quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Jornal O Globo em PDF, Quinta, 22 de Setembro de 2011

Turbulência global - Resistência do Brasil à crise 'não é ilimitada', diz Dilma

Na abertura da Assembleia da ONU, presidente defende união dos países

Ao abrir ontem a Assembleia Geral da ONU, a presidente Dilma Rousseff defendeu a união dos países para enfrentar a crise econômica mundial, alertando para o risco de ela se transformar numa "grave ruptura política e social". "Ou nos unimos todos e saímos, juntos, vencedores, ou sairemos todos derrotados", discursou ela, que foi aplaudida seis vezes. Ao falar sobre o Brasil, Dilma disse que o país tem sido, até agora, menos afetado pela crise mundial. "Mas sabemos que nossa capacidade de resistência não é ilimitada", ressalvou. Ao defender a criação do Estado Palestino, recebeu os mais demorados aplausos. Ela ainda destacou o fato de ser a primeira mulher a abrir a Assembleia da ONU e lembrou que foi torturada na ditadura, defendendo o respeito aos direitos humanos em todos os países. Dilma teve encontros bilaterais com chefes de Estado de cinco países, incluindo França e Reino Unido. (Págs. 1, 3, 4 e Miriam Leitão)

Dólar dispara e FMI vê risco no crédito

Com o agravamento da crise e apostas de fundos estrangeiros no mercado cambial, o dólar subiu 4,25%, a R$ 1,865, maior alta em dois anos, acumulando 17% no mês. O governo admite mudar sua ação no câmbio. Para o FMI, o crédito no Brasil ameaça a economia. (Págs. 1, 25 a 28 e Carlos A. Sardenberg )

Palestinos já cogitam Plano B

Sob pressão de Obama, autoridades palestinas sinalizam que podem buscar caminho mais modesto que a adesão plena na ONU. O presidente Sarkozy, da França, propôs o status de Estado observador e um ano para acordo com Israel. (Págs. 1, 33, 34 e editorial "O perigoso isolamento de Israel")
Royalties: descoberta em SE ajuda RJ

Com a confirmação da primeira descoberta de petróleo em águas ultraprofundas na Bacia de Sergipe-Alagoas, Sergipe pode se tornar grande produtor, aproximando-se do Rio na questão dos royalties. (Págs. 1 e 29)
Câmara rejeita imposto da Saúde

A Câmara derrubou ontem a criação de um novo imposto nos moldes da extinta CPMF para financiar a Saúde ao concluir a votação do projeto que regulamenta a Emenda 29 e fixa regras mais rígidas para gastos no setor por estados e municípios. Apenas o PT recomendou o voto pela criação do imposto. O projeto agora volta ao Senado. (Págs. 1 e 10)

Aprovado aviso prévio de até 90 dias

A Câmara aprovou projeto que amplia o aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, hoje limitado a 30 dias. A cada ano na empresa, o funcionário terá direito a três dias, até o máximo de 60. Somados, irão até 90 dias. A proposta segue à sanção presidencial. (Págs. 1 e 29)
Via crucis em hospitais: Rio exonera dois

A recusa a atender o acidentado de Caxias, que precisou ir a cinco unidades de saúde até ser internado no Rio, custou os cargos do diretor do Hospital estadual Getúlio Vargas e do chefe do plantão do Hospital de Saracuruna. Os dois foram exonerados ontem. (Págs. 1 e 19)

Remédios vencidos são apreendidos em clínica da Zona Sul (Págs. 1 e 21)

Formato: PDF
Tamanho: 27.96 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta, 22 de Setembro de 2011

Dólar tem maior alta diária desde 2008 e vai a R$ 1,84

No mês, valorização atinge quase 16% e preocupa governo; preços de matérias-primas já são pressionados

O dólar teve ontem a maior alta diária desde o auge da crise global, em outubro de 2008. A moeda subiu 2,84%, para R$ 1,845. No mês, acumula valorização de quase 16%. Por causa disso, o Banco Central decidiu não renovar um tipo de contrato de câmbio futuro. Na prática, equivale a vender dólar. É a primeira vez que isso ocorre desde o início de 2009. Em Nova York, o ministro Guido Mantega (Fazenda) descartou adotar medidas para segurar o dólar. Mas o Estado apurou que os fortes ganhos da moeda americana já incomodam o governo, por causa do efeito na inflação. Se o dólar se mantiver nesse nível ou subir mais, a meta de inflação estará ameaçada em 2011 e 2012. A alta da moeda já começa a afetar preços de matérias-primas. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)
Na ONU, Dilma critica ricos por crise

Presidente diz que problema é político e defende trocar 'teorias de mundo velho' por 'fórmulas de um mundo novo'

Em sua primeira participação na Assembléia-Geral da ONU, a presidente Dilma Rousseff fez duras críticas aos países desenvolvidos em razão da crise econômica, informa a enviada especial Lisandra Paraguassú. Após dizer que a turbulência pode causar "grave ruptura política e social", Dilma completou que é preciso "substituir teorias defasadas, de um mundo velho, por novas formulações para um mundo novo". Para ela, o problema não é de recursos financeiros, mas de falta de iniciativa política e de
“clareza de ideias”. Dilma sublinhou também o fato de ser a primeira mulher a abrir a Assembléia-Geral: "Tenho certeza de que este será o século das mulheres". (Págs. 1 e Internacional A12 e A17 a A20)

