terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Jornal O Dia em PDF, Terça, 10 de Janeiro de 2012

Mais 168 mil aposentados são incluídos na lista do teto: Rio - O INSS incluiu mais 168.582 aposentados e pensionistas em todo o País na lista de pagamento administrativo sobre a ação de revisão do teto previdenciário. A primeira relação de beneficiários, divulgada em agosto do ano passado, contava com 127 mil segurados.

Segundo o INSS, outros 2.788 benefícios em análise podem ser incluídos no pagamento direto, sem que o segurado tenha que recorrer à Justiça. Os casos são avaliados pela Divisão de Revisão de Direitos e Coordenação Geral de Reconhecimento de Direitos da Diretoria de Benefícios do instituto.

O órgão garante que, a cada lote apurado, a lista para consulta é atualizada no portal do Ministério da Previdência Social, http://www.previdencia.gov.br/. O segurado também é informado da revisão por meio de carta e ligando para a central 135.

Atenção aos valores

Segurados que discordarem dos valores devem procurar a Federação das Associações dos Aposentados e Pensionistas (Faaperj), o Sindicato dos Aposentados da Força Sindical ou outra entidade de classe. Por meio de assessoria jurídica gratuita, será possível refazer os cálculos com contadores especializados na área de Previdência Social e atestar se a quantia paga é menor do que a devida.

Caso fique confirmado algum erro, o segurado pode pedir revisão das contas no posto do INSS ou procurar diretamente a Justiça. Isso porque a questão já foi julgada pelo Supremo Tribunal Federal.

Quem tem direito a receber correção

- Tem direito à revisão dos benefícios e ao pagamento de atrasados de cinco anos quem contribuía acima do teto previdenciário e teve o valor do ganho limitado a R$ 1.081,50, em 1998, e R$ 1.869,34, em 2004.

- Para saber se estão enquadrado na regra, aposentados ou pensionistas devem conferir se a Carta de Concessão do benefício traz a inscrição ‘limitado ao teto’ ou ‘100%’. Quem não tem o documento precisa pedir uma segunda via ao INSS.

- Não terão direito à correção administrativa os benefícios com data de início anterior a 5 de abril de 1991 e posteriores a 1º de janeiro de 2004.

- Também estão fora da revisão aposentados que não tiveram o ganho limitado ao teto na data da concessão e os precedidos de benefícios (como auxílio-doença) com data anterior a 5 de abril de 1991.

Formato: PDF
Tamanho: 19.81 MB

Jornal O Globo em PDF, Terça, 10 de Janeiro de 2012

Águas de janeiro - Chuvas matam11 e deixam 15 soterrados na divisa MG-RJ
Estado do Rio já tem 10 mil desalojados e dois mil desabrigados

Na maior tragédia das chuvas deste ano na Região Sudeste, pelo menos oito pessoas - seis adultos e duas crianças - morreram ontem em consequência dos deslizamentos em Jamapará, distrito de Sapucaia, a 165 quilômetros do Rio, e três em Além Paraíba - na divisa MG-RJ. Nove casas foram atingidas e 59 famílias ficaram desalojadas. Segundo o Corpo de Bombeiros, ainda há 15 pessoas desaparecidas. Além dessas, já haviam sido registradas outras duas mortes, elevando para dez o total de óbitos no estado em consequência das enchentes. O prefeito de Sapucaia, Anderson Zanon, disse que todo o distrito de Jamapará está assentado em área de risco. Segundo a Defesa Civil, o Rio já tem mais de 10 mil desalojados (pessoas fora de casa) e cerca de 2 mil desabrigados. (Págs. 1 e 12 a 14)

Governo cria força-tarefa contra cheias

O governo anunciou ontem medidas para combater os efeitos das chuvas na Região Sudeste: uma força-tarefa de emergência, com 50 geólogos e hidrólogos, irá às áreas afetadas, e R$ 444 milhões para obras serão liberados. (Págs. 1 e 3)

Alimentos sobem até 150%

Com as chuvas intensas de janeiro, os preços dos alimentos estão sofrendo reajustes. Legumes começam a ser vendidos, na Ceasa do Rio, com altas de até 150%, com reflexos na inflação. (Págs. 1 e 22)
Energia do deserto
Um projeto envolvendo 50 empresas alemãs visa a suprir a demanda energética da Europa com energia solar do Saara. (Págs. 1 e Planeta Terra)

