quinta-feira, 21 de abril de 2011

Um ano apóes explosão no Deepwater Horizon

Jornal da Tarde em PDF, Quinta, 21 de Abril de 2011

Site falso é a principal arma de golpistas:
O site é muito semelhante ao verdadeiro, funciona como se fosse o original e, portanto, dá a impressão de ser seguro, mas é uma fraude. A página falsa foi a maior ameaça para o computador dos internautas no primeiro trimestre deste ano, representando a metade dos golpes registrados pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil no período. No mesmo período do ano passado, correspondia a 26%. Em segundo lugar, com 45,49% dos casos, ficou o programa “espião” Cavalo de Troia, que no primeiro trimestre de 2010 liderava com 70,16% do total de ataques.

O Cavalo de Troia serve como porta de entrada para que outras pessoas tenham acesso às informações contidas no computador no qual ele se instala, mas perdeu a eficiência, segundo especialistas.

“A página falsa acaba enganando mais pessoas por ser tão parecida com o site original” explica o professor de redes de computadores da faculdade de tecnologia FIAP, Almir Meira Alves.

A principal diferença entre os dois golpes é a maneira como o internauta é ludibriado. “No caso do Cavalo de Troia, a pessoa tem de fazer um download em seu computador para que o vírus se instale e roube informações. Já a página falsa não precisa disso”, afirma Bruno Rossini, gerente de relações públicas da Symantec para a América Latina — empresa especializada em segurança virtual.

O internauta pode acessar uma página falsa de duas formas: por meio de um spam (mensagem eletrônica indesejada) ou pelo “envenenamento da busca”. “Os hackers estão fazendo com que os sites deles tenham mais relevância nos mecanismos de busca, como se fossem uma empresa de marketing. Não é um problema de segurança do provedor. Quando o internauta vai clicar em alguns dos primeiros sites que aparecem no resultado da busca, estes podem ser falsos”, diz Rossini.

Apesar de ser mais conhecido do público, o spam ainda engana muitos usuários, principalmente por causa das fusões bancárias dos últimos tempos. “Duvide de mensagens do tipo: ‘confira as novidades do seu banco ou recadastre seu cartão’”, alerta Alves, da FIAP.

“Um banco nunca vai pedir recadastramento pela internet. Isso é feito pessoalmente. E, para saber das novidades, você pode acessar o site”, completa o professor da FIAP.

Identificar uma página falsa, após uma pesquisa feita com as ferramentas de busca, é mais difícil. A única forma de se ter certeza, segundo Rossini, é prestar muita atenção.

“Nesses casos, o link para o qual o internauta é direcionado não é totalmente igual ao original. Às vezes é uma letra, o sinal @ ou o português errado”, diz o gerente da Symantec.

E como o objetivo das páginas piratas é roubar informações confidenciais, elas simulam sites nos quais os usuários têm de colocar senha, número de RG, CPF, entre outros dados. “A grande maioria simula a página do banco, mas podem ser sites de compras, da Receita Federal ou até redes sociais”, diz Eduardo Godinho, especialista em segurança digital da Trend Micro, desenvolvedora de soluções de segurança digital.

O cadeado que aparece nos endereços eletrônicos também é uma segurança. “Eu diria que é a principal”, diz Alves, da FIAP. A figura pode ficar do lado superior ou inferior da página e tem de estar fechado. “Significa que a conexão do computador com banco, por exemplo, está ocorrendo de forma segura. Uma página clonada não tem cadeado”, explica.

Os antivírus são essenciais. “Há no mercado tipos mais eficientes que monitoram o que vem da internet e protegem o navegador”, diz Rossini.

Formato: PDF
Tamanho: 29.7 MB

Folha de São Paulo em PDF, Quinta, 21 de Abril de 2011

Juro sobe menos que o esperado e vai para 12%:
O Banco Central aumentou pela terceira vez consecutiva a taxa de juros (Selic), que passou de 11,75% para 12% ao ano. Essa é a taxa básica: na prática, os juros cobrados na economia real são bem mais elevados. O mercado trabalhava com a previsão de alta imediata de 0,5 ponto percentual. Para analistas, uma nova elevação de 0,25 ponto ocorrerá até o fim do ano.

Veja também:

Em SP, veículos poluem mais do que as fábricas

A cada dia, uma arma é desviada de fóruns

Indústria terá desconto de 9,7% no gás por três meses

Proibição de beber álcool em estradas não vale nada

Documentarista que foi indicado ao Oscar morre em ataque na Líbia

PASQUALE CIPRO NETO:
Até o rei Roberto já deu tacadas no português

ELIANE CANTANHÊDE:
Oposição teme que PT use Copa para fazer caixa

Com iPhone, lucro da Apple sobe 95% e vai a US$ 6 bilhões

Formato: PDF
Tamanho: 65 MB

Jornal O Globo em PDF, Quinta, 21 de Abril de 2011

* Primeiro Caderno. Juros sobem mais uma vez; inflação, também. BC eleva juros em 0,25 ponto.
Combustíveis pressionam custo de vida.

* Segundo Caderno. A ministra Ana de Hollanda rebate críticas e promete acelerar a reforma da Lei do Direito Autoral.

* Esportes. Flu garante a vaga no campo e no tapa.
Time vence por 4 a 2 com pancadaria no final.
Botafogo é eliminado e Fla empata.

* Revista Boa Viagem. Às margens do Danúbio, Budapeste renova monumentos e gastronomia
sem esquecer o passado.

* Especial. Memórias da Cidade.
Acervo de fotografias da Agência O Globo. Anos 1950 e 1960.

Formato: PDF
Tamanho: 24.5 MB

Jornal O Dia em PDF, Quinta, 21 de Abril de 2011

Milagroso e guerreiro, Fluzão faz 4 a 2 no Argentinos Jrs. e se classifica
Buenos Aires (Argentina) - Heroico e guerreiro, do jeito que a torcida gosta. Assim o Fluminense garantiu ontem a classificação às oitavas de final da Libertadores, ao derrotar o Argentinos Juniors por 4 a 2, no Estádio Diego Maradona. O gol que garantiu a vaga só saiu aos 43 minutos do segundo tempo, com Fred, de pênalti. Além de vencer por dois gols de diferença, o Tricolor ainda contou com o empate 0 a 0 entre Nacional e América do México por 0 a 0, em Montevidéu. Fred ainda marcou mais uma vez, assim como Julio Cesar e Rafael Moura, numa partida que terminou em pancadaria generalizada. O Fluminense terminou o Grupo 3 em segundo lugar e enfrentará o Libertad, do Paraguai, na próxima fase.
Sem Emerson, afastado da delegação momentos antes do jogo, Rafael Moura formou a dupla de ataque ao lado de Fred. E o Fluminense dominou o primeiro tempo.

Aos 16 minutos, o Tricolor por pouco não abriu o placar, quando Fred recebeu de Marquinho e acertou a trave. Logo depois, veio o primeiro gol: Marquinho deu belo passe para Julio Cesar tocar na saída de Navarro e fazer 1 a 0.

Mas o Argentinos Juniors empatou após pênalti de Gum em Salcedo. O próprio atacante bateu e deixou tudo igual.