O discurso da presidente (leia a íntegra na pág. A18)

Brasil no Conselho de Segurança
"Não é possível protelar mais (a reforma do Conselho de Segurança)"

Crise econômica
"(Não há solução) por falta de recursos políticos e de clareza de ideias"

Estado palestino
"Só uma Palestina livre poderá atender aos anseios de Israel por paz"

Palestina: Brasil quer já; EUA pedem diálogo

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse na ONU que um Estado palestino só pode ser criado por meio de negociações com Israel. Já a presidente Dilma Rousseff lamentou que não pudesse saudar o ingresso da Palestina na ONU e afirmou que "o reconhecimento do direito do povo palestino a soberania" amplia as possibilidades de paz. (Págs. 1 e Internacional A12 e A20)
Câmara rejeita cobrança de imposto para custear saúde

A Câmara concluiu ontem a votação da proposta que regulamenta os recursos para a saúde e derrubou a possibilidade de cobrança da Contribuição Social para a Saúde (CSS). O PT foi outro partido a votar a favor da instituição do novo imposto e deixou claro que vai trabalhar pela criação de um tributo para financiar o setor. A posição dos petistas converge com o desejo da presidente Dilma Rousseff de encontrar uma nova fonte de recursos exclusivamente para custear os programas e ações de saúde. (Págs. 1 e Nacional A4)
STF aumenta em 59,2% auxílio-moradia

Os ministros do Supremo Tribunal Federal deram a si mesmos um aumento de 59,19% no auxílio-moradia pago pela Corte. O benefício passa dos atuais R$ 2.750 para R$ 4.377,73. É provável que a decisão seja seguida por outros órgãos do Judiciário. No caso do STF, o auxílio-moradia é concedido a ministros e juízes auxiliares que não têm residência em Brasília. (Págs. 1 e Nacional A10)
Eleita para TCU defende governo

A deputada Ana Arraes (PSB-PE) escolhida ontem para ocupar vaga de ministro do TCU, criticou a paralisação de obras irregulares. (Págs. 1 e Nacional A8)

Machado de Assis branco tira propaganda do ar (Págs. 1 e Economia B19)

Vilas e ruas fechadas não são condomínios, diz STF (Págs. 1 e Cidades C1)

José Serra

O ruim pelo pior

A reforma política está em debate no Congresso. Se o eleitor já entende pouco das regras atuais, a chance de compreender as novas será menor. (Págs. 1 e Espaço Aberto, A2)

Notas & Informações

Cascos duros

Dilma e Lula falaram de corrupção em circunstâncias tão diferentes como os dizeres de cada qual. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 46.79 MB

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Uma viagem pela Nova Zelândia

Jornal O Globo em PDF, Quarta, 21 de Setembro de 2011

Inflação dobra, dólar sobe mais e país crescerá menos

IPCA-15 já acumula 7,33% em 12 meses, o pior resultado em seis anos

A inflação não dá trégua. O custo de vida dos brasileiros medido pelo IPCA-15, que é uma espécie de prévia da taxa oficial, praticamente dobrou em setembro, passando de 0,27% para 0,53%. A maior pressão veio de alimentos, bebidas e passagens aéreas. Em 12 meses, o acumulado do Índice está em 7,33%, o maior em seis anos. Segundo economistas, a alta do dólar ontem, a moeda subiu 0,50%, fechando a R$ 1,789 - também deverá ter impacto nos preços, ajudando a por mais lenha na inflação. Apenas em setembro, o dólar acumula alta de 12,03%. Ontem, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu a previsão do crescimento do Brasil de 4,1% para 3,8% este ano. A expansão deve ser a segunda pior da América do Sul, atrás apenas da Venezuela (2,8%). (Págs. 1, 21 a 23 e Miriam Leitão)

Fundo alerta para recessão

O FMI piorou todas as projeções para a economia mundial em 2011 e 2012. Até a China teve taxa revista. Para os EUA, o FMI cortou a previsão de 2,5% para 1,5% em 2011 e a zona do euro, de 2% para 1,6%. O FMI alerta que pode haver recessão nos países ricos. (Págs. 1, 23 e Miriam Leitão)

Enquanto isso, Turquia em alta

Após rebaixar a Itália, a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) anunciou ter elevado a nota da Turquia, que passou a ser considerada um país com grau de investimento em moeda local, devido a "melhorias continuadas" no setor financeiro. (Págs. 1 e 23)
Dilma: mídia atua contra corrupção

Presidente destaca papel da imprensa ao falar sobre transparência governamental na ONU

Em encontro na ONU sobre transparência governamental, organizado pelo presidente dos EUA, Barack Obama, a presidente Dilma Rousseff disse que a atuação livre e vigilante da imprensa no Brasil é um instrumento no combate à corrupção, ressaltando também os esforços da Procuradoria Geral da República e da Controladoria Geral da União. Dilma não citou recentes casos de irregularidades, que derrubaram quatro de seus ministros, mas reafirmou não compactuar com "erros e malfeitos". A defesa da liberdade de imprensa vai na contramão do PT, que prega controle da mídia. Ao receber homenagem na Bahia, o ex-presidente Lula afirmou que os políticos devem ter "casco duro" para resistir às denúncias de corrupção. Hoje, a presidente Dilma discursa na abertura da Assembleia Geral da ONU. (Págs. 1, 3 e 4)

