sábado, 26 de novembro de 2011

Imagens da semana - 25/11/11

Jornal O Dia em PDF, Sabado, 26 de Novembro de 2011

Luana Piovani fala sobre álcool e maconha: Rio - Grávida de cinco meses, Luana Piovani tem se privado de certos prazeres. Estrela da revista ‘Trip’ de dezembro, declarou em entrevista à publicação: “Parei de fumar (maconha) pra gravidez”. Luana conta sobre um encontro com Bussunda, em que falou sobre drogas. “Quando fiz ‘Casseta & Planeta’, perguntei: ‘Bussunda, querido, o que você diz quando alguém pergunta sobre maconha, sobre droga?’. Ele disse, citando alguém que eu infelizmente não lembro quem: ‘Me tornei uma pessoa pública, não posso mais responder sobre esse tipo de coisa’. É estranho, porque com bebida não tem essa coisa”. Luana também fala que teve medo de ser considerada alcoólatra. Veja trechos.

ÁLCOOL: “Me explica por que se pode beber nesta terra como se fosse a coisa mais incrível do mundo? Gente, o Edmundo matou três! Olha quanta gente morre. Eu, por exemplo, não dirijo, mas desde que se instalou a Lei Seca foi a maior felicidade! Eu só vejo meus amigos reclamando, e eu sou a mais feliz do mundo! Porque eu acho que, se você vai beber, você tem que ir de táxi! Todos os dias é só tragédia de bebum dirigindo.”

MEDO DE ALCOOLISMO: “...Pelo fato de eu beber todo dia, sempre tive medo de me tornar alcoólatra. E a minha mãe é abstêmia, então tem uma culpa que vem de cima para baixo. A minha mãe acha que eu sou o ser humano mais bebum que existe! Quase um Pagodinho. (...) Eu acho que a vida a seco é muito chata, e a minha tem um peso ainda maior. Eu não sei o que é privacidade, como é bom estar no anonimato. Só quando você perde é que você sabe que teve. É muito incômodo ser observado 24 horas por dia. Você não pode tirar a calcinha da bunda, não pode coçar o seu nariz (...) eu me dopo pra não notar isso”.

LIBIDO NA GRAVIDEZ: “É claro que a gente tem uma vida sexual deliciosa, não virei uma gravidinha parada, não!”
Formato: PDF
Tamanho: 21.20 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Sabado, 26 de Novembro de 2011

Ministro chora e nega ordem para fraudar parecer de obra

Negromonte diz que seu chefe de gabinete, Cássio Peixoto, é "de confiança" e atribui mudança a divergência entre técnicos

O ministro das Cidades, Mário Negromonte (PP), disse à rádio Estadão/ESPN que seu chefe de gabinete, Cássio Peixoto, é “de confiança”, mas negou ter dado ordens para que fosse alterada a nota técnica número 123/2011. A fraude, revelada pelo Estado, respaldou a implantação, para a Copa, do projeto de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá, avaliado em R$ 1,2 bilhão. “O Cássio é pessoa da confiança e faz parte da G-Copa. Ele solicitou que reanalisassem o projeto. Agora, não pediu a meu mandado não, hein, companheiro! Não mandei”, afirmou. O ministro disse que não teve conhecimento do parecer da Controladoria-Geral da União (CGU) que reprovou o projeto de VLT. Em solenidade na Bahia, Negromonte chorou ao ser defendido por políticos. (Pág. 1 e Nacional, pág. A4)

Mário Negromonte – Ministro das Cidades

“Não houve proposta indecorosa para que ela (Luíza Vianna) mudasse a proposta dela. A decisão é de colegiado. Estão querendo colocar chifre em cabeça de jumento”

“O que houve foi divergência de opinião dos técnicos. Não tem fraude”

Ouça os áudios e acompanhe a cobertura: http://www.estadao.com.br

Foto-legenda: Emocionado.Na Bahia, Negromonte chorou: "Identifico fogo amigo"
Dilma pede que brasileiro consuma para afastar crise

A presidente Dilma Rousseff previu que a crise europeia vai durar pelo menos dois anos e manifestou preocupação com o momento internacional “muito delicado”, mas disse que o Brasil precisa manter a produção e o consumo. “Nesse momento de crise, o que temos de fazer não é nos atemorizar, parar de consumir, parar de produzir”, disse, em discurso, no Rio. (Pág. 1 e Economia, pág. B14)
"Entrada" da Bélgica agrava crise na Europa

Os desentendimentos entre líderes europeus custam caro: o acesso da Itália a créditos internacionais chegou ao limite, a Bélgica teve sua nota de risco rebaixada e os mercados deixaram claro que não acreditam que Bruxelas tenha estratégia para lidar com crise. (Págs. 1 e B1)
Aposentado e demitido manterão plano de saúde

A ANS definiu que trabalhadores demitidos sem justa causa poderão continuar por até dois anos com o plano de saúde que tinham na empresa desde que já contribuíssem com parte do valor e passem a pagar as mensalidades. Aposentados também terão direito. (Pág. 1 e Vida, A24)
Em protesto recorde, egípcios rejeitam premiê (Pág. 1 e Internacional, A16)

Trânsito já matou 3.991 no Estado de SP em 2011 (Pág. 1 e Cidades, C6)

Militantes deixam MST e o acusam de ser "governista" (Pág. 1 e Nacional, A10)

CNJ investiga magistrados por grilagem de terras

A corregedora do Conselho Nacional de Justiça, Eliana Calmon, disse que o órgão investiga operações suspeitas envolvendo juízes em compra de terras e grilagem em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Bahia e Goiás. (Pág. 1 e Nacional, A8)