O Fluminense não se entregou e marcou o segundo aos 40, em cobrança de falta de Fred, que contou com a falha de Navarro. Na sequência, por pouco o Argentinos não empatou de novo, quando Niell, de bicicleta, acertou a trave.

Na volta do intervalo, o time da casa empatou: aos 9, Oberman aproveitou sobra na área após corte errado de Valencia e chutou forte. A bola desviou no próprio colombiano e enganou Berna.

O Fluminense caiu de produção, mas conseguiu ficar na frente aos 23: após cobrança de escanteio, Valencia cabeceou, o goleiro Navarro defendeu e Rafael Moura pegou o rebote para fazer o terceiro.

Fred teve a chance de marcar o quarto, aos 39, mas parou em Navarro. Um minuto depois, acabou o jogo entre Nacional e América, e o Tricolor precisava só de mais um gol para se classificar. E ele veio aos 43, depois que Navarro fez pênalti em Edinho. Fred cobrou e garantiu a heroica vaga nas oitavas de final.

Formato: PDF
Tamanho: 19.4 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta, 21 de Abril de 2011

Dilma atrela diplomacia a direitos humanos:
BRASÍLIA - Em contraste com o tom contemporizador com países violadores dos direitos humanos adotado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente Dilma Rousseff mostrou nesta quarta-feira, 20, que o tema está no centro da política externa brasileira. Apesar das preocupações com as reformas das instituições internacionais, como a Organização das Nações Unidas, ou com a sempre presente necessidade de atrair investimento e tecnologia para o País, Dilma declarou, no primeiro discurso sobre relações internacionais de seu governo, que o tema será promovido e defendido "em todas as instâncias internacionais sem concessões, sem discriminações e sem seletividade".

O discurso foi dirigido a uma plateia de formandos do Instituto Rio Branco e diplomatas, na cerimônia de conclusão de curso da turma de 2010 do instituto. Pela primeira vez, a presidente falou claramente sobre o que considera objetivos da política externa brasileira no seu governo. E afirmou que, apesar de ver a preocupação com os direitos humanos como algo que já existia no governo Lula, o assunto será, "mais ainda agora", uma preocupação do governo brasileiro.

Lula, escolhido paraninfo da turma, mandou um texto de apenas uma página, que foi lido pelo assessor para Assuntos Internacionais do Planalto, Marco Aurélio Garcia. Nele, o ex-presidente louvou as ações do Itamaraty durante seus dois mandatos e definiu como mera "continuidade" de seu governo a gestão Dilma no campo da política externa.

A presidente deixou clara, também, a importância que dá à reforma das Nações Unidas, especialmente ao seu Conselho de Segurança - tema de interesse especial do Brasil, que espera, com essa reforma, obter uma vaga permanente no conselho. "No momento em que debatemos como serão a economia, o clima e a política internacional no século 21, fica patente também que, do ponto de vista da segurança, a ONU também envelheceu", sustentou a presidente.

Formato: PDF
Tamanho: 30 MB

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 20/04/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos

Via Knuttz/Ueba

Feliz Páscoa!!!!

Clique para ampliar

Melhor escapar fedendo que morrer cheiroso...Carreta...

Jornal O Dia em PDF, Quarta, 20 de Abril de 2011

Jesus Cristo é ‘queimado’ em micro-ondas:
Rio - Um Messias negro, morador de uma favela carioca, morto queimado por traficantes. Uma das histórias mais encenadas no planeta, o auto da vida de Jesus Cristo terá versão que promete gerar polêmica nesta Páscoa. O espetáculo ‘Outra Paixão’ adapta passagens do Evangelho para os dias atuais tendo a criminalidade do Rio como pano de fundo. Montagem da Companhia de Teatro Provocação, formada por jovens moradores de comunidades carentes do Rio, a peça será apresentada amanhã, Sexta-feira da Paixão e Sábado de Aleluia, no Ciep João Batista, na Cidade de Deus.

Na sinopse de ‘Outra Paixão’, o protagonista Messias é um jovem que tenta evangelizar dois amigos envolvidos com o tráfico de drogas. Mas acaba traído, acusado de estar diminuindo o lucro da venda de drogas, recuperando usuários. Azul, um policial corrupto que fornece os entorpecentes para os bandidos da comunidade, condena Messias à morte. Em vez de pregá-lo na cruz, Azul o mata no micro-ondas — quando a vítima é queimada viva presa a pilha de pneus. Idealizador do espetáculo, o diretor Adilson Dias, 30, diz que sua intenção é humanizar a história de Cristo. “Dois mil anos de Jesus Cristo santo não deu jeito na humanidade. Precisamos acreditar em um Jesus mais humano, próximo da nossa realidade”, argumenta.

NEGADO AO SOM DE TIROS

Além de Jesus, outros personagens como Maria, Maria Madalena, Pedro e Judas também estão no elenco. “Maria é uma lavadeira, como muitas senhoras de comunidades. Maria Madalena é uma jovem espancada pelo marido. Pedro e Judas, que na montagem atende pelo vulgo Pereba, são os traficantes.

Messias é negado ao som de três tiros, e não do Galo como na Bíblia”, explica Adílson, que recebeu apoio de empresários da Barra da Tijuca para montar o espetáculo.

CUIDADO NOS ENSAIOS

Intérprete do policial que executa Messias, o ator André Carvalho, 30, conta que o teatro impediu que ele entrasse para a criminalidade. “Perdi pai e dois irmãos para o tráfico. Mesmo indiretamente você acaba se envolvendo. As artes me salvaram. Por isso, encenar esse espetáculo é um desafio a mais”, afirma.

Com classificação etária para maiores de 12 anos, a peça usa réplicas de armas e precisou de cuidados na escolha de local de encenação e ensaios. “Foram cinco meses ensaiando. A ideia inicial era usar ruas da comunidade, mas como temos réplicas, achamos mais prudente um lugar fechado”, explica Adilson, que também contou com a colaboração de policiais militares da UPP da Cidade de Deus.

Formato: PDF
Tamanho: 21.8 MB

Jornal O Globo em PDF, Quarta, 20 de Abril de 2011

* Primeiro Caderno. País tem mais 100 empresas notificadas por biopirataria. Companhias das áreas de cosméticos e até alimentos estão na mira do Ibama.

* Segundo Caderno. Um ano depois de sua venda, o acervo de imagens da Bloch Editores tem paradeiro desconhecido.

* Esportes. Da 23 para o 200. Conca é homenageado na escola em que começou a jogar futebol, alcança marca histórica e comanda o Flu contra o Argentinos Juniors em jogo decisivo da Libertadores

* Carro Etc. Salões de Xangai e Nova York fazem lançamentos simultâneos para mercados orientais e ocidentais.

Formato: PDF
Tamanho: 21 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta, 20 de Abril de 2011

Acordo apressa capital externo em aéreas:
BRASÍLIA - Para aumentar a frota brasileira de aviões e até fazer das empresas parceiras nos investimentos da infraestrutura aeroportuária, o Planalto patrocinou um acordo que vai apressar a votação para autorizar o aumento de 20% para 49% do capital estrangeiro nas companhias aéreas. Em vez de insistir na aprovação do projeto de lei que tramita na Câmara desde dezembro de 2009, o governo vai fazer uma emenda na MP 527/2011 que já está no plenário e cria a Secretaria de Aviação Civil.