Sob pressão, Obama tenta hoje em Nova York acordo entre Israel e palestinos (Págs. 1 e 28)
Foto legenda: Pela faxina

Manifestantes protestam na Cinelândia contra a corrupção, num ato que reuniu cerca de 2.500 pessoas, segundo a PM, e 5.000, de acordo com os organizadores. (Págs. 1 e 9)
Sete horas e 80km em busca de um leito

Um rapaz com politraumatismo após cair da laje de sua casa, em Caxias, percorreu 80km de ambulância, ao longo de sete horas, até conseguir ser internado, em estado grave, num hospital com neurologista e tomógrafo. Ele passou antes por 5 unidades de saúde. (Págs. 1 e 18)
Médicos de planos fazem greve hoje

Os médicos que atendem planos de saúde vão suspender hoje, por 24 horas, atendimento aos usuários de 23 operadoras. O objetivo é forçar o aumento do valor pago pela consulta. Os Correios continuam em greve, pelo 6º dia. (Págs. 1 e 22)
'Tropa de elite' é o Brasil no Oscar

Maior bilheteria do cinema brasileiro, com mais de 11 milhões de ingressos, "Tropa de elite 2" disputará a indicação ao Oscar. (Págs. 1 e Segundo Caderno)
Genro de ministro pede para sair

André Bello Costa, genro do novo ministro do Turismo, Gastão Vieira, pediu exoneração do cargo comissionado que exercia na Câmara, nepotismo proibido pela Casa. (Págs. 1 e 4)

Testemunha contra deputado é morta; polícia crê em assalto (Págs. 1 e 10)

PF procura prefeito e primeira-dama por roubo em Alagoas (Págs. 1 e 10)

Formato: PDF
Tamanho: 18.18 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta, 21 de Setembro de 2011

STJ acelerou anulação das provas contra filho de Sarney

Evidências obtidas pela PF foram suspensas em poucos dias; casos semelhantes levaram até dois anos

O processo de anulação das provas da Operação Boi Barrica - que investigou Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney - levou apenas seis dias para ser relatado no Superior Tribunal de Justiça e foi julgado pela 6ª Turma do STJ em uma única sessão. Dois juízes tiveram de ser convocados para completar o quorum e viabilizar o julgamento. A mesma Turma levou dois anos para julgar a processo contra a operação Castelo de Areia - foram oito meses só para relatar o caso. Na Operação Satiagraha, por sua vez, o STJ anulou as provas após 1 ano e 8 meses. Ministros do tribunal levantam dúvidas sobre a celeridade do caso Boi Barrica, concluído semana passada. (Págs. 1 e Nacional A4)

Decisão contrária

Ao anular quebra de sigilo de Fernando Sarney, o STJ desprezou diversos pareceres. (Págs. 1 e Nacional A4)
FMI: previsão de crescimento mundial cai de 4,5% para 4%

O FMI revisou para baixo sua estimativa de crescimento da economia mundial neste ano, de 4,5% para 4,0%. O grupo das economias avançadas deve ter expansão de 1,6%, segundo previsão do Fundo divulgada ontem. O desempenho global só não será pior graças aos mercados emergentes, que devem ter crescimento de 6,4%. O relatório cobrou a adoção de "medidas fortes" para melhorar esse cenário. O FMI projeta ainda que a inflação brasileira estará no centro da meta (4,5%) no fim do ano que vem, o que corrobora a política de corte de juros. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)

O avanço do crack em SP

No centro de SP, menino prepara a pedra de crack; em cidades paulistas entre 50 mil e 100 mil habitantes, o número de usuários da droga já se iguala ao de alcoólatras em unidades de tratamento de dependentes, e 3% têm entre 9 e 15 anos. (Págs. 1 e Cidades C1)
Com Obama, Dilma diz não tolerar desvios

Com o presidente dos EUA, Barack Obama, Dilma Rousseff lançou em Nova York o Governo Aberto, para o acesso à informação pública. Ela destacou instrumentos de combate à corrupção, entre eles a imprensa, e reafirmou que não aceita "o desvio e o malfeito". (Págs. 1 e Nacional A7)
Em Ramallah, palestinos manifestam descrença

Autoridade Palestina montou uma festa em Ramallah (Cisjordânia) para celebrar a adesão à ONU, que deve ser pedida nesta sexta-feira. Mas o clima é de descrença. "Isso não passa de propaganda barata", disse um palestino. (Págs. 1 e Internacional A11)

Na ONU, a busca por mais dois votos

Os palestinos precisam do apoio de mais dois países para obter os nove votos necessários no Conselho de Segurança da ONU para o reconhecimento de seu Estado como membro pleno da organização. Os EUA trabalham contra. (Págs. 1 e Internacional A13)
BNDESpar nega estatização e quer 'democratizar' mercado

O diretor do BNDESpar, braço do BNDES para participações em empresas, Julio Raimundo, nega que o banco esteja contribuindo para "estatizar" a economia. “Um dos nossos objetivos é fomentar e democratizar o mercado de capitais”, diz Raimundo em entrevista ao Estado. (Págs. 1 e Economia B14)

Código Florestal ameaça áreas em topo de morros (Págs. 1 e Vida A16)

Preso usa celular para atualizar Facebook (Págs. 1 e Cidades C4)

Notas & Informações

O nó das escolhas políticas

Escolhas políticas, tudo bem. Mas por que não de gente honesta e competente? (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 33.75 MB

Vlog do Fernando

Oktoberfest 2011

Época – Edição 696 19 Setembro 2011

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 20/09/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos

Via Knuttz/Ueba

Convite - 1ª Exposição de Fotografia de Aracaju - Eu estou participando!!!!