Mais transparência

Entidades do poder público propõem incluir emendas parlamentares em banco de dados. (Pág. 1 e Nacional,A8)
Juíza bloqueia bens de Kassab e inspeção terá nova licitação

A Justiça sequestrou ontem os bens do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), do secretário Eduardo Jorge (Verde e Meio Ambiente) e de 19 empresários e empresas, além de determinar uma nova licitação de inspeção veicular em 90 dias. A decisão foi tomada na ação civil proposta pelo Ministério Público Estadual por supostas fraudes no contrato com a Controlar. Na Europa, Kassab se disse “indignado” e defendeu a “correção e a seriedade de tudo o que foi feito”. (Pág. 1 e Cidades, C1 e C3)
Marco Aurélio Nogueira: A soma dos nossos malfeitos

A corrupção adquiriu “vida própria”, chegando a áreas antes inatingíveis. Cresceu a percepção social dela, o que a torna mais intolerável. (Pág. 1 e Espaço Aberto, A2)
Notas & Informações: Criminalidade ainda alta

O Brasil gasta cada vez mais em segurança pública, mas gasta mal, mostram as estatísticas. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 47.00 MB

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 25/11/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos
Via Knuttz/Ueba

Jornal O Dia em PDF, Sexta, 25 de Novembro de 2011

Ex-PM acusado de matar o menino João Roberto é absolvido
Rio - O ex-policial militar Elias Gonçalves da Costa Neto foi absolvido na noite desta quinta-feira pelo 2º Tribunal do Júri, no Centro. Cinco dos sete jurados votaram pela absolvição do ex-PM, que era acusado de matar o menino João Roberto Soares Amorim, de 3 anos, durante uma abordagem na Tijuca, na Zona Norte do Rio em 2008. Os pais de João Roberto que se revezaram no acompanhamento de toda a sessão, saíram do tribunal antes da leitura da sentença e não quiseram falar com a imprensa. O ex-PM também não quis falar com a imprensa. O defensor público Marcelo Machado Fonseca, que defendeu Elias comemorou o trabalho feito. "Ficou claro que o conjunto de provas foi fundamental", disse, citando os laudos periciais e documentos existentes, principalmente, o apontamento de que João Roberto morreu com fragmento de bala de fuzil, enquanto seu cliente portava uma pistola.

Marcelo também considerou importante a divulgação das imagens da morte que acabaram tendo grande número de acessos na internet, inclusive ficando a disposição dos jurados. Para o defensor, o vídeo facilitou o trabalho da Justiça. Essa é a segunda absolvição no caso. O também ex-PM William de Paula foi absolvido, mas, a sentença foi cancelada e novo julgamento será realizado.

Angústia e mudança de versão

Durante o dia foram realizados três depoimentos, da mãe de João Roberto, a advogada Alessandra Amorim Soares, que relatou toda a operação e os momentos de terror que ela viveu dentro do carro com os filhos. Ela lembrou que antes dos tiros dos policiais, ela conseguiu pedir aos filhos para que se abaixassem e no cessar fogo, conseguiu jogar a bolsa pela janela do veículo. Durante o depoimento, ela não chegou a se emocionar e durante todo o julgamento se revezou com o marido Roberto no acompanhamento da audiência. Durante várias oportunidades eles discordaram da argumentação de Elias e dos seus advogados de defesa. "A fita (imagens que mostram a ação) é clara e estou confiante na condenação. Não entendo até hoje porque agiram daquela forma. O modelo do carro era diferente, a cor era diferente", disse Alessandra, antes de ser divulgado o veredito. Para ela todo o julgamento foi um processo angustiante. "A cada ela eu me sinto flagelada", revelou, se referindo as lembranças expostas nos depoimentos. Em seguida, depôs o então relações públicas da Polícia Militar, o coronel Rogério Luiz Leitão, que afirmou que durante o treinamento, os PMs não são treinados para atirar em quem não reaja. Ele afirmou que não condiz com a conduta de policiais, atirar contra um veículo que não oferece risco. Para ele, os tiros foram disparados para matar quem estivesse no veículo.

Por fim, Elias depôs e acusou o também ex-PM William de Paula de ter feito os disparos que mataram o menino João Roberto. O ex-PM também admitiu ter dado diferentes versões sobre a sua atuação. Em juízo que deu apenas um disparo para o chão, diferente do que tinha afirmado a Polícia Militar, de que havia disparado contra as rodas do veículo dirigido pela advogada Alessandra Amorim Soares. À Polícia Civil ele afirmou que os tiros foram efetuados contra supostos marginais.

Formato: PDF
Tamanho: 23,68 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Sexta, 25 de Novembro de 2011

CGU reprovou obra da Copa antes de fraude em parecer

Para órgão fiscalizador, alteração para atender governo de MT, com o aval de ministério, é 'intempestiva'

Relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) questiona o novo projeto de transporte público de Cuiabá (MT), o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), aprovado pelo Ministério das Cidades para a Copa de 2014 após documento ter sido fraudado, conforme revelou ontem o Estado. A análise da CGU coincide com a nota técnica do ministério que era contrária ao VLT, mas foi adulterada para favorecer o projeto. O parecer da CGU diz que a troca da proposta original de linha rápida de ônibus pelo VLT omitiu informações sobre aumento de gastos e é "intempestiva". O MP abriu investigação. (Págs. 1 e Nacional A4, A6 e A7)

Ouça mais gravações que revelam a fraude na pasta do estadao.com.br

PP 'frita' ministro

Após as denúncias, a cúpula do PP abandonou o ministro Mário Negromonte. O partido tenta se manter à frente da pasta. (págs. 1 e Nacional A7)