A emenda é de autoria do deputado Carlos Eduardo Cadoca (PSC-PE) e já foi incluída na tramitação da MP 527, a 15.ª na fila de votação da Câmara. O presidente da Casa, deputado Marco Maia (PT-RS), disse que vai retomar a votação das MPs na volta do feriadão da Semana Santa. A emenda de Cadoca altera o artigo 181 do Código Brasileiro de Aeronáutica, estabelecendo que pelo menos 51% de capital com direito a voto das aéreas estejam em mãos de brasileiros. Hoje esse porcentual é de 80%. A ampliação do capital estrangeiro é vista pelo governo como forma de capitalizar as companhias nacionais. Elas enfrentam uma demanda crescente e precisam aumentar a frota.

Para técnicos do governo, a permissão de 49% de capital estrangeiro será uma mudança de paradigma. Com a capitalização das empresas e ampliação dos investimentos, os serviços aumentarão e crescerá a concorrência, com benefícios ao usuário. A entrada de mais recursos estrangeiros nas empresas aéreas poderá ainda ampliar o número de rotas, atendendo cidades de médio porte que não são atendidas pelo mercado aéreo regional.

Antes da modificação no texto da MP 527permitindo ampliação do capital estrangeiro, os representantes das empresas aéreas foram à Câmara para pedir ao presidente da Casa prioridade para a votação do PL 6.716/09.

O PL tramita junto com outros oito projetos, foi aprovado numa comissão especial, em junho de 2010, como substitutivo do relator, ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, mas não passou dessa fase. O PL trata de outros assuntos. Modifica a legislação do setor aéreo, especialmente em relação aos direitos de passageiros. Hoje, o passageiro precisa enfrentar um atraso mínimo de quatro horas para embarcar em outro voo equivalente ou receber o reembolso integral. Pelo novo texto, já após duas horas de espera o passageiro terá direito a refeições, cartões telefônicos e acesso à internet. E, a partir de três horas, poderá escolher entre: embarcar em outro voo no mesmo dia ou na data mais conveniente; endossar o bilhete a terceiros; ou receber o reembolso integral do valor pago. As opções são as mesmas nos casos de cancelamento de voos ou recusa de embarque por overbooking.

O substitutivo também prevê multas máximas nos casos de desistência do voo pelo passageiro (5% para quem desistir com pelo menos sete dias de antecedência e 10% para os demais casos).

Formato: PDF
Tamanho: 31 MB

Contra calor e umidade, Sonho de Valsa ganha embalagem lacrada

Kraft Foods investiu R$ 15 milhões no novo sistema de fechamento.
Empresa pretende ampliar pontos de venda do bombom no país.

Darlan Alvarenga
Do G1, em São Paulo

O bombom mais vendido no Brasil, o septuagenário Sonho de Valsa vai passar a ser vendido em embalagem lacrada. É a maior mudança já feita no produto desde sua criação em 1938. Com o novo modelo, a fabricante Kraft Foods Brasil acredita que o chocolate ficará mais resistente ao calor e à umidade, o que ajudará na ampliação dos pontos de venda, principalmente nas regiões mais quentes do Brasil.

O visual da embalagem continuará praticamente o mesmo, incluindo a cor rosa e o giro das extremidades do papel. A mudança está no material e no sistema de fechamento selado. Sai a dupla embalagem de alumínio e de película de polipropileno e entra no lugar um invólucro único, de material metalizado.
Nova campanha publicitária do Sonho de Valsa
será lançada no domingo (Foto: Divulgação)

“O material metalizado é semelhante ao utilizado em ovos de páscoa e outros chocolates”, explica Carlos Cortez, gerente de marketing da Kraft Foods Brasil. “A grande mudança está nos benefícios, permitindo conservar a ‘crocância’ do waffer por mais tempo”.

O fechamento selado incluirá também as versões Sonho de Valsa Branco, Sonho de Valsa Trufa e Sonho de Valsa Trufa Preta e Branca.

Segundo a empresa, o sistema patenteado pela Kraft levou dois anos para ser desenvolvido. Somados os valores que serão aplicados em marketing, incluindo com uma nova campanha na TV a partir de domingo, o lançamento da nova embalagem terá um investimento total de cerca de R$ 15 milhões.

A estratégia por trás do investimento é ampliar a distribuição e os pontos de venda do bombom pelo país. O lançamento após a Páscoa visa também tentar prolongar as vendas de chocolate após o período de vendas de ovos. Segundo dados da Nielsen, as vendas de bombons no período de Páscoa chegam a crescer 81% no país.

Segundo Cortez, mais de 70% das vendas de Sonho de Valsa são feitas no pequeno varejo, por comerciantes que compram o produto em pacotes e vendem por unidade. “A nova embalagem mantém a qualidade do bombom por mais tempo o que, sem dúvida, abrirá espaço para que mais donos de pequenos comércios passem a comercializar o produto”, diz.

Por ano, são vendido no país cerca de 600 milhões de Sonhos de Valsa no mercado brasileiro, segundo a Kraft Foods, o que dá uma média de 1.100 unidades por minuto. A marca detém 42,9% do mercado nacional de bombons em volume e é o segundo produto mais vendido da Kraft, atrás apenas do chocolate Bis.

Criado em 1938 pela fabricante brasileira Lacta, a receita do Sonho de Valsa inclui um waffer recheado com massa e pedacinhos de castanha de caju, coberto com duas camadas de chocolate. Em 1996 a Lacta foi comprada pela gigante americana Kraft Foods, que exporta atualmente o bombom para países como Estados Unidos, Uruguai, Paraguai e Venezuela.

Fonte

terça-feira, 19 de abril de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 19/04/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos

Via Knuttz/Ueba

Melhor escapar fedendo que morrer cheiroso...

Folha de São Paulo em PDF, Terça, 19 de Abril de 2011

Lula gastou 70% mais em publicidade que FHC:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) gastou 70% mais em publicidade no último ano de mandato do que seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso, no final de sua gestão, informa Fernando Rodrigues. Em 2010, o governo consumiu R$ 1,629 bilhão em publicidade da administração direta (ministérios) e indireta (autarquias, fundações e empresas estatais).