Classe média terá FGTS para construir
O Conselho Curador do Fundo deverá aprovar hoje o uso de recursos do FGTS para financiar a compra de material de construção para quem ganha mais de R$ 5.400. O valor máximo de financiamento é de R$ 20 mil e o pagamento em 120 meses. A promessa é juros abaixo do mercado. (Págs. 1 e 21)

Burocracia paralisa pesquisas
Mais de 400 cientistas do Instituto de Ciências Biológicas da UFRJ estão de braços cruzados há quase seis meses por causa da burocracia. A Receita Federal não libera peças de reposição de um microscópio. (Págs. 1 e 27)

Interditados dois postos fraudulentos
A polícia interditou ontem dois postos de gasolina acusados de furtar combustível de quem abastecia o carro. Num deles, em Jacarepaguá, o cliente pagava pelos 20 litros, mas recebia 18. Dois funcionários foram presos. (Págs. 1 e 17)

Taxação sobre mercado tem apoio de Merkel
O presidente francês, Nicolas Sarkozy, obteve o apoio da chanceler alemã, Angela Merkel, para a criação de um imposto sobre transações financeiras, que será votado em março. O dinheiro vai socorrer economias em crise. (Págs. 1 e 19)

Romney tenta se consolidar em New Hampshire
Favorito nas primárias de New Hampshire, o ex-governador Mitt Romney busca uma vitória republicana inédita hoje, após vencer em Iowa, com oito votos de diferença. Ele precisa de uma vantagem expressiva para se consolidar. (Págs. 1 e 25)

Formato: PDF
Tamanho: 11.45 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Terça, 10 de Janeiro de 2012

Plano federal previa polícia na cracolândia só em abril
Ação começaria em fevereiro com reforço médico e social; governo paulista diz desconhecer cronograma

O cronograma federal para ações na cracolândia, obtido pelo Estado, previa que a polícia só começaria a atuar em abril. A proposta, para ser discutida com os governos estadual e municipal de São Paulo, era fortalecer os serviços de retaguarda em saúde e proteção social a partir de fevereiro. Depois, em abril, seriam criadas bases móveis da PM. Além de São Paulo, estão previstas ações no Rio, no Recife, em Salvador, no Distrito Federal e em Porto Alegre. Como São Paulo interveio na cracolândia já em janeiro, com a PM, acabou não avançando nas discussões com o Planalto. A Secretaria de Justiça paulista informou que não teve acesso a nenhum documento federal com um cronograma para agir na cracolândia. (Págs. 1 e Cidades C1)

Abuso policial é denunciado

Uma usuária na cracolândia diz que foi alvo de bala de borracha disparada deliberadamente pela PM. (Págs. 1 e Cidades C1)

Debate
A intervenção deveria começar com a PM?

Sim. Eloisa de Sousa Arruda, secretária de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania, afirma que a Polícia Militar é fundamental para quebrar a estrutura logística do tráfico e coibir a atuação dos traficantes. O tráfico, diz, atrapalhava o trabalho dos agentes de saúde.

Não. Ana Cecília Roselli Marques, psiquiatra e pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisa sobre Drogas, diz que as ações na cracolândia de São Paulo são caóticas. A polícia, afirma ela, não compreende o papel que deve cumprir.

Passeio sensorial
Fernando Gabeira traça um retrato de Noronha. (Págs. 1 e Viagem)

Foto-legenda: Uma nova tragédia
Bombeiros resgatam corpo em Sapucaia, no Rio: deslizamentos de terra mataram oito pessoas, entre elas duas crianças, e 15 continuavam desaparecidas; em Minas, o número de mortes provocadas pela chuva desde o fim do ano passado chega a 15. (Págs. 1 e Cidades C3)

Irã condena à morte americano acusado de espionagem
Em meio à forte tensão entre Irã e EUA, a Justiça iraniana condenou à morte um cidadão americano acusado de espionagem. Fuzileiro naval da reserva, Amir Mirza Hekmati tem cidadania iraniana e americana e foi acusado de trabalhar para a CIA. O governo dos EUA nega. Ontem, a ONU confirmou que o Irã começou a enriquecer urânio em mais uma usina. (Págs. 1 e Internacional A8)