França insiste em corredor humanitário no interior da Síria

O governo da França pressionou ontem pela criação de um "corredor humanitário" para socorrer populações sitiadas pelas forças armadas na Síria. A proposta foi reiterada pelo ministro da Defesa, Alain Juppé, que defende "zonas seguras para proteção de civis". As chances de acordo com Bashar Assad, porém, são pequenas. (Págs. 1 e Internacional A12)

Crise se agrava e mercado vê corte maior de juros no Brasil

O agravamento da crise europeia levou investidores a apostarem em um corte maior na taxa básica de juros (Selic), de 0,75 ponto porcentual. Com a redução, a Selic ficaria em 10,75% ao ano. Até o início da semana, a previsão era de um corte de 0,5 ponto. A reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) acontece na próxima semana. (Págs. 1 e Economia B1)

Desemprego cai

A taxa, de 5,8%, é a menor para o mês de outubro desde 2002, mas números indicam que mercado de trabalho já sofre com desaceleração. (Págs. 1 e Economia B3)

Foto-legenda: Um novo impasse

A chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês Nicolas Sarkozy e o premiê italiano Mario Monti, durante entrevista após reunião na França: Alemanha vetou hipótese de que o Banco Central Europeu passe a comprar de forma maciça os títulos das dívidas soberanas de países em crise. (Págs. 1 e Economia B9)

1 milhão de brasileiros terão câncer em 2 anos

Estimativa do Instituto Nacional do Câncer é de que 1 milhão de brasileiros receberão diagnóstico da doença nos próximos dois anos. É a segunda causa de morte no País, atrás de doenças cardiovasculares. (Págs. 1 e Vida A26)

Fraude usava mortos em acidentes aéreos

A Polícia Federal prendeu 16 pessoas, entre elas 5 servidores do INSS, acusadas de forjar parentesco com mortos em acidentes aéreos para receber pensões mensais. Os benefícios chegavam a R$ 3 mil. (Págs. 1 e Cidades C3)

Fernando Gabeira

Entre a terra e o mar

O desastre da Chevron não mostrou apenas que estamos despreparados, mas também por que estamos despreparados. (Págs. 1 e Espaço Aberto, A2)

Dora Kramer

Salvo-conduto

Um palpite? Dificilmente o ministro Mário Negromonte será importunado. Desta vez estão envolvidos Miriam Belchior e Michel Temer. (Págs. 1 e Nacional A6)

Notas & Informações

A crise no coração do euro

Se tragadas pela recessão, França e Alemanha pouco poderão fazer por economias em pior estado. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 49.45 MB

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 24/11/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos
Via Knuttz/Ueba

Museu Afro guarda parte da história negra de Sergipe

Ao adentrar o Museu Afro-brasileiro de Sergipe, o visitante recebe algumas orientações e começa uma visitação rica em história e busca pela consciência negra.

JornaldaCidade.Net


Um prédio do século XIX que guarda grandes tesouros da cultura negra em Sergipe. Esse é o Museu Afro-Brasileiro, localizado na cidade de Laranjeiras, berço da negritude sergipana. O prédio, que servia como comércio e residência da família Brandão, tem hoje direção do Estado e é gerenciado pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), que procura sempre atrair mais visitantes para conhecer parte da história de Sergipe.

Com peças que datam até do século XVII, distribuídas em salas que remontam da economia açucareira aos objetos de tortura, passando pela forte religiosidade dos afrodescendentes, o Museu Afro conta de forma particular parte da luta dos negros que viveram em Sergipe no período da escravidão.

Segundo a secretária de Estado da Cultura, Eloísa Galdino, o Museu Afro é uma unidade muito importante no quadro da Secult, principalmente pelo fato de mostrar de forma significante um capítulo tão importante da comunidade negra no Brasil. “No museu Afro é possível sentir através das suas peças a alma da cultura negra em Sergipe. Lá, nós podemos ter noção de como os afrodescendentes sofreram por um longo período da nossa história e de como eles lutaram pela liberdade”, destaca a gestora.

Em cada sala, parte da história

Ao adentrar o Museu Afro-brasileiro de Sergipe, o visitante recebe algumas orientações e começa uma visitação rica em história e busca pela consciência negra. A primeira passagem é pela sala de economia açucareira, um local onde é possível observar itens que serviram para movimentar a economia na época. Lá, é possível ver de perto moendas de cana, café e mandioca, pilões, carros de boi, entre outros utensílios.

Logo depois os visitantes são encaminhados à sala dos aparelhos de tortura, um local onde é possível sentir de perto o quanto os afrodescendentes sofreram no período de escravidão. Objetos como mordaças, palmatórias, chibatas, bolas de ferro e troncos remontam a história que é lembrada pelos estagiários que fazem as visitas guiadas.

Segundo a diretora do museu, Maria Helena, as peças encontradas na unidade museal vieram de várias partes de Sergipe, mas predominantemente dos antigos engenhos localizados em Laranjeiras. “Temos peças do Engenho do Povoado Varzinhas e da comunidade da Muçuca, ambos em Laranjeiras. Há também utensílios que remontam a religiosidade que vieram de dois conhecidos terreiros da cidade: o ‘Filhos de Obá’ e o ‘Oxosi Tauamim’. Vale lembrar que as peças de mobiliário vieram também de engenhos da cidade de Malhador”, explica.

Percorrendo um pouco mais as dependências do museu, os visitantes chegam a uma sala repleta de utensílios de cozinha, onde é possível ver objetos, móveis e até uma indumentária utilizados no século XIX também nos engenhos sergipanos.