Veja Também:

Garagem lota e chega a fechar em Congonhas

Agência de risco cogita rebaixar nota dos EUA e derruba Bolsas

Sobe consumo excessivo de álcool no país; tabagismo cai

Governo quer usar verba do PAC sem aval do Congresso

FRANCISCO DAUDT:
Morte de filhos é o ponto máximo na estatística da dor

MÔNICA BERGAMO:
Gustavo Rosa homenageia Dilma em seu 'Abaporu'

Restaurante de Alex Atala é o 7º melhor do mundo

Livro inspirado em "Família Soprano" leva o Pulitzer

Formato: PDF
Tamanho: 74.5 MB

Detonando Ipad 2 com uma espingarda em câmera lenta

Jornal O Dia em PDF, Terça, 19 de Abril de 2011

Alunos voltam a colégio cercados de carinho
Recebidos com abraços e palmas, estudantes retornam à escola onde houve o massacre em Realengo. Frequência do primeiro dia foi pouco superior à metade

Rio - Depois da tragédia, palmas e abraços. Foi assim que foram recebidos ontem os estudantes da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, no primeiro dia de funcionamento do colégio após o massacre. Dos 140 alunos do 9º ano — a única série que retornou —, apenas 74 compareceram. Na readaptação à rotina escolar, eles participaram de atividade recreativa, fora das salas de aula. O clima era de otimismo. Para a direção, o maior desafio será enfrentado hoje, com a volta de todas as turmas, incluindo as atacadas dia 7, quando 12 adolescentes foram assassinados. “Hoje foi o primeiro passo, mas nesta terça teremos que dar atenção especial para sabermos a reação de todos”, afirmou o diretor Luís Marduk, acrescentando que até ontem 23 alunos haviam pedido transferência. “Mas fiz duas matrículas hoje (ontem) e nenhum professor pediu para sair, apesar de haver alguns ainda abalados”.

A secretária municipal de Educação, Cláudia Costin, esteve na unidade e anunciou que será construído na escola posto de primeiro atendimento de emergência. Psicólogos e guardas municipais também ficarão de plantão.
Os estudantes foram recebidos às 13h por 15 alunos da Escola Municipal Nicarágua, situada no mesmo bairro. Além de professores e psicólogos, alguns pais acompanharam a atividade: os jovens fizeram desenhos que serão expostos nas paredes da escola.

Rittele Ponce, 15 anos, estava nervoso: “São muitas lembranças dos amigos que se foram, mas tenho que superar”. A expectativa de encontrar nos amigos apoio para se recuperar do trauma motivou Danilo Hutz, 14. “Os alunos, juntos, vão ajudar a recomeçar”.

Iago Rodrigues Oliveira, 12, disse ainda não ter certeza se conseguirá voltar a estudar na Tasso da Silveira. “Eu me lembro de ver o Wellington (Menezes de Oliveira, assassino) vivo e depois morto. Vejo a cara de mau dele”.
A advogada Luciana Nascimento, 39, mãe de aluna do 6º ano, garantiu o retorno da filha hoje. “Esta escola é muito boa, e vamos superar. Estou me sentindo mal de estar aqui, mas como estou vendo que a escola está com segurança, acredito que tudo será mais fácil”, avaliou ela, que integra comissão de dez responsáveis que têm contato com a direção e Secretaria de Educação.

Colégio ganhará guarda, psicólogo e posto médico

Um psicólogo permanente, guardas municipais na porta, contratação de mais dois inspetores e posto com enfermeiros, atendimento oftalmológico e dentário. As novidades na Tasso da Silveira foram anunciadas ontem pela secretária Cláudia Costin, após reunião com os pais.

“As salas já foram remodeladas e a biblioteca, instalada numa das salas do ataque. Nossa expectativa é retomar as aulas após três semanas de atividades artísticas”, previu ela, que entregou um coelho de pelúcia aos professores. “Fiquei emocionada por todos eles terem ficado na escola”....

Formato: PDF
Tamanho: 20 MB

Jornal O Globo em PDF, Terça, 19 de Abril de 2011

* Primeiro Caderno. Bolsas caem com risco maior dos EUA. Agência põe como ‘negativa’ perspectiva para dívida americana por causa do déficit fiscal.

* Segundo Caderno. A arte fora do eixo Rio-São Paulo. Museus como o Oscar Niemeyer, em Curitiba, e o Mamam, em Recife, exibem coleções de qualidade e ganham prêmios da crítica.

* Esportes. Em busca de bons ares . Fluminense vai à Argentina tentar heroica classificação na Copa Libertadores, repetindo a rotina dos últimos anos, de estar sempre no limite entre duas competições simultâneas.

* Revista Megazine. Minha mãe está no Facebook.
Internautas seguidos pelos pais nas redes sociais falam de uma coexistência pacífica na internet, mas casos de saia-justa são comuns.

* Revista Razão Social. De olho no aquecimento global. A Holanda se prepara e investe em tecnologia, certa que será um dos primeiros países a sofrer com a elevação dos mares.

Formato: PDF
Tamanho: 26 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Terça, 19 de Abril de 2011

Debandada de vereadores do PSDB fragiliza Alckmin e dá força a Kassab:
SÃO PAULO - Cinco vereadores do PSDB de São Paulo anunciaram nesta segunda-feira, 18, a saída do partido. Dois ainda estão em dúvida se tomarão o mesmo caminho. Numa movimentação que fortaleceu o prefeito Gilberto Kassab e agravou a crise dentro do grupo político liderado na capital pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), os tucanos deixaram de ter a maior bancada na Câmara Municipal pela primeira vez desde 2001.

Além de passar das atuais 13 para 8 cadeiras no Legislativo paulistano, o PSDB também assistiu seu principal adversário político na cidade, o PT, a tornar-se a maior bancada: 11 parlamentares. A saída dos tucanos foi marcada por críticas às lideranças do diretório municipal da sigla. Eles se disseram perseguidos por terem apoiado Kassab na eleição municipal de 2008 - Alckmin, sem apoio da bancada tucana à época, não conseguiu nem disputar o segundo turno.

"O PSDB tem hoje um projeto de poder que foge dos princípios que nortearam a fundação do partido", argumentou o presidente da Câmara, José Police Neto. Aos 37 anos e filiado ao PSDB desde os 15, Police Neto deve aderir nos próximos dias ao PSD, o novo partido criado por Kassab. A sigla também deve ser o caminho de pelo menos outros três ex-tucanos com cargos na administração municipal - Juscelino Gadelha, Ricardo Teixeira e Dalton Silvano adiantaram ao prefeito, durante o fim de semana, que devem se filiar à nova sigla.

No anúncio desta segunda, compareceram cinco vereadores. Adolfo Quintas e Souza Santos não puderam ir, segundo Police Neto. Mas o líder do PSDB, vereador Floriano Pesaro, disse ter esperanças de mudar a posição da dupla ausente com o auxílio do governador Geraldo Alckmin, que tem se empenhado na negociação.

Formato: PDF
Tamanho: 26.6 MB

LUBRAX - MITOS SOBRE LUBRIFICAÇÃO

Aqui você pode tirar algumas dúvidas sobre lubrificação automotiva, bem como esclarecer alguns conceitos errados amplamente divulgados, que podem resultar em uma lubrificação deficiente e até mesmo imprópria.

1. Como devo escolher o lubrificante para o meu carro?
Para saber qual é o lubrificante correto para o seu veículo, consulte o “Manual do Proprietário” na parte de manutenção quanto à viscosidade (SAE) e ao desempenho (API) ou ACEA ou então verifique nas tabelas de recomendação disponíveis nos postos de serviço.

2. Qual o nível correto do óleo no carro?
Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, o nível correto se encontra entre os dois traços e não só no traço superior. Se o óleo fica abaixo do mínimo da vareta, o motor pode ser prejudicado por falta de lubrificação. No entanto, se o óleo fica acima do máximo da vareta, haverá aumento de pressão no cárter, podendo ocorrer vazamento e até ruptura de bielas, além do óleo em excesso ser queimado na câmara de combustão sujando as velas e as válvulas, danificando, também, o catalisador no sistema de descarga do veículo.