Bezerra criou comitê em ministério e nomeou o tio
O ex-deputado Osvaldo Coelho, tio do ministro Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional), foi nomeado há 4 meses pelo sobrinho para integrar comitê para o desenvolvimento da agricultura irrigada, criado dias antes. Trata-se do segundo integrante da família em cargo subordinado ao ministro. A lei proíbe nomeação de parentes. (Págs. 1 e Nacional A4)

Trânsito: Ministro na escolinha
Há dois anos sem carteira de habilitação por excesso de multas, o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) aproveitou as férias para fazer o curso de reciclagem para motoristas em Brasília. Ele reconhece que a maioria das infrações foi por excesso de velocidade e por uso de celular ao volante: “É melhor fazer logo do que tentar dar jeitinho. Isso nunca funciona", disse. (Págs. 1 e Cidades C6)

Brasil estuda impor barreiras a celular chinês (Págs. 1 e Economia B1)

Desembargador recebeu R$ 500 mil "antecipados" (Págs. 1 e Nacional A6)

UE cobra compensação por poluição de aviões (Págs. 1 e Vida A11)

José Paulo Kupfer
Flexibilidade como regra

O sistema brasileiro de metas de inflação tem se mostrado um instrumento eficaz na absorção das turbulências da economia global. (Págs. 1 e Economia B5)

Dora Kramer
Efeito efêmero

Uma vitória substancial nas eleições deste ano não é garantia de uma colheita de votos tão boa quanto daqui a dois anos. (Págs. 1 e Nacional A6)

Notas & Informações
Descuidos bilionários

Há muito tempo o governo é incapaz de entregar obras em condições de funcionamento. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 27.29 MB

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

360 horas...

Mais rápido, somente os estádios da copa do mundo no Brasil....ehehheh

AWESOMEFEST 2011 : THE FILM

Ghost Rider 666 - Turbobusa Fun

Jornal O Globo em PDF, Segunda, 09 de Janeiro de 2012

Águas de janeiro - De 75 pontes previstas para a Serra, só uma foi construída
União destinou R$ 79 milhões, mas estado alega que natureza prejudicou obras

Um ano depois da maior tragédia climática do país, que atingiu a Região Serrana, o governo do estado só reconstruiu uma das 75 pontes previstas para dez cidades do interior fluminense. Mesmo assim, ela funciona em meia pista porque a construção, em Bom Jardim, não foi totalmente concluída. O estado recebeu da União R$ 79,5 milhões para as obras, mas o vice-governador alega que o atraso foi porque as enxurradas mudaram as margens dos rios e o volume d'água sob as pontes. Técnicos do governo federal apontaram irregularidades nos projetos. A situação piorou em Cardoso Moreira, onde um dique se rompeu ontem e, no sábado, uma queda de barreira praticamente isolou a cidade. (Págs. 1, 11 e 12)

Plano antienchente sai hoje

Depois de uma semana de chuva e pelo menos 12 mortes, cinco ministros apresentam hoje a Dilma um plano para minimizar efeitos das enchentes no Sudeste e da estiagem no Sul. O ministro Fernando Bezerra vai também se explicar sobre denúncias de favorecimento. Em Minas, voltou a chover. (Págs. 1 e 5)

Foto-legenda: Parte da estrada MG-20 destruída pela chuva de ontem: em Minas, as enchentes mataram 12 pessoas e levaram 103 cidades a decretar estado de emergência.

Alemanha e França: ação contra crise
Merkel e Sarkozy vão propor medidas para a Europa voltar a crescer e reduzir desemprego

Em encontro hoje, em Berlim, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, vão propor novas medidas para a Europa enfrentar a crise econômica, incluindo a disciplina orçamentária e a redução da dívida na zona do euro. O objetivo das medidas é reativar o crescimento e diminuir o desemprego entre os jovens, permitindo maior mobilidade dos trabalhadores entre os países. O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, disse que vetará um imposto europeu sobre transações financeiras, a menos que a medida seja adotada globalmente, aprofundando o confronto com Alemanha e França. (Págs. 1 e 17)

Reforma penal prevê tornar crime jogo do bicho
A Comissão Especial criada no Senado já definiu as principais propostas para a maior reforma a ser realizada no Código Penal. Entre elas, criminalizar o jogo do bicho, que hoje é considerado contravenção, tipificar o crime de terrorismo e aumentar a pena a ser cumprida em casos de crimes hediondos. Outra recomendação é aumentar as alternativas para o aborto legal. (Págs. 1 e 3)