A religiosidade é aflorada nas outras salas. O sincretismo religioso toma espaço e manequins vestindo belas indumentárias que já foram utilizadas em terreiros e retratam orixás como Exú, Yemanjá, Oxalá, Nanã, Iansã, Oxum, Oxumaré, Obaluyaê, Xangô, Ogum, Oxossi.

Plano de recuperação das unidades

Durante um encontro ocorrido no mês de junho, o governador Marcelo Déda entregou ao secretário executivo do Ministério da Cultura (MinC), Vitor Ortiz, o Plano de Recuperação dos Espaços Culturais de Sergipe que contém um descritivo técnico de todas as intervenções estruturais necessárias para a conservação e manutenção dos espaços culturais gerenciados pela Secult. Entre essas unidades estão o Museu Afro-brasileiro, que caso este plano seja aprovado pelo Governo Federal, terá uma grande reforma em sua estrutura física, além da renovação do acervo.

Na ocasião, o governador Marcelo Déda, afirmou que a ideia de buscar cada vez mais parcerias com o Ministério da Cultura consolida a nova dinâmica dada à gestão cultural desde o governo Lula. “Tivemos uma mudança de paradigma no eixo de desenvolvimento cultural do país com o governo Lula. A ministra Ana de Hollanda, com esse intuito de buscar cada vez mais se aproximar das necessidades culturais dos estados e municípios, demonstra a concretização do objetivo de beneficiar cada vez mais o patrimônio e a produção cultural no país no governo da presidenta Dilma Rousseff”, sentenciou o governador.

O Museu Afro-Brasileiro de Sergipe funciona de terça-feira a domingo, das 10h às 17h.

Veja – Edição 2244 23 Novembro 2011

India Talent Show - Warriors of Goja

Jornal O Dia em PDF, Quinta, 24 de Novembro de 2011

Quer pagar quanto pela luz?
Nova cobrança vai prever preços de acordo com o horário. De dia, energia será mais barata

Rio - A conta de luz vai ficar mais barata para quem usar energia fora dos horários de pico. A novidade está prevista no regulamento de estrutura tarifária do setor de distribuição de energia, aprovado ontem pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Para consumidores de baixa tensão (residenciais, comerciais, industriais e de áreas rurais), a principal mudança é a criação da modalidade tarifária branca — uma alternativa à convencional hoje em vigor. Serão oferecidos três patamares para tarifa de energia, de acordo com os horários de consumo. De segunda a sexta-feira, uma tarifa mais barata será empregada na maioria das horas do dia; outra mais cara, no horário em que o consumo de luz atinge o pico máximo, no início da noite; e a terceira, intermediária, será entre esses dois horários. Nos fins de semana e feriados, outra vantagem: a tarifa mais barata será empregada para todas as horas do dia. A tarifa branca será opcional, e as regras passarão a valer entre os anos de 2012 e 2014.

O novo tipo de cobrança será opcional e levará tempo para ser oferecido em todo o País. Todos os atuais medidores terão que ser trocados pelos do tipo eletrônico, capaz de aferir preços diferentes para os horários de consumo. Chamados de “inteligentes”, esses novos medidores já existem, mas ainda estão em fase de testes e aprimoramento.

Formato: PDF
Tamanho: 25.81 MB

Época – Ed. 705 – 21/11/2011

Jornal O Estado de SP em PDF, Quinta, 24 de Novembro de 2011

Fraude no Ministério das Cidades encarece obra da Copa

Parecer é forjado para atender governo de Mato Grosso em projeto de transporte e custo salta R$ 700 milhões

O ministro Mário Negromonte (Cidades) aprovou uma fraude produzida para dar respaldo técnico a um acordo político que encareceu um projeto de transporte para a Copa de 2014 em Cuiabá (MT). Documento forjado pela diretora de Mobilidade Urbana da pasta, Luiza Vianna, mudou o parecer que vetava uma alteração defendida pelo governo de Mato Grosso. Em reunião a cuja gravação o Estado teve acesso, Luiza disse que a ordem foi do chefe de gabinete de Negromonte, Cássio Peixoto. A troca fez o custo do projeto saltar R$ 700 milhões, atingindo R$ 1,2 bilhão. A manobra começou em 6 de outubro, quando Luiza Vianna pediu ao autor do parecer, Higor Guerra, que o alterasse. Como ele se recusou, ela e a gerente de projetos, Cristina Soja, assinaram o novo texto, aproveitando o anterior, mas mudando a conclusão. (Págs. 1 e Nacional A4, A6 e A7)

Luiza Vianna
Diretora de Mobilidade Urbana

"Nota técnica de ninguém aqui é como música, não tem direito autoral. Nosso trabalho é para o governo, a nota técnica de vocês é para o governo" (Pág. 1)

Foto-legenda: Ponte que caiu no rio

Um trecho de 30 metros da Ponte dos Remédios despencou ontem; estrutura de ferro e concreto caiu no Rio Tietê. (Págs. 1 e Cidades C7)

Chevron é proibida de atuar no Brasil

Após vazamento, ANP suspende atividade da empresa

A Agência Nacional do Petróleo suspendeu, por tempo indeterminado, todas as atividades de perfuração no Brasil da empresa Chevron. Desde o dia 7, vazam de um poço da empresa americana na Bacia de Campos, no Rio, quantidades ainda pouco precisas de petróleo. Da decisão, tomada por ordem da presidente Dilma Rousseff, não cabe recurso. “A decisão se baseou nas análises e observações técnicas, que evidenciam negligência na apuração de dado fundamental para a perfuração", diz a ANP. O presidente da Chevron no Brasil, George Buck, pediu ontem desculpas pelo vazamento. (Págs. 1 e Vida A24)