Luiz Adelmo Diretor da Galeria de Arte Álvaro Santos convida você para participar da 1º Exposição de Fotografia de Aracaju.

ABERTURA: 27 de Setembro a partir das 20 horas.

PERÍODO DE VISITAÇÃO: 28 de Setembro a 22 de Outubro de 2011 das 8:00 horas às 18:00 horas e Sábado das 9 horas às 13 horas.

LOCAL: Galeria de Arte Álvaro Santos, Praça Olímpio Campos, s/n, Centro - Aracaju/SE

ENCAMINHEM ESSA PROGRAMAÇÃO PARA TODA GALERA E PARTICIPEM! CONTAMOS COM SUA PRESENÇA!
Clique para ampliar
Clique para ampliar

Jornal O Globo em PDF, Terça, 20 de Setembro de 2011

Bolsa Família pagará por 5 filhos desde a gravidez

Para especialistas, baixo valor do benefício impediria explosão demográfica

Gestantes e mulheres que estão amamentando vão receber um benefício extra de R$ 32 por mês do Bolsa Família, a partir de novembro. E, desde ontem, o governo começou a pagar R$ 32 por, no máximo, cinco filhos menores de 16 anos – até então, o limite era de três filhos por família. Os novos benefícios custarão anualmente mais R$ 797 milhões ao governo. Este ano, o Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome prevê gastar R$ 16 bilhões com todo o programa. A ministra Tereza Campello anunciou também o chamado retorno garantido: quem se desligar voluntariamente do Bolsa Família - por conseguir renda acima do permitido - poderá pedir reingresso imediato no prazo de 36 meses, caso volte à condição de pobreza. Economistas e estudiosos do Bolsa Família dizem não ver risco de o extra para gestantes estimular o aumento da natalidade por causa do baixo valor do benefício. (Págs. 1 e 9)
Foto legenda: Entre elas

Aplaudida pela secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, Dilma disse que a desigualdade atinge mais as mulheres. (Págs. 1 e 3)
Na ONU, Dilma ameaça quebrar patentes

Em seu primeiro discurso oficial na ONU, a presidente Dilma Rousseff defendeu ontem a quebra de patentes de medicamentos que combatem doenças não transmissíveis, como hipertensão, câncer e diabetes, se considerados indispensáveis para políticas públicas de Saúde. Ela afirmou que o Brasil respeita a propriedade intelectual, mas citou acordo internacional já usado para quebrar a patente de drogas utilizadas no tratamento da Aids. (Págs. 1, 3 e 4)
Foto legenda: Enquanto isso...

A ONG Rio de Paz protesta contra a corrupção fincando vassouras verde-amarelas na Praia de Copacabana. Hoje haverá manifestação na Cinelândia. (Págs. 1 e 12)
Itália é rebaixada após EUA e Grécia

Após sacudir o mundo ao rebaixar os EUA, a agenda Standard & Poor's reduziu a nota da Itália de "A+" para "A", com perspectiva negativa. Citou o fraco crescimento e o governo frágil como entraves para abater a dívida. A crise já levou ao rebaixamento de Espanha, Grécia e Portugal. (Págs. 1 e 31)
Dólar perto de R$ 1,80 tem alta recorde

Com as incertezas no mercado externo e apostas do investidor estrangeiro na queda do real, o dólar comercial subiu 2,71%, para R$ 1,78, na maior alta em 16 meses. Usado por quem viaja, o dólar turismo avançou ainda mais: 4,42%, chegando a R$ 1,89. (Págs. 1 e 29)

Obra de túnel no Porto do Rio começa amanhã (Págs. 1 e 13)

Israel quer negociar com palestinos antes de voto na ONU (Págs. 1, 36 e 37)

Formato: 31.29 MB
Tamanho: PDF

Jornal O Estado de SP em PDF, Terça, 20 de Setembro de 2011

Real perde 11 % em 30 dias e dólar chega perto de R$ 1,80

Tensão no Europa afeta câmbio e faz moeda brasileira ter a maior queda entre as principais do mundo

As tensões decorrentes da crise europeia afetaram o mercado de câmbio. O dólar iniciou a semana com alta de 2,54%, valendo R$ 1,774, a cotação mais alta desde 21 de julho de 2010. Nos últimos 30 dias, o real apresenta a maior queda ante o dólar no ranking com as 16 principais moedas do mundo. Algo que, dizem analistas, indica que atitudes recentes do governo brasileiro também tem influenciado o humor dos investidores. O levantamento revela que as perdas do real já alcançam 11,01% no período, ante 11% do franco suíço. Vale lembrar que o governo da Suíça adotou recentemente um piso para sua moeda, o que explica grande parte da desvalorização. A seguir, com 6,23% de perdas, vem o peso mexicano e, com 6,05%, o rand da África do Sul. (Págs. 1 e Economia B1)

Impacto da alta sobre inflação deve ser forte

Para analistas, o último trimestre do ano deve refletir pressão no atacado e no varejo. (Págs. 1 e Economia B1)