Petrobras tem 2ª pior perda global na Bolsa
Com a crise, a Petrobras registrou no ano passado a segunda maior perda de valor de mercado do mundo: US$ 72 bilhões. Caiu duas posições, para 5º lugar, entre as maiores petroleiras. Analistas se dividem sobre a recuperação das ações este ano. (Págs. 1 e 19)

Afastado do Brasil e isolado, Irã busca novos aliados latinos (Págs. 1 e 20)

Formato: Rar | PDF
Tamanho: 6.56 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Segunda, 09 de Janeiro de 2012

Escassez de imóveis para alugar é a maior em 10 anos
Falta atinge setores residencial e comercial; procura faz aluguel de escritórios no Rio ficar mais caro que em NY

A forte procura por imóveis residendais e comerciais para alugar fez a taxa de vacância recuar em 2011 para o menor nível dos últimos dez anos, e o valor do aluguel explodiu, mostram empresas do setor. Os imóveis residenciais mais procurados são apartamentos de um e dois dormitórios, cujos alugueis subiram quase 20%. No segmento comercial, áreas para escritórios no Itaim, em São Paulo, e no Leblon, Rio de Janeiro, são as mais cobiçadas. Pesquisa indica que a aluguel do metro quadrado de escritório no Rio chegou a US$ 69,40, ante US$ 62,60 em Nova York. O terceiro lugar desse ranking das regiões com aluguel comercial mais alto, à frente de Washington, também é ocupado pelo Brasil, mas pelo polo de escritórios de São Paulo, onde o metro quadrado está em US$ 60,30. (Págs. 1 e Economia B1)

4,2% foi a taxa média de vacância de escritórios em São Paulo no terceiro trimestre de 2011. No Rio, ficou em 3,1%.

Pressionado, Bezerra dirá a Dilma que quer ficar no cargo
O ministro Fernando Bezerra Coelho (Integração) dirá a Dilma Rousseff, se a presidente questioná-lo, que prefere ficar no cargo a se candidatar a prefeito do Recife, relata Marta Salomon. Bezerra, que favoreceu Pernambuco com verbas antienchente, não acredita que será demitido - o governador Eduardo Campos (PSB-PE), aliado do Planalto, é seu padrinho político. (Págs. 1 e Nacional A4)

Foto-legenda: Redação da Fuvest tem tema político
Em faculdade na Vila Leopoldina, candidatos aguardam a segunda fase da Fuvest, cuja redação, considerada difícil por vários estudantes, teve como tema a participação dos cidadãos na política - a prova perguntava se essa participação era 'indispensável' ou 'superada'. (Págs. 1 e Vida A12)

PM escolta 'procissão do crack'
Com o tráfico a todo vapor, restou a Polícia Militar, no primeiro fim de semana após a ocupação da cracolândia, escoltar pelas ruas do centro de São Paulo grupos de até cem pessoas, numa “procissão do crack", relata o repórter William Cardoso. Em alguns momentos de
“folga" na caminhada forçada imposta pela polícia, os grupos paravam para acender os cachimbos e voltavam a andar, sem destino. “A gente só vai enxugar gelo”, admitiu um policial, que, como outros colegas, demonstrava cansaço. (Págs. 1 e Cidades C1)

EUA responderão 'com força' ao Irã (Págs. 1 e Internacional A9)

Guia de diabete tenta evitar amputações (Págs. 1 e Vida A10)

Shlomo Ben-Ami
Os danos da guerra

A retirada dos EUA do Iraque, numa grave crise da frágil ordem política do país árabe, encerra um capítulo trágico da história americana. (Págs. 1 e Visão Global A8)

Notas & Informações
Diversificar as exportações

O Brasil vem perdendo espaço nas exportações de produtos manufaturados. (Págs. 1 e A3)

Formato: PDF
Tamanho: 24.10 MB

domingo, 8 de janeiro de 2012

Jornal O Dia em PDF, Domingo, 08 de Janeiro de 2012

Ela é beleza pura

POR LUCAS MORETTI

Rio - Bruna Marquezine cresceu. Ela, que começou na TV com 5 anos, está com pinta de mulherão, é alta, tem um corpão, já mexe com o imaginário masculino, mas ainda é uma menina. Com apenas 16 anos, em ‘Aquele Beijo’ ela contracena com um dos jovens galãs mais cobiçados do momento, Fiuk, mas não liga para isso. Com maturidade, ela garante que nunca ficará grávida ‘por acidente’, como aconteceu com Belezinha, sua personagem na novela, e guarda sua virgindade para alguém especial.