Alemanha desafia UE, crise aumenta e dólar sobe

A Alemanha rejeitou plano da Comissão Europeia para a zona do euro e levou pessimismo aos mercados diante da indefinição sobre o futuro do bloco. Os investidores responderam com rejeição aos títulos alemães postos em leilão. Os problemas da Alemanha e más notícias da Grécia fizeram as bolsas caírem e o dólar subir. No Brasil, a moeda fechou a R$ 1,863, alta de 3,16%. (Págs. 1 e Economia B1)

China barra supercargueiro brasileiro

A Vale recebeu seu primeiro supercargueiro em maio, mas o navio ainda não obteve autorização para atracarem portos da China, destino de quase metade das exportações de minério de ferro da empresa, informa a correspondente Cláudia Trevisan. Transportadores chineses pressionam o governo a não permitir a utilização dessas embarcações no pais. (Págs. 1 e Economia B19)

Embraer negocia com a Força Aérea dos EUA

A Embraer está perto de fechar a venda de 15 a 20 unidades do Super Tucano para a Força Aérea americana, por cerca de USS 250 milhões. O benefício maior, porém, é a certificação dos EUA para o produto brasileiro. (Págs. 1 e Economia B22)

Só 7,4% dos cursos de Direito têm selo da OAB (Págs. 1 e Vida A26)

TVs Aparecida e Canção Nova são alvo de promotor (Págs. 1 e Nacional A16)

Dissidentes do MST retomam invasões em SP (Págs. 1 e Nacional A13)

Nordeste lidera ranking de homicídios

Estados do Nordeste lideram o ranking de assassinatos e estão entre os primeiros em casos de roubos no Pais, segundo o Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado ontem. (Págs. 1 e Cidades C1)

Após 33 anos, ditador do Iêmen deixa o poder

O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, assinou ontem acordo para transferir o poder a seu vice, Abd-Rabbu Mansour Hadi, em troca de imunidade judicial. O pacto encerra 33 anos de ditadura. (Págs. 1 e Internacional A17)

José Serra

De volta para o futuro

Algumas das características do regime republicano se perderam ao longo do tempo. Precisamos recuperar esse espírito para o Brasil avançar. (Págs. 1 e Espaço Aberto, A2)

Notas & Informações

O PAC continua devagar

Um dos motivos da execução lenta dos projetos é a conhecida deficiência gerencial do governo. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 51.98 MB

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 23/11/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos
Via Knuttz/Ueba

O baixinho e a cavala

Jornal O Dia em PDF, Quarta, 23 de Novembro de 2011

'Antes pegador que veado, né?', diz Caio Castro à revista
Rio - Caio Castro, o Antenor de ‘Fina Estampa’, fez comentário polêmico em entrevista à revista ‘Quem’, nas bancas hoje. O ator garante que ter fama de pegador não o incomoda em nada: “Se você não tem fama de pegador e é solteiro, fica com fama de veado. Então, antes pegador que veado, né?”. Só para lembrar, recentemente, notícias davam conta de um namoro entre Caio e a atriz Monique Alfradique, que também está na produção da Globo e interpreta Beatriz. Mas ele mesmo fez questão de desmentir para os fãs no Twitter, no início da semana: “Ok, nunca escondi nada de vocês. Eu não estou namorando com a Monique (Alfradique)! Continuo sendo só de vocês!”.
À publicação, ele afirma ainda que não quer ser o príncipe do imaginário feminino para sempre: “Não é a minha ideia ser bonitinho, galãzinho, fofinho para sempre. Antenor foi uma chance de mudar esse quadro. Não quero ficar estereotipado”. Se ele tem afinidades com o personagem? “Temos a ambição, mas a minha é diferente da dele, que é egoísta e só enxerga a si mesmo. Coisa que não sou. Ele passa por cima de quem tiver de passar. Antenor tinha vergonha da mãe, e eu sou total família, para mim família é tudo”.

Formato: PDF
Tamanho: 21.91 MB

Helicóptero cai ao instalar árvore de Natal | Auckland | New Zealand

Jornal O Estado de SP em PDF, Quarta, 23 de Novembro de 2011

BC aprovou venda mesmo com Panamericano sob suspeita

Banco Central tinha indícios de fraudes no banco de Sílvio Santos ao avalizar o negócio com a Caixa, em julho de 2010

O Banco Central já tinha indícios de irregularidades no Panamericano quando aprovou a venda de parte do banco para a Caixa Econômica Federal, em julho de 2010, informam David Friedlander, Fausto Macedo e Leandro Modé. Com a autorização, a Caixa pôde depositar a segunda e última parcela do negócio, no valor de R$ 232 milhões, segundo depoimento do vice-presidente de Finanças da Caixa, Márcio Percival, à Polícia Federal. Documentos internos do BC anexados aos processos que apuram as fraudes de R$ 4,3 bilhões no então banco de Silvio Santos mostram que os técnicos da instituição começaram a desconfiar do Panamericano em maio. Em julho, os inspetores investigavam uma diferença de cerca de R$ 4 bilhões na contabilização de carteiras de crédito cedidas a outras instituições financeiras. Foi nesse tipo de operação que se concentraram as fraudes que quebraram o banco. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)

Aval após auditoria

O Banco Central afirma que só aprovou a venda de parte do Panamericano para a Caixa em novembro de 2010, depois de o banco ter passado por auditoria. (Págs. 1 e Economia B3)

Pressionada, junta militar no Egito promete transição rápida

A junta militar que governa o Egito anunciou ontem uma eleição presidencial até o fim de junho e propôs um referendo sobre se as Forças Armadas devem deixar o poder agora. Depois do anúncio, a multidão concentrada na Praça Tahrir, no centro do Cairo, gritava “fora". Em quatro dias de confronto com forças de segurança, mais de 30 pessoas morreram. (Págs. 1 e Internacional A14)

Confronto

Soldados egípcios tentam conter manifestantes que protestavam na Praça Tahrir, no Cairo, ocupada por mais de 100 mil pessoas.