3. Quando devo completar o nível do óleo?
Com o uso do carro, o nível do óleo baixa um pouco devido às folgas do motor e à queima parcial na câmara de combustão. Assim, enquanto não chega a hora de trocar o óleo, devemos ir completando o nível.

4. Escuto dizer que óleo bom é aquele que não baixa o nível e não precisa de reposição. Isso é verdade?
Não. A boa lubrificação é aquela em que o óleo lubrifica até o anel do pistão mais próximo da câmara de combustão onde esse óleo é parcialmente queimado, sendo consumido.
É normal um consumo de meio litro de óleo a cada mil quilômetros rodados, com carros de passeio, mas cada fabricante de motor especifica um consumo normal para seu motor, de acordo com o projeto. É bom ressaltar que carro novo consome óleo.

5. É verdade que o óleo de motor deve ser claro e o óleo de engrenagem escuro?
Esta opinião é comum, no entanto, ela não é correta. Os óleos lubrificantes são formulados misturando-se básicos e aditivos e a sua cor final dependerá da cor do básico e do aditivo que forem empregados na sua formulação. Além disso, a cor não tem nenhuma influência no desempenho do óleo.

6. O óleo mais escuro é também mais grosso?
Este é outro conceito errado. O óleo mais claro pode ser mais viscoso (grosso) do que um óleo escuro e vice-versa.

7. Por que o óleo de motor fica escuro com o uso?
Para realizar a função de manter o motor limpo, o óleo deve manter em suspensão as impurezas que não ficam retidas no filtro de óleo, para que elas não se depositem no motor. Desta forma, o óleo fica escuro e o motor fica limpo.

8. Quando devo trocar o óleo do carro?
Quando atingir o período de troca recomendado pelo fabricante do veículo e que consta do “Manual do Proprietário”. Os atuais fabricantes dos motores vêm recomendando períodos de troca cada vez maiores, dependendo do tipo de serviço e da manutenção do carro.

9. É verdade que o motor deve estar quente na hora da troca de óleo?
Sim, porque quando o óleo está quente, ele fica mais fino e tem mais facilidade para escorrer.

10. Quanto tempo devo esperar para medir o nível de óleo?
É importante que se espere pelo menos 5 minutos após o motor ter sido desligado para se medir o nível do óleo. Isto porque, neste tempo, o óleo vem descendo das partes mais altas do motor para o cárter e, assim, podemos ter a medida
real do volume de óleo.

11. Posso aumentar o período de troca quando uso óleos sintéticos?
Embora os lubrificantes sintéticos possuam características de qualidade superiores, a maioria dos fabricantes de veículos ainda não diferencia os períodos de troca, caso sejamutilizados óleos sintéticos ou minerais. Recomendamos seguir a indicação do “Manual do Proprietário” para intervalo de troca.

12. O filtro de óleo também deve ser trocado? Quando?
Sim. O óleo, com seus aditivos detergentes/dispersantes, carrega as sujeiras que iriam se depositar no motor. Ao passar pelo filtro, as impurezas maiores ficam retidas e as menores continuam em suspensão no óleo. Chega um momento em que o filtro, carregado de sujeira, dificulta a passagem do óleo podendo causar falhas na lubrificação. A situação se agrava quando ocorre o bloqueio total do filtro de óleo, o que pode causar sérios danos ao motor. O período de troca do filtro de óleo também é recomendado pelo fabricante do veículo e consta do “Manual do Proprietário”. Normalmente, ela é feita a cada troca de óleo. Porém, ainda existem fabricantes que recomendam a troca do filtro a cada duas trocas do óleo.

13. Qual a diferença entre “serviço severo” e “serviço leve”, que são termos usados pelos fabricantes de veículos quando falam em intervalos de troca de óleo?
Serviço severo é típico para os carros que andam nos centros urbanos, com o anda e para do tráfego e por pequenas distâncias, de até 6 km, ou em estradas poeirentas. Serviço leve é aquele em que os carros trafegam por percursos longos e velocidades quase constantes em rodovias pavimentadas, como no caso de viagens.

14. Qual a validade do óleo lubrificante?
A validade do óleo lubrificante é indeterminada, desde que o produto seja armazenado de maneira correta, ou seja, lacrado em sua embalagem, em local seco e evitando exposição ao calor e à luz do sol. A única exceção é quanto aos óleos para motores de 2 tempos (Lubrax Essencial 2T, Lubrax Essencial 2T FC, Lubrax Náutica Gasolina 2T e Lubrax Náutica Syntonia) que têm prazo de validade de dois anos.

15. Um carro antigo também pode usar um óleo de última geração, como por exemplo o Lubrax Essencial SL ou Lubrax Tecno?
Sim. Você pode usar um óleo que possua um nível de desempenho superior ao recomendado pelo fabricante para o seu motor. O inverso é que não é recomendado. No entanto, recomenda-se que, ao colocar esse óleo superior, você realize a troca do filtro de óleo e repita esta operação, em um intervalo menor do que o indicado pelo fabricante. Isto se deve ao fato de que os óleos mais avançados limpam mais o motor e, desta forma, tendem a obstruir o filtro em um período mais curto. Após a realização desse procedimento, você pode voltar a seguir os períodos de troca usuais e garantir uma melhor lubrificação do seu veículo.

16. Devo adicionar algum aditivo ao óleo para melhorar o desempenho do meu motor?
Não há necessidade de adicionar aditivos complementares ao óleo. Os lubrificantes recomendados já possuem todos os aditivos necessários para atenderem perfeitamente ao nível de qualidade exigido.

17. Posso misturar produtos de marcas diferentes?
A princípio, os óleos automotivos existentes no mercado são compatíveis entre si, não apresentando problemas quanto a misturas, desde que se tome o cuidado de misturar produtos de mesmo nível de desempenho API e de mesma faixa de viscosidade SAE. No entanto, a melhor alternativa ainda é evitar essas misturas, sempre que possível, de forma a permitir o melhor desempenho do óleo utilizado.

18. Qual a diferença entre o óleo mineral (base sintética) e sintético? Eles podem ser misturados?
O lubrificante é composto por óleos básicos e aditivos. Sua função no motor é lubrificar, evitar o contato entre as superfícies metálicas e refrigerar, independentemente de ser mineral ou sintético. A diferença está no processo de obtenção dos óleos básicos. Os óleos minerais são obtidos da separação de componentes do petróleo, sendo uma mistura de vários compostos. Os óleos sintéticos são obtidos por reação química, havendo, assim, maior controle em sua fabricação, permitindo a obtenção de vários tipos de cadeia molecular, com diferenças características físico-químicas e, por isso, são produtos mais puros.

Os óleos, semissintéticos ou de base sintética, empregam mistura em proporções variáveis de básicos minerais e sintéticos, buscando reunir as melhores propriedades de cada tipo, associando a otimização de custo, uma vez que as matérias-primas sintéticas possuem custo muito elevado. Não é recomendado misturar óleos minerais com sintéticos, principalmente de empresas diferentes. Seus óleos básicos apresentam naturezas químicas diferentes e a mistura pode comprometer o desempenho de sua aditivação, podendo gerar depósitos. Uma dica interessante se refere à troca de óleo mineral por sintético. É importante trocar o filtro de óleo junto com a primeira carga de sintético e trocar esta carga no período normal de troca do veículo em função da sua utilização.