Itália é rebaixada

A agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixou a rating de longo prazo da dívida soberana da Itália para A, de A+. As justificativas são o enfraquecimento da perspectiva de crescimento e a fragilidade da coalizão política. (Págs. 1 e Economia B7)
Obama quer ajuste fiscal de US$ 3,6 tri em dez anos

O presidente dos EUA, Barack Obama, enviou ao Congresso uma proposta de ajuste fiscal de US$ 3,6 trilhões em dez anos - US$ 1,4 trilhão mais do que no plano anterior, de agosto. O texto eleva a tributação de grandes companhias e das pessoas físicas de maior renda ideia previamente recusada pela oposição republicana. Obama ameaça vetar todo o pacote de estímulo à economia se o ajuste não for aprovado. (Págs. 1 e Economia B9)
Foto legenda: 'Ele matou minha família inteira'

Marcos Alexandre Martins, de 33 anos, foi indiciado por homicídio doloso após atropelar e matar Miriam Afif José Baltresca, de 58 anos, e a filha dela, Bruna Baltresca, de 28, no sábado, em frente ao Shopping Villa-Lobos (zona oeste de São Paulo). Para a polícia, Martins estava embriagado e dirigia em alta velocidade. No velório da mãe e da irmã, Rafael Baltresca afirmou: "Ele escolheu beber e dirigir e matou minha família inteira". (Págs. 1 e Cidades C1 e C3)
Hamas se opõe a Abbas sobre Estado palestino

Representantes do Hamas manifestaram ontem posição à iniciativa do presidente palestina, Mahmaud Abbas, de pedir a reconhecimento pleno do Estado palestino na ONU, informa o enviado especial a Jerusalém, Guilherme Russo. Facção que controla Gaza, o Hamas, que não reconhece Israel, se queixa de não ter sido consultado sobre os termos do pedido. (Págs. 1 e Internacional A10)
Decisão do STJ faz crescer pressão por anulação de provas

A decisão do Superior Tribunal de Justiça de anular as provas da Operação Boi Barrica da Polícia Federal, que investigou parentes do presidente do Senado, José Sarney, fez crescer a pressão dos advogados de outros réus alvos de ações semelhantes. "Pedi a anulação de todo inquérito", disse Nélio Machado, que defende o ex-governador do DF José Roberto Arruda, preso na Operação Caixa de Pandora. (Págs. 1 e Nacional A4)
Dilma defende na ONU quebra de patente de remédio

A presidente Dilma Rousseff defendeu ontem nas Nações Unidas (ONU) a quebra de patentes de remédios para doenças não transmissíveis, como diabete, hipertensão e câncer, em casos de necessidade pública, informa a enviada especial Lisandra Paraguassu. Em fala durante a reunião de alta nível sobre doenças crônicas não transmissíveis, Dilma disse que o acessa a medicamentos faz parte do direita à saúde. (Págs. 1 e Vida A16)
Artigo: Steve Lee Myers

Tumulto americano

O pedido de soberania palestina coroa redução da influência dos EUA no Oriente Médio. (Págs. 1 e A12)

54 mortes no Iemên

Entre as vítimas dos confrontos entre as forças leais ao ditador Ali Abdullah Saleh e dissidentes, está um bebê de 9 meses. (Págs. 1 e Internacional A14)
Em documento à OMC, Brasil defende barreiras (Págs. 1 e Economia B4)


Bolsa Família assegura volta a quem se desligar (Págs. 1 e Nacional A9)


José Paulo Kupfer

Guerras comerciais

O governo brasileiro está correto em tentar avançar no debate sobre as regras de comércio num conturbado mundo. (Págs. 1 e Economia B4)

Arnaldo Jabor

Governo Dilma pode ser bom

A maior virtude da presidente é pautar-se por convicções de uma ética pessoal e não apenas por estratégias políticas ou oblíquas intenções. (Págs. 1 e Caderno 2, D8)
Notas & Informações

STJ acode o clã Sarney

Quatro anos de trabalho policial acabam de ir para o ralo com a decisão da 6ª Turma do STJ. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 40.37 MB

The Essential Guide to Portraits - 2nd Edition (2011)

Info Exame – Edição 307 Setembro 2011 (Scan)

PC World - October 2011 / New Zealand

Amateur Photographer (2011-09-24)

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Jornal O Dia em PDF, Segunda, 19 de Setembro de 2011

Sangue na guerra pela herança de chefão do bicho
Assassinato do contraventor Zé Personal pode ter sido mais um capítulo na disputa de parentes de Maninho por seu espólio
Rio - Uma morte anunciada. O assassinato do bicheiro José Luiz de Barros Lopes, o Zé Personal, sexta-feira, em Jacarepaguá, pode ter começado a ser escrito há dois anos, quando se iniciou a guerra aberta na família Paes Garcia pelo espólio de Waldomiro Paes Garcia, o Maninho. A disputa vai além dos bens deixados pelo chefão, metralhado em 2004. Está em jogo uma das maiores e mais lucrativas áreas da contravenção. São pontos de apostas do bicho e de máquinas de caça-níquel espalhados pela Zona Sul e parte de Vila Isabel.