Abdel Monem Emam
Manifestante na Praça Tahrir

“A questão não são as eleições. Primeiro, precisamos lançar as bases do país. A questão é a dignidade dos cidadãos". (Pág. 1)

Corte de verba afeta vigilância de fronteira e PF protesta

Policiais federais decidiram fazer operação-padrão em protesto pelo adiamento do Plano Estratégico de Fronteira. O plano, que previa melhorar o trabalho e a estrutura em postos de fronteira, alguns em áreas inóspitas, sofreu cortes orçamentários. O mesmo aconteceu com o projeto de vigilância da Amazônia, que recebeu só um décimo do valor pedido pelo Exército. (Págs. 1 e Nacional A4)

ANP investiga acidente maior em poço de óleo

A Agência Nacional do Petróleo analisa a hipótese de o vazamento no Campo de Frade ter sido causado por ruptura do reservatório. Se a suspeita se confirmar, o acidente poderá ter "proporções gigantescas." (Págs. 1 e Vida A20)

Com apoio do Brasil, ONU condena repressão síria (Págs. 1 e Internacional A15)

Navio chega ao Rio com um morto e surto a bordo (Págs. 1 e Vida A21)

Em decisão inédita, Justiça afasta conselheiro do TCE (Págs. 1 e Nacional A10)

Rolf Kuntz

Outras prioridades

Ao incluir em sua agenda a regulação das ONGs, o Executivo deixa em segundo plano, mais uma vez, as safadezas ministeriais. (Págs. 1 e Economia B8)

Roberto Romano

A corrosão do caráter

Hoje, na USP, a militância aposenta a busca de "mudar o mundo". Sobram os coquetéis Molotov para a defesa da irrelevância absoluta, da morte. (Págs. 1 e Espaço Aberto, A2)


Roberto DaMatta

Mentira e politicagem

No momento em que o governo constitui uma Comissão da Verdade, um dos seus ministros mente de modo claro, aberto, insofismável. (Págs. 1 e Caderno 2, D12)

Notas & Informações

Crise nos EUA, risco global

A recuperação da economia deverá ser mais lenta do que se houvesse um plano para dez anos. (Págs. 1 e A3)

Clima pesado

Pessimismo ronda a Conferência do Clima da ONU (Págs. 1 e Planeta)

Formato: PDF
Tamanho: 34.04 MB

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Imagens engraçadas/curiosas - 22/11/2011

Clique na imagem abaixo para ver todas as fotos
Via Knuttz/Ueba

Super Interessante – Edição Especial: Steve Jobs – Ed. 296c

Lily

Oscar o gatinho cego ganha seus primeiros brinquedos

Concurso de fotografia National Geographic 2011

Mieders Alpine Coaster (Sem freios!!)

Crash Carnage 59

Os meninos e a farinha...

Jornal O Dia em PDF, Terça, 22 de Novembro de 2011

Lívia Andrade fala pela primeira vez sobre a proteção que tem de Silvio Santos: Rio - A troca de alfinetadas com Silvio Santos no quadro ‘Jogo dos Pontinhos’ rendeu frutos para Lívia Andrade. Considerada a ‘queridinha do patrão’, ela fala pela primeira vez sobre sua polêmica escalação no remake de ‘Carrossel’, no papel da professora Suzana, a rival da professorinha Helena (Rosane Mulholand), e seu envolvimento na demissão do diretor Del Rangel. Apesar da interferência do patrão para que ela entrasse na novela, a atriz jura que não tem favoritismo.

“Não sou protegida, senão ganharia muito bem, mais do que ganho. Silvio não protege nem as filhas. É muito exigente e profissional”, diz ela.

Nos bastidores, Lívia é apontada como pivô da saída de Del Rangel, que não teria atendido ao pedido de Silvio para escalá-la como protagonista. Atriz nega que sofra preconceito na emissora. “Não tenho problema algum com o Del, até porque ele me dirigiu em ‘Corações Feridos’. Me chamaram para fazer testes em ‘Carrossel’ independentemente do papel que eu faria. Isso tudo partiu do Silvio”, diz. No último domingo, Lívia e Silvio extrapolaram mais uma vez nas brincadeiras picantes. Ela disse que odiava homens com pelos saindo do nariz e perguntou se o patrão tinha cabelo na narina. O apresentador respondeu que não interessava e emendou: “Você quer ver onde eu tenho cabelo? Eu te mostro!”.

“Às vezes, me assusto com o que digo e, quando vejo o programa, acho até que tem coisa que podia ser cortada. Mas nada ali é combinado”, garante a atriz, que é casada há sete anos com o comerciante Nilton Fagnani. “No começo, Silvio perguntou se podia pegar pesado comigo por causa do meu marido”, recorda. SILVIO QUER OUVIR BESTEIRA’

SEM PAPAS NA LÍNGUA
Lívia Andrade conta que só responde às provocações do patrão, a quem já chamou de múmia e ‘véio surdo’: “Ele me enche o saco, me provoca, porque quer ouvir besteira”.

CIRURGIA NO SEIO
“Meus seios cresceram. Me achava gorda na TV e pesava muito, por isso fiz a cirurgia”, conta ela, que reduziu a mama e trocou as próteses de silicone de 355ml por outras de 260ml.