19. Qual o significado das siglas que vêm nas embalagens de lubrificantes (API, ACEA, JASO, NMMA)? Qual a relação delas com o desempenho dos produtos?
Estas são siglas de entidades internacionais que são responsáveis pela elaboração de uma série de normas (baseadas em testes específicos) para a classificação dos lubrificantes, de acordo com seu uso. Desta forma,o consumidor tem como identificar se o lubrificante atende às exigências de seu equipamento, consultando seu manual. Como exemplo temos:

SAE – Society of Automotive Engineers
É a classificação mais antiga para lubrificantes automotivos, definindo faixas de viscosidade e não levando em conta os requisitos de desempenho. Apresenta uma classificação para óleos de motor e outra específica para óleos de transmissão. Mais informações em “O que significam os números (20W-40, 50, etc.) que aparecem nas embalagens de óleo?”.

API – American Petroleum Institute
Grupo que elaborou, em conjunto com a ASTM (American Society for Testing and Materials), especificações que definem níveis de desempenho que os óleos lubrificantes devem atender. Essas especificações funcionam como um guia para a escolha por parte do consumidor. Para carros de passeio, por exemplo, temos os níveis API SM, SL, SJ, etc. O “S” desta sigla significa Service Station e a outra letra define o desempenho em ordem alfabética crescente.Com a evolução dos motores os óleos sofreram modificações, através da inclusão de aditivos, para atender às exigências dos fabricantes dos motores no que se refere à proteção contra desgaste e corrosão, redução de emissões e formação de depósitos, etc. Atualmente, o nível API SM é o mais avançado. No caso de motores diesel, a classificação é API CJ-4, API CI-4, CH-4, CG-4, CF, etc. O “C” significa Commercial. A API classifica ainda óleos para motores dois tempos e óleos para transmissão e engrenagens.

ACEA – Association des Constructeurs Européens de l’Automobile (antiga CCMC)
Esta classificação europeia associa alguns testes da classificação API, ensaios de motores europeus (Volkswagen, Peugeot, Mercedes Benz, etc.) e ensaios de laboratório.

JASO – Japanese Automobile Standards Organization
Define especificação para a classificação de lubrificantes para motores dois tempos (FA, FB e FC, em ordem crescente de desempenho). Também existe a classificação JASO T903, para avaliar e classificar a adequação de óleos lubrificantes ao sistema de transmissão de uma motocicleta, que se subdivide em JASO MA (MA1/MA2) e MB.

NMMA – National Marine Manufacturers Association
Substituiu o antigo BIA (Boating Industry Association), classificando os óleos para motores náuticos de 2 tempos através da Sigla TC-W3 (Two Cycle Water) e para motores náuticos de 4 tempos a gasolina através da sigla FC-W (Four
Cycle Water)..

20. O que significam os números (15W-40, 50, etc.) que aparecem nas embalagens de óleo?
Estes números que aparecem nas embalagens dos óleos lubrificantes automotivos (30, 40, 15W-40, etc.) correspondem à classificação da SAE (Society of Automotive Engineers), que se baseia na viscosidade dos óleos a 100ºC, apresentando duas escalas: uma de baixa temperatura (de 0W até 25W) e outra de alta temperatura (de 20 a 60). A letra “W” significa “Winter” (inverno, em inglês) e ela faz parte do primeiro número, como complemento para identificação.

Quanto maior o número, maior a viscosidade, para o óleo suportar maiores temperaturas. Graus menores suportam baixas temperaturas sem se solidificar ou prejudicar a bombeabilidade. Um óleo do tipo monograu (como o Lubrax Essencial SF 40) só pode ser classificado em um tipo escala (o Essencial SF 40 apresenta o grau 40). Já um óleo com um índice de viscosidade maior pode ser enquadrado nas duas faixas de temperatura, por apresentar menor variação de viscosidade em virtude da alteração da temperatura. Desta forma, um óleo multigrau SAE 15W-40 se comporta a baixa temperatura como um óleo SAE 15W, reduzindo o desgaste na partida do motor ainda frio, e em alta temperatura se comporta como um óleo SAE 40, tendo uma ampla faixa de utilização. O Lubrax Essencial SF 20W-40, o Lubrax Essencial SL e o Lubrax Sintético são alguns exemplos de óleos multigrau de nossa linha de lubrificantes automotivos. Uma outra especificação muito importante é o nível API (American Petroleum Institute). Quando for usar um óleo em seu carro, consulte o manual e fique atento a estas especificações.

21. A especificação de fluido para freio SAE J 1703 é a mesma que DOT-3?
Não. Ambas atendem a normas americanas e são para freios a tambor e a disco, no entanto, uma foi definida pela entidade SAE e outra pelo Departamento de Transporte da FMVSS. Na prática elas se equivalem, isto é, onde se recomenda uma pode-se usar a outra e vice-versa.

22. Em relação a óleos para caixas de câmbio de automóveis, qual a diferença entre as especificações API GL-4 e GL-5? Existe algum problema em se usar o GL-5 em vez de GL-4?
A especificação API GL-4 designa um serviço de engrenagens hipóides de carros de passageiros e outros equipamentos automotivos, operando sob condições de alta velocidade e baixo torque ou vice-versa. O produto da BR para esta aplicação é o Lubrax TRM-4. Já a especificação API GL-5 é designada também para engrenagens hipóides, operando sob condições de alta velocidade e cargas instantâneas (choque), situação encontrada em caixas de mudanças de caminhões e em eixos traseiros (diferenciais). Os produtos BR para esta aplicação são o Lubrax GL-5 e o Lubrax TRM-5, entre outros.

A utilização de um óleo API GL-5 na transmissão em vez do GL-4 irá gerar problemas de engate e “arranhamento” durante a troca de marchas, comprometendo a vida útil da caixa de mudanças. Este problema é decorrente do maior teor de aditivos dos óleos API GL-5 em relação aos API GL-4, que acabam interferindo negativamente no funcionamento do mecanismo de sincronização das marchas.

23. Qual a diferença entre o Lubrax TRM-5 e o Lubrax GL-5?
Os dois produtos são usados para lubrificação de engrenagens hipóides nas caixas de mudança e diferenciais automotivos, atendendo à especificação API GL-5.Em veículos Volkswagen e Mercedes Benz, recomendamos o uso do Lubrax TRM-5, que é formalmente aprovado nestes fabricantes.

24. Posso colocar graxa de sabão de cálcio em cubos de rodas?
Não, porque esta graxa só pode trabalhar em temperaturas de até 70°C e nos cubos de rodas a temperatura passa de 100°C. A graxa se tornaria líquida e o equipamento sofreria sérios danos.

25. Posso utilizar o óleo para motos Lubrax Essencial 4T em automóveis?
Sim, desde que o fabricante recomende óleo nível de desempenho API SL ou inferior no manual do veículo, pois estes níveis são atendidos pelo Lubrax Essencial 4T.