Os mais recentes capítulos da disputa foram registrados em depoimentos na Corregedoria Geral Unificada (CGU), de maio a agosto. Neles, Shanna Harouche Garcia Lopes, filha de Maninho e mulher de Zé Personal, diz que o casal foi ameaçado de morte por Mirinho, irmão dela; Bernardo Bello Pimentel Barbosa, ex-cunhado; e grupo de policiais liderado pelo capitão PM Adriano Magalhães da Nóbrega. As brigas, até então restritas às Varas de Família, chegaram ao haras da família, em Guapimirim: centro de criação de cavalos e gado, avaliado em R$ 50 milhões. Shanna informou à CGU 5 ataques de homens armados — um com cinturão de munição de fuzil cruzado no peito — e roubos à propriedade que ela administrava.

Invasões em fazenda

Numa das ações do grupo, Shanna afirma que o capitão foi enfático: “É melhor você não se meter se quiser ver seu filho crescer”. Em outra, também segundo ela, o irmão e o ex-cunhado avisaram aos empregados da fazenda que “agora era tudo deles”. As invasões eram reflexos da briga de Personal com a família — principalmente Alcebíades Paes Garcia, o Bide, irmão de Maninho. Os dois disputavam caça-níqueis. Na guerra, houve mortes e destruição das máquinas em bares de Vila Isabel. O golpe final veio em abril: Bide convenceu os sobrinhos a ficarem contra Personal, para resgatarem o controle dos negócios. Foi quando Personal perdeu recursos, e os seguranças que o protegiam mudaram de lado.

Lucros divididos por quatro

Com a morte de Maninho, a família estabeleceu a divisão dos lucros em quatro partes iguais. Cada um dos três filhos (Shanna, Mirinho e Tamara) ficaria com 25% e, à viúva, caberia a quarta parte restante. Todo esse patrimônio era o território do antigo contraventor Ângelo Maria Longa, o Tio Patinhas, padrinho de Maninho. A Alcebíades restou a participação apenas nos negócios do pai, Valdemir Garcia, o Miro. Como os filhos de Maninho eram jovens, Bide tocou o empreendimento. Mas Shanna se casou com o ex-colaborador da família, Personal, e assumiu os negócios. Com o ‘boom’ do jogo eletrônico, em 2006, e a queda do lucro do bicho, a divisão criou rixas entre os herdeiros. Personal, ao lado do próprio capitão Adriano Nóbrega, foi acusado da morte, em 2009, de Rogério Mesquita, homem de confiança de Maninho e gerente do haras.

Samba, violência e fortuna

Maninho foi morto em setembro de 2004, aos 42 anos, quando saía de academia em Jacarepaguá. Ele sucedera o pai, Waldemir Garcia, o Miro, como patrono da Acadêmicos do Salgueiro. A história da agremiação é marcada por assassinatos, entre eles o do vice-presidente, Guaracy Paes Falcão, em 2007. Acusado pelo crime, o pecuarista Rogério Mesquita foi executado em janeiro de 2009 em Ipanema. Rogério seria administrador do Haras Fazenda Modelo, de Maninho, em Guapimirim.

Formato: PDF
Tamanho: 22.17 MB

Jornal O Globo em PDF, Segunda, 19 de Setembro de 2011

Infecção hospitalar mata 100 mil por ano no Brasil

Segundo estudo, não há controle adequado em 80% dos estabelecimentos

A falta de cuidado com a higiene nos hospitais públicos e privados produz um quadro dramático no país: a cada ano, cerca de cem mil pessoas morrem devido às infecções hospitalares, conclui levantamento feito pela Associação Nacional de Biossegurança (Anbio). O governo não tem dados consolidados sobre o problema, apesar de uma comissão ligada ao Ministério da Saúde ter sido criada há 26 anos com esse objetivo. A pesquisa da Anbio mostra que, em média, 80% dos hospitais brasileiros não fazem o controle adequado para evitar a disseminação das infecções. (Págs. 1 e 3)

Enquanto isso, em NY...

Em seu primeiro compromisso oficial nos EUA, a presidente Dilma Rousseff exaltará hoje medidas do governo na Saúde, como o programa que distribui remédios de graça. (Págs. 1 e 9)
DSK admite falha moral, mas nega estupro

Em sua primeira entrevista, a uma TV francesa, Dominique Strauss-Kahn, ex-chefe do FMI, confessou ter tido relação sexual com a camareira em Nova York, mas negou tê-la estuprado. "Foi um erro moral", declarou DSK, que descartou ainda disputar a Presidência de seu país: "Eu perdi meu encontro com os franceses." (Págs. 1 e 26)

Participação feminina eleva produtividade

Relatório do Banco Mundial sobre desigualdade entre homens e mulheres revela que oportunidades iguais geram alta de até 25% na produtividade. (Págs. 1 e 21)

Israel tenta evitar votação na ONU

O ministro da Defesa negocia alternativas à votação de um Estado da Palestina na ONU. Representantes palestinos dizem que podem voltar atrás. (Págs. 1 e 25)

Formato: PDF
Tamanho: 20.26 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Segunda, 19 de Setembro de 2011

Ação da Petrobras não vai dar retorno tão cedo, diz Gabrielli

Entrevista da 2ª

Presidente da empresa afirma, porém, que a longo prazo cenário é melhor que o de concorrentes

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, atribui a queda das ações da empresa a uma "situação de penalização no curto prazo". A baixa desde o início deste ano atinge 23,5%.