CAIPIRA DESCALÇA
Em ‘Corações Feridos’, que estreia em janeiro, ela viverá a empregada Janaína, apaixonada pelo patrão, Eduardo (Flávio Tolezani). “É caipira, meio selvagem”, conta ela, que não usará maquiagem e andará descalça.

ENSAIO NU
“Não me arrependo de ter explorado minha imagem, meu corpo, era o meu trabalho. Mas agora não posaria nua”, afirma Lívia, que já fez ‘Playboy’ e ‘Sexy’.

Formato: PDF
Tamanho: 30.03 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Terça, 22 de Novembro de 2011

Multada em R$ 150 milhões, Chevron é acusada de mentir

Petrolífera deu 'informações falsas' sobre plano para conter vazamento no Rio; empresa pode recorrer

O governo federal anunciou ontem a aplicação de três multas de R$ 50 milhões cada à companhia petrolífera Chevron, responsável pelo vazamento, há duas semanas, de milhares de litros de óleo no Campo de Frade, na Bacia de Campos (RJ). A empresa pode recorrer de duas das multas. A Agência Nacional de Petróleo advertiu que a empresa americana poderá perder o direito de participar da exploração do petróleo do pré-sal. A avaliação do governo é que a empresa foi irresponsável e negligente. Omitiu informações e induziu a ANP ao erro. Nas palavras do presidente da agência, Haroldo Lima, a Chevron "ficou em situação muito complicada". Segundo ele, a empresa deu "informações falsas" sobre o plano de emergência para conter o vazamento. O presidente da Chevron, George Buck, disse que a companhia assume toda a responsabilidade pelo acidente e que deve rever seu plano de contingência. (Págs. 1 e Vida A20)

Haroldo Lima
Presidente da ANP

'Trabalhamos com informações falsas quando aprovamos o plano (de contenção). A empresa não tinha o equipamento necessário'

Repressão faz gabinete egípcio renunciar

A uma semana das eleições, as primeiras desde a queda do ditador Hosni Mubarak, em fevereiro, o Egito vive grave crise política. Ministros apresentaram renúncia à junta militar que governa o país. O pedido foi um protesto contra a repressão aos ativistas pró-democracia - nos últimos três dias, 33 pessoas morreram. Os manifestantes voltaram a ocupar a Praça Tahrir, principal palco do movimento que derrubou Mubarak. Eles pedem a renúncia imediata do marechal Hussein Tantawi, ministro da Defesa que lidera a junta militar, e exigem a formação de um conselho civil. (Págs. 1 e Internacional A14)

Foto-legenda: Campo de batalha. Manifestante devolve bomba de gás contra forças de repressão na Praça Tahrir: em três dias, confrontos deixaram 33 mortos (Pág. 1)

Estudo militar mostra Forças Armadas do Pais sucateadas

Documento dos comandos militares repassado ao Planalto mostra o sucateamento de equipamentos das Forças Armadas, relata Tânia Monteiro. A Marinha, que policia o pré-sal, não tem condições de fazer decolar nem um avião sequer do porta-aviões São Paulo. Para os militares, isso esvazia a pretensão do País de ser membro pleno do Conselho de Segurança da ONU. (Págs. 1 e Nacional A4)

Crise derruba bolsas e dólar supera R$ 1,80

O impasse sobre os planos para a redução do déficit dos EUA e as preocupações com a Europa derrubaram as principais bolsas ontem. A vitória do conservador Partido Popular na Espanha foi insuficiente para acalmar os investidores. No Brasil, a piora do ambiente econômico global se refletiu no dólar, que chegou a R$ 1,806, a maior cotação desde 20 de outubro. (Págs. 1 e Economia B1)

Erro: Quatro anos de injustiça

O motorista Fabiano Russi, 35 anos, foi solto em outubro, após 4 anos preso por engano. Em 1998, sua foto foi parar nos arquivos policiais por uma confusão num ônibus e, três anos depois, foi apontado como assaltante. (Págs. 1 e Cidades C4)

Blitz antiálcool multa até em festa de 15 anos (Págs. 1 e Cidades C1)

Dora Kramer

De cabeça para baixo

Quando aceita que decidam sobre ministérios, Dilma parece mais ser "presidida" pelas legendas de sua coalizão do que presidi-las. (Págs. 1 e Nacional A6)


Jorge Barbosa Pontes

Traidores da sociedade

A corrupção de agentes públicos é um flagelo muito mais destrutivo do que o tráfico de drogas nos morros, até porque um levou ao outro. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Notas & Informações

Vai-se o oitavo governo

Para a imensa maioria dos espanhóis, a vida vai piorar antes de começar a melhorar. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 55.65 MB

domingo, 20 de novembro de 2011

Céus HDR

Kikiu, queria vc ao meu lado assistindo esse vídeo.

Amyr Klink – O que é ser rico

Jornal O Dia em PDF, Domingo, 20 de Novembro de 2011

Decisões mais ágeis podem render ganho maior em ações
Justiça do Rio promoverá rodada permanente de conciliações, a partir do ano que vem

Rio - Aliada dos segurados da Previdência e da Justiça, a conciliação passou a ser vista também como saída ideal para o INSS. Para desafogar varas judiciais de ações contra o instituto, o Tribunal Regional Federal do Rio (TRF2) e a Previdência, em parceria, planejam implantar, em 2012, um núcleo permanente no Rio para fechar acordos. Agilidade e ganho maior são vantagens para aposentados e pensionistas.