26. Posso usar o Lubrax Essencial SJ ou Essencial SL na minha moto 4 tempos?
Não. Pois óleos desenvolvidos para motores de veículos a gasolina que não possuem a aditivação particular que um motor de moto requer, podendo comprometer o funcionamento do seu sistema de embreagem, que também é lubrificado pelo óleo do motor. O correto é utilizar um óleo desenvolvido e testado especificamente para motos, como o Essencial 4T, que, além de atender o nível de desempenho JASO MA, é classificado como um óleo API SL.

27. Posso usar óleo para motores diesel, como Lubrax Turbo, Extra Turbo e Top Turbo, em motores a gasolina ou álcool?
Para veículos que requeiram óleo de nível API SL, SJ ou inferior, Lubrax Extra Turbo e o Top Turbo podem ser usados, pois atendem simultaneamente aos níveis API CG-4 / SJ e API CI-4/SL, sendo óleos ideais para uso em frotas mistas (diesel e gasolina). Os outros produtos da linha diesel não têm qualificação para uso em motores a gasolina.

28. Óleos tipo PAO (polialfaolefinas) são
A biodegradabilidade das polialfaolefinas (PAO) é similar a dos óleos básicos minerais. A biodegradabilidade é definida como a velocidade na qual uma substância é reduzida a CO2 e água por bioatividade, sendo o tempo medido em dias. Quando a substância biodegrada 60% em 28 dias, é considerada de biodegradabilidade lenta. Se o percentual é maior que 60% no mesmo período, é considerada rapidamente biodegradável. No caso do PAO, os graus de menor viscosidade apresentam melhor biodegradabilidade que os de maior viscosidade, sendo o PAO 2 considerado de biodegradabilidade rápida e os demais graus de baixa.

29. Quais são as causas da borra em motores?
Os problemas de presença de borra em motores são decorrentes, principalmente, dos seguintes fatores:

a) Uso do óleo lubrificante incorreto no motor – Geralmente quando se utiliza um lubrificante com nível de desempenho inferior ao recomendado pelo fabricante do veículo. Mesmo reduzindo o período de troca, pode haver problemas de formação de borra devido ao envelhecimento (oxidação) precoce do lubrificante.

b) Uso de aditivação extra - Não é recomendado o uso de aditivação suplementar de desempenho em óleos lubrificantes. Os óleos lubrificantes de qualidade (boa procedência) já possuem, de forma balanceada, todos os aditivos para que seja cumprido o nível de desempenho ao qual foi desenvolvido. Não há testes padronizados que avaliem o desempenho de mistura de óleos com aditivos extras. Pode haver incompatibilidade entre o óleo lubrificante e a aditivação suplementar e a borra é uma consequência deste problema.

c) Combustíveis adulterados - O uso de gasolina adulterada pode gerar borra no cárter. O óleo lubrificante é contaminado por subprodutos da queima do combustível durante sua vida útil. Essa contaminação ocorre e faz parte da operação do motor. Mas se o combustível for adulterado, estes subprodutos serão de natureza diferente e resíduos com aspecto de resina poderão se formar no motor, aumentando a probabilidade da formação de borra, entupindo passagens de óleo e prejudicando a lubrificação e refrigeração interna do motor.

d) Extensão do período de troca - Mesmo utilizando o óleo correto e combustível de qualidade assegurada, períodos de troca além do recomendado podem levar à formação de borra, devido ao excesso de contaminação e de oxidação do lubrificante. Nos manuais dos veículos há a informação dos quilômetros recomendados para cada intervalo de troca. É importante diferenciar o tipo de serviço do veículo. Para carros de passeio, valores como 10.000, 15.000 e 20.000 km geralmente fazem referência a serviço leve (uso rodoviário). Mas na maioria dos casos o serviço é severo (uso urbano do tipo anda e para, distâncias curtas) e o período adotado para a troca deve ser a metade (5.000, 7.500 ou 10.000 km, respectivamente). Essa informação nem sempre está clara nos manuais e se não for observada com atenção, problemas de borra podem ocorrer.

30. É verdade que o uso de uma gasolina como a Podium num motor de popa 2T faz com que a proporção da mistura lubrificante x combustível necessite de alteração? Ex: de 50:1 para 60:1 (aumentando a quantidade de combustível).
Esta afirmação não é verdadeira, trata-se mais de um mito. Embora a gasolina Podium tenha excelentes propriedades de desempenho e estabilidade à oxidação, ela não irá substituir as propriedades de lubrificação de um óleo 2 tempos, ou seja, aumentando a proporção para 60:1 ao invés de 50:1(recomendado pelo fabricante), estaremos diminuindo o teor do lubrificante, com menor teor de antidesgaste, dispersante, antiferrugem, anticorrosivo e detergente, correndo o risco de dano ao motor.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 18/04/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos

Via Knuttz/Ueba

Bem vindo à Fontevraud

Folha de São Paulo em PDF, Segunda, 18 de Abril de 2011

PF reduz atuação nas fronteiras:
O corte no orçamento deste ano da Polícia Federal prejudicou a fiscalização nas fronteiras e as ações de combate ao narcotráfico e ao contrabando de armas, num momento em que o país volta a discutir o controle dos armamentos. Houve redução do efetivo desde a Amazônia até o Sul, informam Kátia Brasil e Rodrigo Vargas. Pelo menos um posto fronteiriço foi desativado, e projetos deverão ser adiados.

Veja também:

França barra trem com tunisianos vindo da Itália

Kassab quer antecipar IPTU de imóveis novos

Parado em blitz, Aécio se nega a passar por bafômetro

Japão prevê que crise nuclear vai demorar mais nove meses

Em 2015 Brasil quer enviar sua primeira sonda a asteroide

Veja mitos do efeito do chiclete no organismo e no ambiente

Preço do ovo de Páscoa varia até 110% em São Paulo

ÁLVARO PEREIRA JÚNIOR: Baixei meu 1º livro no iPad só há 2 semanas

Formato: PDF
Tamanho: 77.8 MB

Caminhão poderoso

Rio 2011 - Trailer

Ventilador português

Carpas prateadas Voando no rio Wabash em Indiana

Jornal O Dia em PDF, Segunda, 18 de Abril de 2011

Alô, alô, famílias de Realengo, aquele abraço!
Rio - Conjugar o verbo ‘Recomeçar’ no presente, deixando de lado o passado para construir um novo futuro. A partir de hoje, essa será a mais importante lição na vida dos 1.172 alunos da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, que hoje voltam às aulas. Mas a reabertura da instituição é apenas o começo de um novo tempo. Os sorrisos substituirão as lágrimas. A saudade, embora teime em apertar, reacenderá a esperança. Para homenagear cada estudante, professor, pai e mãe de Realengo, O DIA toma emprestado o gesto cantado na canção ‘Aquele Abraço’, de Gilberto Gil, e dedica esta edição ao bairro — Realengo é citado na música porque o artista ficou preso num quartel do Exército da região.
Dezenas de pessoas posaram para fotos mandando um abraço para Realengo, numa corrente de esperança que lembrou um encontro emocionado que aconteceu no dia 8. Pouco depois da tragédia, Jady Ramos, de 12 anos, deu um abraço apertado no sargento Márcio Alves, herói que evitou que mais mortes acontecessem no dia do massacre. Gilberto Gil, autor do verso ‘Alô, alô, Realengo’, fez questão de participar. “Alô, alô, criançada de Realengo, aquele abraço. Voltem às aulas na paz, com muito axé”, disse o compositor, que mandou mensagem da Europa, onde faz shows.