>>FOTOGALERIA: Confira o ensaio de Bruna Marquezine

A atriz se assusta com a idade que as meninas, hoje em dia, têm sua primeira relação sexual.
“Para a mulher, a primeira vez é muito mais marcante que para o homem. Não é uma coisa para ser lembrada como ‘não sei, foi mais ou menos’. É para ser lembrada como uma coisa legal, com alguém que você gosta, em um momento superbacana. Está tudo tão banalizado. ‘Saí, peguei cinco...’. Isso era coisa de homem e hoje é de mulher também. São várias meninas fazendo isso, o que me assusta um pouco”, explica.

Mas isso não quer dizer que Bruna seja uma santinha. “Não é que eu não fique com ninguém. Muito pelo contrário. Mas não sou do tipo que fica com qualquer um. Não é errado ficar com vários. Mas é que não sou eu. Costumo conhecer melhor. Sou mais careta”, diz.

Romântica, ela já teve alguns namoradinhos, mas, hoje, está solteira e tem dificuldades em se apaixonar. “Acho que isso se perdeu um pouco. As meninas não se dão mais valor e os homens estão cada vez mais pilantras”, dispara a atriz.

Em cena, ela está grávida e é apaixonada por um típico cafajeste, o Agenor (Fiuk). O ator, na vida real, namora, mas é um pegador nato. Por causa de suas experiências, ele já disse que as mulheres deveriam segurar a periquita. “Não com essas palavras, mas concordo com ele. Está tudo muito banalizado. Gosto dessa coisa da conquista, do romance. Mas cada um faz o que quiser”, despista.

Justamente por contracenar com o filho de Fábio Jr. e estar prestes a se casar com ele na trama, Bruna está realizando o sonho de muita menina. Mas não o dela, que nunca fez coro ao frisson pelo galã. “Não o conhecia antes. É um ótimo ator. As fãs dele já vieram falar comigo no Twitter. Foram todas umas fofas”, resume.

Sem ligar para ídolos teen, Bruna sabe muito bem o que o rapaz precisa para conquistar seu coração. “Sou romântica, mas não sou melosa. Não gosto de pessoa muito grudenta. Antes de tudo, tem que ser um parceiro. Ninguém é obrigado a ficar junto com alguém”, conclui.

Ela jura que nunca se entregaria como Belezinha. “Jamais entraria em uma situação como essa. Acho que quem tem medo é quem faz escondido e sabe que está fazendo besteira. Se você tem o acompanhamento dos seus pais, vai ao médico antes e usa proteção, está fazendo tudo certinho”, garante.

Se estivesse na pele da personagem, Bruna não saberia o que fazer. “Nunca parei para pensar. É uma situação complicada. Um filho é uma bênção. Mas, dependendo da hora, na situação que vem, pode trazer danos. Filho custa caro, a mãe tem que estar psicologicamente e financeiramente bem. No caso da Belezinha, vai atrapalhar muito a vida dela e acabar com seu sonho de miss. É bom para cortar quem pensa: ‘Ah, não vai acontecer’. Claro que não, pode acontecer”, reflete ela, que sonha, um dia, ser mãe.

Formato: PDF
Tamanho: 51.78 MB

Jornal O Globo em PDF, Domingo, 08 de Janeiro de 2012

A vida que renasce da tragédia
Um ano depois, sobreviventes da enxurrada na Serra ainda lutam para retomar a rotina

Um ano após a tragédia na Serra, que deixou 918 mortos e 215 desaparecidos, Verônica Dutra e o marido, Fernando Pfister, preparam-se para a chegada de um bebê. Verônica, que perdeu os quatro filhos na enxurrada e não podia mais engravidar, fez inseminação artificial, paga por um empresário, que também doou uma casa para a família. Como outros sobreviventes, o casal tenta reconstruir a vida. Já a reconstrução das cidades patina na lama. O cenário é quase o mesmo de um ano atrás.

Aproveitadores encheram os bolsos com a catástrofe.