Em entrevista à Coluna, o desembargador federal Guilherme Calmon explica que, a exemplo do que vai ocorrer na Semana Nacional de Conciliação, o posto de atendimento fixo vai intermediar soluções amigáveis entre segurados e INSS. Segundo ele, diretor do Núcleo Permanente de Conciliações do TRF2, a negociação se reverte em ganhos expressivos para aposentados e pensionistas.

Em casos de processos em juizados, o tempo de espera por uma decisão cai em um ano e meio a dois anos. Já a quantia a receber varia de 80% até 90% do esperado. Um exemplo é a ação do teto previdenciário, em que segurados garantiram valor médio de atrasados de R$11.586.

Quanto mais cedo o acordo é fechado, mais vantagens o segurado tem. Quando o processo está ainda na primeira instância, o ganho é maior. Mas na fase de execução, próximo da sentença, a margem de negociação é menor, com desfecho previsível.

5 minutos com Guilherme Calmon, desembargador federal

No próximo dia 28 de novembro, o Tribunal de Justiça do Rio dá partida em um projeto especial. Segurados sentarão à mesa de negociações com procuradores do INSS. Serão analisados 359 processos previdenciários relativos a restabelecimentos de pensões e auxílios-doença. A iniciativa — firmada em parceria com o INSS — vai se tornar uma ação permanente em 2012.

1. O que falta para que a conciliação com o INSS ganhe mais força? A Justiça conta com o apoio da Previdência Social?
— A procuradoria do INSS tem se mostrado muito interessada em fazer acordos com segurados e até nos pediu que incluíssemos o maior número possível de casos na Semana de Conciliações. Os mutirões ainda são esporádicos, mas a ideia é que se tornem permanentes a partir de 2012.

2. Há data para o início das atividades? O que falta ser acertado?
— O projeto vai entrar em prática assim que o tribunal terminar o levantamento de ações existentes contra o instituto, verificar os casos possíveis de conciliação e estabelecer as metas. Provavelmente em fevereiro, será criado um núcleo para acordos no TRF2. Será um espaço com procuradores federais e peritos do INSS para verificar a possibilidade de acordos para processos que chegam ao tribunal.

Como entrar

- Para inclusão de um processo em audiências de conciliação, basta que o advogado faça uma petição.
- Quem não tem advogado pode solicitar a participação por e-mail ao Núcleo Permanente de Conciliações do TRF2. O endereço eletrônico é conciliar@trf2.jus.br.
- É preciso enviar nome completo, CPF, número do processo, detalhes da ação e expressar, com clareza, o interesse de que o processo seja incluído em mutirão de conciliação.
- Não são cobradas taxas ou custas judiciais de qualquer tipo na prestação do serviço.

Formato: PDF
Tamanho: 41.98 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Domingo, 20 de Novembro de 2011

Crise faz imigração legal para o Brasil crescer 52% em 1 ano

Oportunidades de trabalho no País também favorecem a atração de mão de obra estrangeira; portugueses lideram lista, com mais de meio milhão desde 2010.

O número de regularizações de estrangeiros que buscam uma oportunidade de vida no País saltou de 961 mil no ano passado para 1,466 milhão registrados até junho, um aumento de 52,5%, mostram dados do Ministério da Justiça. Os portugueses lideram no primeiro semestre deste ano, 328.826 deles conseguiram regularizar a sua situação, contra 276.703 no mesmo período de 2010. Em seguida aparecem os bolivianos. O Brasil acertou a situação de 35.092 deles em 2010 e outros 50.640 agora, em 2011. Para o governo, o fenômeno se explica pelas oportunidades de trabalho no Brasil e a crise econômica na Europa. Nas autorizações de trabalho permanente para profissionais como diretores e gerentes, o País inclui cerca de 700 deles por semestre no mercado. (Págs. 1, A4, A6 e A7)

Fotolegenda: Usina de contradições

Desde que a hidrelétrica de Belo Monte começou a ser erguida, Altamira (PA) vive sob intensa agitação, informa a enviada especial Renée Pereira. A prosperidade é evidente, mas problemas como trânsito e violência também crescem. (Págs. 1, B16 e B17)

Espanhóis vão às urnas para punir governo de Zapatero

Após anos de crescimento, a Espanha vai às urnas hoje em clima de fim de festa, informa o enviado especial Jamil Chade. Os 35 milhões de eleitores esperam dar uma resposta à crise em que vivem. Mesmo não sendo o único responsável, o governo socialista do premiê José Luiz Zapatero deverá perder para o direitista Mariano Rajoy. (Págs. 1 e A16)

Endividado, brasileiro ganha mais crédito

O governo incentiva o crédito para consumo num momento, em tese, delicado: nunca os brasileiros deveram tanto e comprometeram parcela tão grande do salário para pagar dívidas. Em média, cada um deve atualmente R$ 3.724 a financeiras e bancos. (Págs. 1 e B1)

Rio regulariza favelas e abre especulação

A pacificação de mais de 20 favelas acelerou o maior movimento de regularização de terras em favelas da história do Rio. Especialistas temem que moradores não resistam à valorização e vendam suas casas para morar na periferia. (Págs. 1 e C8)

João Bosco Rabello: A coalização de fachada

A crise no Ministério do Trabalho expõe o quão fictício é o governo de coalizão montado com partidos que se traduzem por blocos fisiológicos. (Págs. 1 e A10)

Notas & Informações

Ainda a herança pesada

As contas do PAC deixadas por Lula impedem Dilma de iniciar obras prioritárias. (Págs. 1 e A3)

Principal
Formato: PDF
Tamanho: 93.60 MB

Cadernos: Autos & Imóveis
Formato: PDF
Tamanho: 46.59 MB