"A Petrobras fez a maior capitalização da história mundial em 2010. Isto tem um custo", afirma Gabrielli em entrevista à Folha. (Págs. 1 e A14)
Estados tiram R$ 2 bi de verba para a saúde

Dez Estados não investiram o mínimo de 12% de suas receitas na saúde em 2009, segundo o Ministério da Saúde. O pior no ranking é o Rio Grande do Sul, que aplicou só 5%. São Paulo destinou 11,6%, mas contesta a metodologia.

O percentual de 12% é definido pela emenda 29, que determina gastos mínimos do setor público no sistema de saúde - a norma deve ser regulamentada na quarta-feira. Ao todo, os Estados deixaram de aplicar R$ 2 bilhões no setor. (Págs. 1 e Poder A4)
Ex-diretor do FMI admite falta moral e nega violência

O ex-diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn, acusado por uma camareira de tentar estuprá-la, reconheceu ter cometido "relação inapropriada" e "falta moral". Mas negou ter havido violência ou coerção.

Foi a primeira entrevista de Strauss-Kahn desde o escândalo que lhe custou o cargo. A denúncia foi anulada em agosto por falta de provas. (Págs. 1 e Mundo A12)
O peso da redação

Pesquisadores em avaliação educacional discordam da forma como o Ministério da Educação calcula as médias das escolas no Enem. Para eles, é dado peso excessivo à redação, em detrimento do restante do conteúdo. (Págs. 1 e Saber C9)

Vinícius Mota

Massacre do IPI também atinge o consumidor

Compre um carro "nacional" pior e salve empregos, diz o governo, ao dinamitar o setor de importados. Mas como cair nessa lorota se não há contrapartida para as fábricas que escaparam do massacre do IPI? (Págs. 1 e Opinião A2)

Anhanguera compra Uniban e vira gigante do ensino superior (Págs. 1 e Poder A8)

Estudante furta ônibus e bate em 18 carros no Rio

Após sair de uma festa à fantasia, com roupa semelhante à usada, por policiais do Bope, um estudante de direito furtou um ônibus e rodou cerca de 23 quilômetros em alta velocidade. Foi da Barra da Tijuca à zona sul do Rio, avançou sinais e bateu em 18 carros até ser parado pela PM. (Págs. 1 e Cotidiano C1)

Foto legenda: O estudante Pedro Henrique Garcia, 24, com roupa do Bope.
Editoriais

Leia "Equilíbrio ameaçado", sobre Israel e a declaração do Estado palestino na ONU, e "Altos e baixos do dólar", que analisa as determinantes da cotação. (Págs. 1 e Opinião A2)

Formato: PDF
Tamanho: 35.73 MB

domingo, 18 de setembro de 2011

Melhor escapar fedendo que morrer cheiroso...

Extreme Sports Compilation

Targa Newfoundland Rally 2011 - Enzo Acidente

Jornal O Globo em PDF, Domingo, 18 de Setembro de 2011

Investimentos em estradas atrasam e acidentes triplicam

Pedágios altos não garantem segurança nem boas condições de tráfego

Empresas responsáveis por estradas federais privatizadas na segunda etapa do Programa de Concessões Rodoviárias estão atrasando os investimentos previstos em contrato com o governo federal. Enquanto isso, os acidentes triplicaram: nos sete trechos privatizados, subiram de 9.961 em 2008 para 28.947 em 2009, um crescimento de 190%. As principais obras deveriam ocorrer nos três primeiros anos da cobrança de pedágios (2007-2009) – que estão sendo reajustados sem atraso. Nos sete trechos, o investimento está abaixo dos 30%, em quatro, abaixo de 10% do previsto. A Agência Nacional de Transportes Terrestre, que deveria regular o setor, acaba agindo com resoluções que retardam os investimentos. No trecho da BR-101 do Rio ao Espírito Santo, há obras paradas e uma passarela de pedestres que para no ar. (Págs. 1, 3 e 4)

Brasil não forma jovem para mercado globalizado

Com a qualidade precária do ensino, os jovens brasileiros perdem a corrida na competição do mercado de trabalho global. Estudo põe o Brasil em 35º lugar, entre 60 países, atrás de emergentes como Rússia, Argentina e Coréia do Sul. (Págs. 1 e 33)

Bondes em Santa Teresa só em 2012

Banidos das ruas após descarrilar e matar seis, os bondinhos de Santa Teresa só voltam a circular daqui a um ano e sob a administração do município. Os moradores temem que nova tragédia aconteça, agora com os ônibus, que trafegam em alta velocidade pelas ladeiras. (Págs. 1 , 28 e 29)

