sofrido no colégio. “A luta pela qual muitos irmãos no passado morreram e eu morrerei não é exclusivamente pelo que é conhecido como bullying. A nossa luta é contra pessoas cruéis, covardes, que se aproveitam da bondade, da inocência e da fraqueza de pessoas incapazes de se defenderem”, diz.

Na segunda parte, o assassino dá detalhes do planejamento da ação, e diz que tirou a barba para não chamar a atenção. “Os irmãos observaram que eu raspei a barba. Foi necessário, porque eu já estava planejando ir no local para estudar, ver uma forma de infiltração. Eu já tinha ido antes, muitos meses atrás. Eu ainda não usava barba. Eu fui para dar uma analisada.”

O atirador relata que esteve na escola dois dias antes do massacre. “Hoje, é segunda… terça-feira, aliás. Eu fui ontem, segunda. Hoje é terça-feira, dia 5. E essa foi uma tática para não despertar atenção. Apesar de eu ser sozinho, não ter uma família praticamente, eu vivo sozinho, e não tenho pessoas a dar satisfação. Mas como eu precisava ir no local e interagir com pessoas, para não chamar a atenção, eu decidi raspar a barba.”

A Justiça autorizou a quebra do sigilo telefônico do atirador.

Formato: PDF
Tamanho: 96 MB

Folha de São Paulo em PDF, Quarta, 13 de Abril de 2011

Chineses anunciam US$ 12 bilhões para fazer iPad no Brasil:

A taiwanesa Foxconn anunciou em reunião com a presidente Dilma Rousseff que investirá US$ 12 bilhões no Brasil nos próximos cinco anos. A intenção é produzir displays (telas de computador e de tablets), hoje exclusividade da China, do Japão e da Coreia do Sul. Terry Gou, fundador da empresa controladora da Foxconn, disse ainda ter acertado com a Apple a montagem de iPads no Brasil a partir de novembro.

Veja também:

Multa de trânsito não paga deixará 'nome sujo'

Atirador gravou vídeo sobre o massacre que iria cometer

FERNANDO RODRIGUES:
Proposta de repetir plebiscito é irreal e oportunista

Lei proíbe cobrança de acompanhante que assiste a parto

Aeronáutica vigiou políticos de esquerda após ditadura

Aécio diz ser mais otimista que FHC sobre atrair 'povão'

Para a França, Otan não cumpre o seu papel ao atuar na Líbia

Infantis voltam a ser destaque
na programação da TV Cultura

Formato: PDF
Tamanho: 80 MB

Download – Super Interessante – Abril 2011 – Edição 290

Relatório dentro da zona de evacuação do reactor nuclear de Fukushima

Hot Bike - Junho 2011

Ladrão Subaquera! - De novo!!!

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta, 13 de Abril de 2011

China dá passo adiante na defesa do Brasil no Conselho de Segurança da ONU:
PEQUIM - Na visita da presidente Dilma Rousseff à China, o país asiático deu um passo adiante ao tratar da defesa do Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. No comunicado conjunto assinado pelos dois países, a China se posicionou ao lado do Brasil ao assinalar que a representação das nações em desenvolvimento, naquele fórum, é agora uma "prioridade".

"A China atribui alta importância à influência e ao papel que o Brasil, como maior país em desenvolvimento do hemisfério ocidental, tem desempenhado nos assuntos regionais e internacionais, e compreende e apoia a aspiração brasileira de vir a desempenhar papel mais proeminente nas Nações Unidas", diz um trecho do comunicado.

Embora o país de Hu Jintao já tenha, em outras ocasiões, declarado apoio à pretensão brasileira de ocupar um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, na prática tudo ficou na retórica. Motivo: a China, membro permanente, não quer ajudar o Japão, com quem o Brasil se associa nesse projeto, ao lado da Índia e da Alemanha, o grupo do G-4.

Questionada se a China havia adotado tom mais incisivo do que os Estados Unidos, que declarou ter "apreço" pela entrada do Brasil no Conselho de Segurança da ONU, Dilma evitou ser taxativa. "Não acho que dê para fazer uma comparação assim", afirmou.

Formato: PDF
Tamanho: 31.9 MB