União cobra de volta R$ 10 milhões que foram desviados. (Pág. 1 e Caderno Especial)

Coiotes alimentam tráfico de haitianos
Imigrantes ilegais relatam casos de roubo, estupros e mortes na viagem para o Brasil

Um mesmo roteiro foi seguido pelos quase 2 mil haitianos que entraram ilegalmente no Acre. Todos compraram um pacote de viagem por 2,6 mil numa agência da República Dominicana, viajaram para Panamá, Lima e, de ônibus ou a pé, entraram no Brasil. Muitos, no meio do trajeto, caíram nas mãos de coiotes – agentes de rede de tráfico de pessoas, mais comumente vistos na fronteira entre México e EUA. Os haitianos pagaram seguidos pedágios de US$ 50, foram roubados e há relatos de estupros e mortes no caminho. No Brasil, o sonho de ganhar salários de até R$ 4 mil virou decepção, conta CLEIDE CARVALHO. (Págs. 1, 3 e 4)

Caetano Veloso
Apesar da fase sombria, a Bahia manda dizer que está viva. (Pág. 1 e Segundo Caderno)

O martírio público do Senhor Diretas
Como Ulysses sofreu com os boatos e especulações sobre sua doença. (Págs. 1 e 14)

Formato: PDF
Tamanho: 29.09 MB

Jornal O Estado de SP em PDF, Domingo, 08 de Janeiro de 2012

Brasil entra em 2012 como preferido dos investidores
Captação externa mostra que otimismo com o País permanece, mas situação europeia é ameaça

Nos cinco primeiros dias úteis de 2012, o Tesouro e duas empresas privadas captaram juntos US$ 2,6 bilhões no mercado externo, o que mostra que o Brasil se mantém no centro do interesse dos investidores globais. Se esse ritmo fosse mantido pelas outras 51 semanas do ano, seria três vezes superior ao de 2011, quando as emissões atingiram US$ 38,5 bilhões. O Estado apurou que muitas empresas, entre as quais Itaú, Banco do Brasil e Petrobrás, estão na fila aguardando a chance de levantar dinheiro. Mas a situação europeia pode comprometer essa janela de oportunidade. Executivos alertam que, de fevereiro a abril, países problemáticos – Espanha, Itália, Portugal e Grécia – terão altos volumes de dívida para refinanciar. (Págs. 1 e Economia, B1)

Economia sustentável

O economista Edmar Bacha diz que o Brasil precisa aproveitar a alta das commodities para promover o crescimento sustentável. (Págs. 1 e Economia, B4)

Especial: o Brasil que inova
Cidades onde nasce a tecnologia

O Estado inicia hoje uma série de reportagens sobre os polos tecnológicos do Brasil. Cidades como São José dos Campos (SP) veem surgir empresas de alta tecnologia ao redor de universidades. (Págs. 1 e Economia, B10 e B11)

Haiti: Lei da Selva
Dois anos depois do terremoto que arrasou o Haiti, 500 mil pessoas seguem vivendo em barracas e, na divisão da ajuda humanitária, prevalece a lei do mais forte, relata o enviado especial Lourival Sant'Anna. (Págs. 1 e Internacional, A17)

Fot-legenda: Marie-Claire: 'A comida fica com os mais fortes'

Aliás
Tratada como um animal

Sobrevivente do regime repressivo da Coreia do Norte, Kim Hyesook relata a Jamil Chade as humilhações dos campos de concentração. Ela presenciou execuções e canibalismo. “Éramos animais.” (Págs. 1 e J8)

Ministro faz de Petrolina uma terra sem crise
O ministro Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional), que privilegiou Pernambuco na destinação de verbas, virou “embaixador” de Petrolina, onde pretende eleger o filho prefeito. Em dezembro, ele liberou R$ 35,7 milhões para obras. (Págs. 1 e Nacional, A4)

Brasileiras com prótese de mama serão rastreadas (Págs. 1 Vida, A23)

Exame revela que Cristina Kirchner não tinha câncer (Págs. 1 e Internacional, A18)

Mac Margolis
Novo polo de imigração

Reeditando a história, o Brasil escancara as portas para os imigrantes europeus, mas também para os latinos. Será que as manterá abertas? (Págs. 1 e Internacional, A18)

Dora Kramer
Casa de concordância

Tanto na Câmara quanto no Senado, o governo de Dilma conta com cerca de 80% dos parlamentares. Nem Lula conseguiu isso. (Págs. 1 e Nacional, A5)

Notas & Informações
A culpa não é das chuvas

A culpa da destruição não é do mau tempo, mas das autoridades, em todos os níveis de governo. (Págs. 1 e A3)

Formato: Rar | PDF
Tamanho: 74.23 MB