Filha do compositor, Preta Gil também aderiu e pediu que os alunos busquem os melhores momentos da vida: “Saibam que indo à escola ganharão conhecimento e amadurecimento para correr atrás da felicidade! Alô, Alô, Realengo, aquele abraço!”.

Outra que aderiu foi a apresentadora Adriane Galisteu: “É necessário viver porque a vida é assim, inexplicável”. Para a atriz Cissa Guimarães, que perdeu o filho caçula em um acidente em 2010, a corrente de esperança vai virar o jogo. “Eles vão transformar dor em força”.

O humorista Danilo Gentili, do programa CQC lembra que os meninos e meninas têm uma missão: “O mundo nunca foi um lugar muito legal. Mas talvez vocês possam mudar isso. Não desanimem. Contamos com vocês”.

Entre as mensagens de apoio, muitas aconselham a ter fé

Fé, não importando o credo. Acreditar em Deus para manter viva a esperança. Essa foi a sugestão que muitos fizeram aos estudantes da Escola Municipal Tasso da Silveira. “Que Deus ilumine os corações de todas as crianças e familiares. Desejo paz e força para todos”, diz a atriz Pérola Farias.

O ator Micael Borges, que foi aluno da rede pública, diz que acompanhou o drama dos alunos emocionado. “Vamos acreditar que Deus está olhando pelos familiares e que os anjos estão protegidos ao lado Dele. Muita força e proteção nessa caminhada”.

Para a dançarina Gracy Kelly, a Mulher Maçã, os moradores de Realengo não podem perder a fé nunca. “Só Deus pode consolar, tenho orado muito por eles. Que Deus conforte o coração e que o Espírito Santo traga paz”.

A atriz Sophia Abrahão pede união de todos. “Que tenham força é muita fé neste momento. Unam-se! Vocês vão vencer juntos”.

Formato: PDF
Tamanho: 41 MB

Cat 319D LN subindo no vagão

Jornal O Globo em PDF, Segunda,18 deAbril de 2011

GOVERNO NÃO SEGURA DÓLAR E INFLAÇÃO, MAS REFORÇA CAIXA:
O governo vai contar com um reforço extra de caixa de pelo menos R$ 16,3 bilhões com os aumentos de tributos para conter a queda do dólar e diminuir a inflação. Este valor representa quase 14% dos R$ 117,9 bilhões que a equipe econômica se comprometeu a cortar para pagar os juros da dívida pública, o chamado superávit primário. Só a medida mais recente, que elevou o imposto para operações de crédito de pessoas físicas, deve render R$ 10 bilhões em 2011 aos cofres públicos, segundo cálculos de uma consultoria. Até agora, as medidas não tiveram o efeito esperado: o dólar continua em queda, e a inflação ainda não deu trégua.

Formato: PDF
Tamanho: 15 MB

Digital Camera (2011-02)


Cavalo pulando corda

Conflitos na Costa do Marfim

Jornal O Estado de SP em PDF, Segunda, 18 de Abril de 2011

São Paulo empata com Oeste, mas termina em primeiro no Paulista:
SÃO PAULO - Bastou um empate em 1 a 1 com o Oeste para o São Paulo ficar com a primeira colocação da fase de classificação. Neste domingo, o time tricolor foi beneficiado pela derrota do Palmeiras para a Ponte Preta, assumiu a liderança do estadual nos últimos minutos do turno, e agora vai encarar a Portuguesa nas quartas de final do Campeonato Paulista. Com a melhor campanha, terá somente a vantagem de jogar em casa as quartas de final e uma possível semifinal. A ordem do mando de campo das duas partidas da final será decidido com a soma dos resultados das duas próximas fases.

Se a vitória da Ponte sobre o Palmeiras ajudou o São Paulo, prejudicou o Oeste, que foi ultrapassado pelo time de Campinas e encerrou a fase de classificação em sexto. Na próxima fase, vai enfrentar o Corinthians, com mando do time da capital.

Com a classificação antecipada e o foco no jogo de quarta-feira, contra o Goiás, pela Copa do Brasil, Carpegiani teve a chance de testar opções de seu elenco. A principal descoberta do treinador no primeiro tempo foi Lucas jogando como segundo atacante. Com Rivaldo centralizando o jogo pelo meio e atraindo parte das atenções da marcação, o jovem pôde cair pela direita e infernizar a zaga do Oeste. Só não marcou porque continua pecando nas finalizações.

Wellington também foi muito bem na primeira etapa. O Oeste atacava pouco e o São Paulo tinha mais posse de bola. Assim, Rodrigo Souto, escalado como zagueiro pelo meio, avançava para atuar como primeiro volante. Tal qual fazia na base, Wellington ganhou liberdade para ser um volante que chega na área. E criou duas chances de gol pela esquerda. Em uma, chegou à linha de fundo e cruzou para Rivaldo na cara do gol. A zaga cortou. Noutra, tocou para Cléber Santana acertar a trave no único momento em que o ex-santista apareceu em destaque.Outro jovem que teve chance como titular, Willian José decepcionou. Sempre preso à marcação, não era opção na área e participou pouco do jogo. Recaindo sobre Lucas a função de chutar a gol, o São Paulo não conseguiu balançar as redes no primeiro tempo.

Já o Oeste foi mais efetivo. Só chegou na área do São Paulo uma vez e aproveitou bem esta chance. Aos 39 minutos, Reinaldo recebeu nas costas de Rodrigo Souto, mal posicionado, e bateu de primeira na saída de Rogério Ceni para abrir o placar.

No começo da segunda etapa, o time do interior percebeu que tinha condições de jogar de igual para igual com o São Paulo, principalmente por conta da confusão defensiva dos donos da casa. Logo com 2 minutos, Marino ganhou fácil de Rhodolfo pela direita e bateu cruzado. Rogério Ceni espalmou.

Estreante, jogando como ala direito, Edson Ramos quase complicou a situação do time aos 7 minutos. Em uma dividida com Roger, fez falta dura, digna de expulsão, acertando um chute no joelho do atacante, que pulou para não se machucar. O árbitro considerou apenas este salto e nem falta marcou.

No minuto seguinte, Edson deixou o campo para a entrada de Ilsinho. Marlos também entrou, para substituir um cansado Rivaldo. A formação tática mudou completamente. Rodholfo virou lateral, Rodrigo Souto passou a jogar só como zagueiro, Júnior César recuou, Wellington perdeu liberdade de atacar, mas o time melhorou porque, com a dupla, o time ficou mais rápido e driblador.

Aos 17, Ilsinho tabelou com Cléber Santana pela esquerda, chegou à linha de fundo e rolou para trás, encontrando William. O atacante permitiu a trava da zaga e perdeu ótima chance. Logo deu lugar a Henrique.

Formato: PDF
Tamanho: 25.8 MB

Amateur Photographer - 23 Abril 2011


Iêmen: vários meses de instabilidade e turbulência

domingo, 17 de abril de 2011