Formato: PDF
Tamanho: 39.42 MB

Jornal O Dia em PDF, Domingo, 18 de Setembro de 2011

Marcas da vida de Cássia Kis Magro
Aos 53 anos, atriz já fez muitas loucuras na vida e agora vive um amor capaz até de mudar seu nome: Rio - Ela garante que não tem nada a ver com numerologia a transformação de sua assinatura. “Não sou ligada nessas coisas. Quando era adolescente, gostava de astrologia, experimentações. Foi quando tomei chá de cogumelo, fumei maconha. Inclusive, acho que todo mundo deveria tomar um chá ou fumar um baseado, pelo menos uma vez na vida”, instiga Cássia Kis Magro, que retirou um ‘s’ do sobrenome — na verdade, o Kiss é que era uma invenção — e adotou mais um, o do marido, para viver Dulce, em ‘Morde & Assopra’. “Quis colocar o Magro porque amo, adoro a família do João (Baptista Magro)”, confessa. Boa de conversa e, por vezes, surpreendente, a atriz não tem papas na língua para embarcar em qualquer assunto, do mais comum ao polêmico, como drogas e cirurgias plásticas — este último, ela abomina, por exemplo. “Eu acho que só mexeria no meu dedo mindinho”, diverte-se Cássia, de 53 anos, orgulhosa de suas marcas de expressão bem evidentes, embora se assuste com elas, às vezes. “Fico horrorizada comigo no vídeo”, dispara. E não é à toa. Para dar vida à simplérrima Dulce, a mãe sofredora da novela das 19h, ela não leva mais que 10 minutos para se preparar. “Só uso uma tinta nos dentes, para dar aquele aspecto de sujeira”, explica.

Mas ela faz questão de frisar que não tem nada em comum com a personagem, maltratada pelo filho, Guilherme (Klebber Toledo), na ficção — mesmo drama que Griselda (Lilia Cabral) vive com Antenor (Caio Castro) em ‘Fina Estampa’. “Eu queria ser humilde como a Dulce. Queria entrar dentro de um ‘humildificador’, sabe? Eu sou mãe chata muitas vezes. Espalho bilhetes pela casa, cobro se escovaram os dentes, se fizeram dever de casa. Acho que uma mãe tem que controlar de perto os filhos. Senão é um filho preso na cadeia, o outro drogado, sem limites, tudo porque eu não estava presente”, acredita ela, ainda chocada com a morte precoce de Amy Winehouse. “Ela não teve ninguém próximo que a amasse de verdade e segurasse a sua onda”, lamenta Cássia, com algum distanciamento.

Capricorniana, de elemento terra, a atriz confessa que sempre teve o controle nas mãos e os pés fincados na realidade. Apesar de já ter “experimentado de tudo”, como ela mesma diz, nunca perdeu a linha. “Sempre tive autocontrole, sabia até aonde podia ir. Saí de casa com 15 anos, fui hippie, cuidei de mim. Aliás, esse é meu verbo: cuidar”, entrega Cássia, que é contra a legalização da maconha. “Fumar faz mal. No caso da maconha, ainda queima a tua lâmpada. Mas uma só vez é outra história, não faz mal”, diz.

Formato: PDF
Tamanho: 44.24 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Domingo, 18 de Setembro de 2011

Com isenção de impostos, petroleira importa até biquíni

Regras frouxas desfiguraram regime aduaneiro e deixaram o mecanismo sem controle do Congresso e da Receita

Petroleiras e prestadoras de serviços que atuam no País usaram brechas na legislação especial de tributação do setor de petróleo e gás para, nos últimos dez anos, importar artigos como biquínis, mesas de sinuca, selas de cavalo, bijuterias e até papel higiênico sem pagar impostos, informa o repórter Iuri Dantas. Dados mostram que regras frouxas desfiguraram o regime aduaneiro especial conhecido como Repetro e deixaram o mecanismo livre do controle do Congresso e da Receita Federal. Depois de identificar as falhas e brechas da atual legislação, a presidente Dilma Rousseff pretende reformular a mecanismo. As novas regras devem sair até o fim do ano. (Págs. 1, B1 e B3)

CNJ reproduz vícios que tem de combater

Criado para combater os maus hábitos do Judiciário, o Conselho Nacional de Justiça aumentou em 60% suas despesas com passagens aéreas e em 21% os gastos com diárias, informa o repórter Felipe Recondo. Só com festas e homenagens, o órgão gastou R$ 685 mil neste ano, segundo o Siafi. O CNJ afirmou que o deslocamento de funcionários é inevitável e necessário para o funcionamento do conselho. (Págs. 1 e A4)

STJ anula provas da PF contra família de Sarney

O Superior Tribunal de Justiça anulou provas colhidas pela Polícia Federal na operação que investigou parentes do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), por crimes como lavagem de dinheiro. Para o STJ, a polícia fez escutas telefônicas ilegais. (Págs. 1 e A9)

Na ONU, Dilma defenderá pleito palestino

A presidente Dilma Rousseff vai defender o reconhecimento do Estado palestino no discurso que abrirá a Assembléia da ONU, na quarta-feira. Ela também pedirá mais espaço para as mulheres na política. (Págs. 1 e A14)

Vale do Silício aposta na tecnologia limpa

A energia verde ganha espaço no Vale do Silício, relata Renato Cruz. Ao lado de gigantes na internet surgem empresas de painel solar e de carro elétrico. (Págs. 1 e A2)

Crack se espalha pelo sertão do Nordeste

O crack rompeu os limites das grandes metrópoles e avança por cidades de médio porte e isoladas comunidades rurais do Nordeste, relata Pablo Pereira. “O crack faz parte do cotidiano do sertão. E onde há drogas, há armas”, diz o capitão Marcondes Ferraz, da PM pernambucana. Em clínica de recuperação de Juazeiro (BA), já há mais viciados em crack que alcoólatras. (Págs. 1, C8 e C9)

Principal
Formato: PDF
Tamanho: 71.33 MB

Cadernos: Autos & Imóveis
Formato:
Tamanho: + tarde

Veja – Edição 2235 21 Setembro 2011 (Scan)

Melhores imagens da semana - 16/09/11